Hatch ficará mais bonito, com design semelhante ao conceito Sway. Brasil deve ter versão mais barata e menos avançada

Nissan Sway
Divulgação
Nissan Sway

Pequeno e de visual polêmico, o Nissan March irá mudar em breve. O hatch já foi flagrado em testes na Europa e, embora esteja debaixo de uma camuflagem bem pesada, é possível notar que será mais próximo do conceito Sway , apresentado no Salão de Genebra (Suíça). A mídia europeia crava que a quarta geração vai dar as caras no Salão de Paris (França), em outubro.

A entrada de ar deixa claro que o novo March terá a cara do conceito Sway
Reprodução/Paul Tan
A entrada de ar deixa claro que o novo March terá a cara do conceito Sway

Repare na frente do carro, que já mostra um pouco da grade em V e a entrada de ar onde estará o logo da Nissan . Também é possível notar como os faróis estão mais angulares e como a camuflagem faz o formato da área do para-choque onde estarão os faróis de neblina. O teto termina em uma pequena asa traseira e a tampa do porta-malas é mais inclinada. Novamente o plástico preto denuncia um pouco mais da forma do carro, revelando que as lanternas saltam para fora da carroceria.

A coluna C está mais inclinada e o teto tem um pequeno spoiler. É uma pegada mais esportiva.
Reprodução/Paul Tan
A coluna C está mais inclinada e o teto tem um pequeno spoiler. É uma pegada mais esportiva.

Com a adoção da plataforma CMF-B, o hatch irá crescer um pouco, o aproximando mais de medidas vistas no Ford Fiesta , seu principal rival na Europa. A troca de plataforma será acompanhada de uma considerável melhora no acabamento, pois passará a ser produzido na França, ao invés da Índia.

A chance do novo March vir ao país é praticamente zero. A marca se prepara para produzir o SUV Kicks em Resende (RJ), que utiliza a plataforma V, a mesma do March e Versa atuais. A Índia está em uma situação semelhante a nossa, na qual a Nissan investiu pesado para fabricar carros com a base atual. Por lá, já se fala em uma nova geração do hatchback com uma versão modificada da plataforma V, para os mercados emergentes – Brasil incluso.

Fotos:  paultan.org

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.