Foram 2,8 milhões de veículos convocados no ano passado, em 116 campanhas diferentes no Brasil

Airbags defeituosos da Takata elevaram a quantidade de recalls, afetando 1,7 milhão de veículos.
Divulgação
Airbags defeituosos da Takata elevaram a quantidade de recalls, afetando 1,7 milhão de veículos.

Desde 2012, se você acompanha as notícias do mundo automotivo, deve ter reparado que aumentou muito a quantidade de recalls. Não é impressão. Segundo um levantamento da Fundação Procon-SP, de 2012 a 2015, houve um aumento de 591% na quantidade de carros afetados por convocações. Ou seja, pulou de 406.213 em 2012 para 2.808.112 veículos em 2015. Já a quantidade de ações de chamamentos subiu de 55 em 2012 para 116 em 2015, um aumento de 110%.

No total, 5.412.144 veículos foram convocados nos 340 recalls realizados desde 2012. Pouco mais de um terço deles são os carros afetados pelo chamamento em massa para substituir os airbags da Takata, que prejudicou 1.701.258 veículos e levou a 49 recalls separados. Caso não se lembre ou não tenha ouvido falar, esse foi o caso dos airbags que podiam apresentar uma ruptura na estrutura do inflador das bolsas. Se fosse acionado, corria o risco de projetar fragmentos de metal e plástico contra os passageiros.

 O caso da Takata continua a puxar o número de recalls para cima. Só no primeiro trimestre deste ano já tivemos 21 chamadas. São três a menos do que no ano passado, mas envolvem muito mais veículos: 394.897 unidades, contra 143.563 de 2015. Foram quatro campanhas para corrigir 167.651 carros com as bolsas defeituosas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.