Lei pretende banir venda de motores a combustão. País conta com mais de 20 mil estações de recarga para carros elétricos.

A Holanda quer ter apenas carros elétricos à venda a partir de 2025, encerrando a comercialização de modelos com motor a combustão - inclusive os híbridos.
Divulgação
A Holanda quer ter apenas carros elétricos à venda a partir de 2025, encerrando a comercialização de modelos com motor a combustão - inclusive os híbridos.

Os carros elétricos ainda têm muitas dificuldades para superar antes que tomem de vez as ruas. O Partido Trabalhista Holandês não concorda e acredita que já será possível banir os automóveis com motor a combustão em 2025, tanto os movidos a gasolina quanto a diesel. Estão tão interessados que já existe um projeto de lei que está ganhando força, tanto no congresso quanto em apoio da população.

A campanha, liderada pelo político Jan Vos, tem como objetivo reduzir ao máximo a emissão de CO2 o quanto antes. Vos não é tão radical assim, citando que não será possível banir os motores a combustão antes que os carros elétricos sejam mais baratos e práticos. A lei seria uma forma de mostrar às fabricantes que precisam investir mais nessas tecnologias. “Temos que acabar com as emissões de CO2 e temos que mudar a forma de usar combustíveis fósseis se queremos salvar a Terra”, disse o político.

LEIA MAIS: Salão de carro elétrico é marcado para setembro, em São Paulo

A Holanda é o país que mais investe no uso de veículos de baixa emissão ou totalmente ecológicos. Segundo os dados do Observatório Europeu de Combustíveis Alternativos, a nação conta com quase 20 mil estações de recarga para carros elétricos – para um país com 41,5 km², menor do que o estado do Rio de Janeiro (43,6 km²). Essa quantidade é quase a mesma que Reino Unido e França combinados.

Essa lei irá impedir apenas a venda de veículos novos, permitindo que os automóveis movidos a motores a combustão, anteriores à promulgação da regra, circulassem pelas ruas holandesas. Isso é importante, já que a Holanda representa 30% das vendas de modelos híbridos na Europa, modelos que também utilizam motores a combustão, alguns para locomoção em velocidades mais altas, outros como gerador para o motor elétrico.

LEIA MAIS: Como é a vida andando de carro elétrico, em São Paulo

Quase um quarto das vendas de carros novos são modelos elétricos, enquanto automóveis híbridos são as versões que mais vendem. Como comparação, 43% dos BMW Série 3 vendidos na Holanda são do modelo híbrido 300e , enquanto no resto da Europa essa versão corresponde a apenas 4%. Entre os elétricos, o Tesla Model S é o que faz mais sucesso, vendendo quase 900 unidades desde o início do ano, seguido pelo Nissan Leaf com 412 unidades.

Brasil ainda bebe gasolina e etanol

Enquanto isso, o Brasil ainda engatinha no uso de veículos híbridos e elétricos. Após anos de briga entre as fabricantes e o governo, os políticos finamente deram algum incentivo para os automóveis “verdes”. O carro elétrico e a hidrogênio teve o Imposto de Importação zerado, antes pagando uma alíquota de 35%. Os híbridos tem impostos de acordo com a eficiência e cilindrada do motor a combustão, podendo ir da isenção até 7% de tributos.

Com essa dificuldade, a oferta de carros elétricos e híbridos é mínima. O único elétrico à venda no Brasil é o BMW i3 , que parte de R$ 159.950. Os demais modelos são híbridos: BMW i8 (R$ 799.950), Ford Fusion Hybrid (R$ 149.900), Lexus CT200h (R$ 129.900), Mitsubishi Outlander PHEV (R$ 204.990), e Toyota Prius (R$ 123.950). A Nissan chegou a fornecer o elétrico Leaf para os taxistas no Rio de Janeiro, enquanto a Renault emprestou o Twizy para a guarda municipal de Curitiba.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.