Foram 5.924 unidades, volume que fica atrás dos 4.313 da Toro, a segunda colocada no terreno das picapes

Fiat Strada
Divulgação
Fiat Strada

As vendas de julho foram as melhores do ano até agora, mas a líder no segmento de picapes continua sendo a Fiat Strada. De acordo com o balanço mensal de vendas divulgado pela Fenabrave (Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos), o modelo da marca italiana teve 5.924 unidades vendidas no mês passado, ante 4.313 da Toro , a segunda colocada no ranking de julho, seguida pela Volkswagen Saveiro , que teve 3.908 unidades emplacadas.
Portanto, nas três primeiras posições da lista das picapes mais vendidas, não houve novidades.

Porém, afora segmento da Fiat Strada , entre os modelos médios, temos como destaque as boas vendas da Chevrolet S10 , cuja versão renovada foi lançada em maio e já começa a chegar perto da Toyota Hilux em volume de vendas. Ainda conforme o relatório da Fenabrave, o utilitário da GM teve 2.339 unidades vendidas no mês passado ante 2.658 do Toyota , o que representa uma diferença de 319 unidades.

LEIA MAIS: Nova picape Renault Alaskan é revelada. Chega ao Brasil em 2018

Atrás dos modelos da GM e da Toyota ficou a Ford Ranger , com 1.961 unidades vendidas, bem na frente da já antiquada Mitsubishi L200 (777), da Volkswagen Amarok (492) e da Nissan Frontier (329), que está à espera da nova geração, que chegará em 2017, vinda da Argentina, onde será feita junto com a Renault Alaskan , cuja estreia no Brasil está marcada apenas para 2018.

LEIA MAIS: Nissan Frontier e Mitsubishi L200 terão a mesma plataforma

Renault procura tornar a Oroch mais atraente

Com 1.194 unidades vendidas em julho, a Oroch acaba de receber opção de câmbio automático, de quatro marchas, o mesmo do SUV Duster . Além disso, passou a ser equipada com motor 2.0 evoluído e uma série de outras novidades que a deixou 11,5% mais eficiente, de acordo com a fabricante. Uma delas fica por conta da direção eletro-hidráulica, que garante maior conforto e menor consumo.

Umas das mudanças no motor 2.0 flex foi a inclusão do sistema ESM (Energy Smart System) de regeneração de energia. Durante a aceleração, o alternador não precisa “roubar” energia do motor para enviar à bateria, já que houve a carga na desaceleração. A redução de atrito interno no 2.0 flex também ajudou na redução do consumo, diz a Renault . Os pneus verdes, com menor resistência à rodagem, também ajuda a economizar combustível no final das contas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.