Na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve baixa de 44,2% no total comercializado pelas fabricantes

Com baixas vendas, associação dos fabricantes pedem fim dos 30 pontos percentuais a mais no IPI
Divulgação
Com baixas vendas, associação dos fabricantes pedem fim dos 30 pontos percentuais a mais no IPI

As dezoito marcas filiadas à Abeifa – Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores venderam em maio 2.696 unidades importadas, queda de 5,6% em relação ao mês anterior, quando foram emplacadas 2.856 unidades. Ante o mês de maio de 2015, o desempenho negativo é de 44,2%. Foram 2.696 unidades contra 4.828 veículos.  

No acumulado, cuja totalização chegou a 15.412 unidades emplacadas, a queda significou 44,5% em relação aos 27.772 veículos emplacados no primeiros cinco meses de 2015. 

“Reconhecemos que o mercado interno de veículos automotores está temporariamente em baixa, mas no caso dos veículos importados mais em razão do fato de que é impossível vender carros fora de cota estabelecida com 30 pontos percentuais a mais no IPI, aliado ao dólar na casa de R$ 3,60”, esclarece José Luiz Gandini, presidente da Abeifa. 

“A diretoria da Abeifa espera que o Governo Federal reveja os 30 pontos percentuais, medida criada pela administração anterior sem qualquer critério e que contraria inclusive e frontalmente as normas da Organização Mundial do Comércio. Por isso, o nosso pleito de isonomia de tratamento ao nosso setor. Precisamos que medidas urgentes sejam tomadas para evitar a insustentabilidade dos negócios das importadoras e de suas redes de concessionárias”, enfatiza o presidente da Abeifa. “Volto a insistir que o setor de importados não pode esperar até dezembro de 2017 o fim dos 30 pontos percentuais do IPI”. 

Em recente estudo, a entidade mostrou que o quadro do setor de veículos importados é desolador: em 2011, ano em que foi instituído os 30 pontos percentuais no IPI, as associadas à Abeifa responderam por 199 mil unidades comercializadas, com rede de 848 concessionárias autorizadas, 35 mil empregos diretos e recolhimento de impostos da ordem de R$ 6,5 bilhões; hoje as dezoito associadas respondem por 450 concessionárias (incluindo as que têm fábricas no País), 13,5 mil empregos diretos (incluindo fábricas) e têm previsão de recolhimento de impostos na casa de R$ 2,1 bilhões. 

No capítulo que contempla a produção local, as associadas BMW , Chery , Mini e Suzuki fecharam o mês de maio com 1.231 unidades emplacadas, total que representou alta de 46,4% em relação ao mês anterior, mas queda de 65,7% se comparado com maio de 2015, quando foram emplacadas 3.594 unidades nacionais. Enquanto, no acumulado, as quatro associadas à Abeifa totalizaram 3.937 unidades emplacadas, queda de 47,8% ante as 7.548 unidades dos primeiros cinco meses do ano passado. 

Com os totais somados – importados e produção nacional -, a participação das filiadas à Abeifa no mercado interno é de 2,42% no mês de maio e de 2,47% nos primeiros cinco meses do ano.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.