Fábrica no país vizinho prioriza a produção da nova geração do Cruze em detrimento do sedã veterano e do hatch Agile

Chevrolet Classic
Divulgação
Chevrolet Classic

Quem quiser um Chevrolet Classic terá que garimpar bastante nas concessionárias para encontrar alguma unidade disponível. Isso porque, de acordo com o site Argentina Autoblog , a GM do país vizinho deixou de exportar o carro para o Brasil desde maio.Portanto, o que ainda se vende é remanescente de estoque antigo.

No Brasil, conforme o balanço de vendas de julho diviulgado pela Fenabrave (Federação dos Distribuidores de Veículos), o Chevrolet Classic teve 1.728 unidades vendidas no mês passado e 1.705 em junho, com um total acumulado de 10.023 unidades nos sete primeiros meses de 2016, volume suficiente para ficar em nono lugar do segmento de sedãs compactos, na frente apenas do chinês Chery Celler , que teve apenas 191 unidades vendidas até julho último.

LEIA MAIS: Conheça 5 carros à venda há mais tempo no Brasil

 Na Argentina, o Chevrolet Classic é fabricado desde 1998. Mas, no Brasil, o sedã chegou dois anos antes, como derivado do Corsa hatch. Tinha versão 1.6, de oito ou desseseis válvulas. E acabamento mais caprichado que o do Classic , que chegou a ser o sedã compacto mais vendido do mercado brasileiro por vários anos, apoiado pela relação custo-benefício.

LEIA MAIS: Novos Chevrolet Celta e Classic nascerão de parceria com chineses

Novo Cruze tem prioridade na produção

Portanto, na Argentina, a produção do Classic e do hatch compacto Agile continua em escala reduzida porque a prioridade da fábrica dos hermanos é suprir a demanda pela nova geração do Cruze , cuja versão sedã foi lançado no Brasil no final de maio e teve as primeiras unidades vendidas nas lojas no início do mês seguinte.

Ainda conforme o Argentina Autoblog, o novo Cruze Hatch começará a ser fabricado no último trimestre do ano. E a partir do início do ano que vem existem chances da GM da Argentina decidir parar de vez a produção da dupla Classic e Agile , já que a linha de montagem ficará ainda mais voltada para produzir a nova geração do modelo médio em detrimento dos veteranos. No Brasil, o hatch Agile deixou de ser vendido em setembro de 2014, junto com o Sonic , que vinha importado da Coréia do Sul.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.