Novo modelo do Mercosul, já usado na Argentina e Uruguai, agora está sem prazo para começar a ser adotado por aqui

Novo padrão de placa de identificação para veículos. Na esquerda está a placa para automóveis, caminhões e ônibus. Na direita, para motocicletas.
Divulgação/Contran
Novo padrão de placa de identificação para veículos. Na esquerda está a placa para automóveis, caminhões e ônibus. Na direita, para motocicletas.

Pela segunda vez desde que foram apresentadas, em outubro de 2014, as novas placas do veiculares do Mercosul têm adiado o prazo de início de utilização no Brasil pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). Dessa vez, de acordo com o órgão, a justificativa do adiamento é a “ausência de sistema de consultas e de intercâmbio de informações sobre aspectos relativos à circulação de veículos nos Estados Partes”.

Portanto, pelo menos por enquanto, não há data de início para aplicação das novas placas do Mercosul no Brasil, o que depende do Denatran julgar que o sistema brasileiro estar apto para tanto. A partir do parecer favorável, deve-se contar um ano. Entretanto, o prazo para padronização de todo o Mercosul continua mantido para 21 de dezembro de 2020. Lembrando que Argentina e Uruguai já adotam  as novas placas.

LEIA MAIS:  Argentina adota novas placas automotivas para o Mercosul

 Como são as novas placas 


Novas placas para automóveis válidas para todo o Mercosul.
Divulgação
Novas placas para automóveis válidas para todo o Mercosul.

A mudança tem dois objetivos: facilitar a identificação da origem dos carros dentro do Mercosul e aumentar o número de combinações possíveis. A primeira a adotar o padrão foi a Argentina. O país estava a beira de um colapso, pois as combinações possíveis para as placas estão quase esgotadas – em 2014, tinham menos de 2 milhões de combinações.

LEIA MAIS: Engarrafamento, as cidades com pior trânsito do Brasil

A identificação será feita com duas letras, três números e mais duas letras. Esse formato permite mais de 450 milhões de combinações. Para motocicletas, o sistema é o mesmo, mudando apenas a ordem para uma letra, três números, três letras. Além disso, na parte superior da placa, há uma barra azul com o nome do país e sua bandeira, enquanto a identificação de cidade e estado ficará na lateral direita, inclusive com o brasão do estado.

Por aqui, teremos também uma tira holográfica do lado esquerdo e um código bidimensional com o nome do fabricante, data de fabricação do veículo e número serial da placa. O formato permite até 450 milhões de combinações, número muito superior a atual frota de 120 milhões de veículos nos cinco países do Mercosul.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.