Com os sedãs médios aumentando o preço, dá para encontrar bons modelos seminovos. Veja nossas cinco escolhas por até R$ 45 mil e três anos de uso.

Com os últimos lançamentos, o segmento dos sedãs médios teve um grande aumento de preço. Um Chevrolet Cruze , por exemplo, parte de R$ 89.990, enquanto o novo Honda Civic tem preço inicial de R$ 87.900, chegando a R$ 125 mil na versão mais cara. Mesmo os modelos novos ainda não renovados, como o Toyota Corolla , não custam menos que R$ 70 mil nas concessionárias.

LEIA MAIS: Cinco carros que foram um fiasco de vendas no Brasil

Assim sendo, os sedãs médios seminovos ficam muito mais atraentes. Procuramos por modelos vendidos por, até R$ 45 mil, com três anos de uso e, no máximo, 30 mil km rodados. Além de várias ofertas de sedãs menores, encontramos muitos modelos maiores que valem a pena conferir. Veja nossas 5 escolhas de sedãs médios seminovos

1 - Citroën C4 Lounge

Não é um dos sedãs médios mais vendidos, mas o Citroën C4 Lounge tem muitas qualidades e se afasta da fama de que carro francês é ruim.
Divulgação/Citroën
Não é um dos sedãs médios mais vendidos, mas o Citroën C4 Lounge tem muitas qualidades e se afasta da fama de que carro francês é ruim.

Injustiçado nas vendas dos sedãs médios, o Citroën C4 Lounge é um modelo bem acertado e que evoluiu muito em comparação com seu antecessor, o C4 Pallas . É possível encontrar unidades seminovas por, em média, R$ 42 mil, inclusive na versão intermediária Tendance, com ar-condicionado, computador de bordo, sensor de estacionamento e controle de cruzeiro. Seu porta-malas tem capacidade para 450 litros. O lado ruim? Nessa faixa de preço, só encontramos o C4 Lounge com o motor 2.0 flex, de 151 cv e 20,2 kgfm, com etanol – nada do ótimo motor 1.6 THP de 166 cv. Fique longe do modelo automático, beberrão e que tem apenas quatro marchas.

2 - Ford Focus Fastback

O Ford Focus Fastback pode ser o mais caro entre os sedãs médios da lista, mas é o mais atual e com bom nível de equipamentos.
Divulgação/Ford
O Ford Focus Fastback pode ser o mais caro entre os sedãs médios da lista, mas é o mais atual e com bom nível de equipamentos.

O mais caro da lista também é o melhor equipado. Dá para encontrar o Ford Focus Fastback por um valor muito próximo dos R$ 45 mil propostos, na versão S de entrada. Mesmo assim, vem com controle de tração, travas e vidros elétricos, computador de bordo e retrovisores elétricos. O motor é o 1.6 flex, de 135 cv e 16,7 kgfm, com câmbio manual de cinco marchas. Só faltou ter direção elétrica e uma central multimídia, além de ter um porta-malas de apenas 421 litros, um dos menores entre os sedãs médios da atualidade.

3 - Kia Cerato

Um dos mais antigos da lista, o Kia Cerato é um bom sedã médio. Peca pela suspensão de curso curto, porta-malas pequeno e a falta de um motor um pouco mais potente.
Divulgação/Kia
Um dos mais antigos da lista, o Kia Cerato é um bom sedã médio. Peca pela suspensão de curso curto, porta-malas pequeno e a falta de um motor um pouco mais potente.

Enquanto os carros atuais da Kia apostam em um design mais diferenciado, o Cerato de segunda geração era um modelo muito mais sóbrio, mas sem deixar de ser bonito. Procure com calma e fuja da versão de entrada, que não tem freios ABS. Se encontrar um modelo intermediário, terá ar-condicionado digital e volante revestido de couro. No modelo topo de linha, ganha roda de liga leve 17”. O motor 1.6 de 126 cv bebe apenas gasolina e não é dos mais rápidos, sofrendo um pouco com o carro cheio, e a suspensão tem curso muito curto, resultando em batidas secas . A média é de R$ 42 mil. Tem o menor porta-malas da lista, com capacidade para só 415 litros.

LEIA MAIS: Após atraso, Kia começa a produzir novo Cerato no México

4 - Nissan Sentra

O que falta de beleza para o Nissan Sentra o sedã compensa com um bom ajuste mecânico e preço interessante.
Divulgação/Nissan
O que falta de beleza para o Nissan Sentra o sedã compensa com um bom ajuste mecânico e preço interessante.

O Nissan Sentra compensa a falta de beleza com um conjunto bem acertado. Conta com o motor 2.0 flex de 143 cv e 20,3 kgfm, com etanol. Não parece muito, mas o sedã responde bem, principalmente com o câmbio CVT, que mantem a aceleração constante. Tem um porta-malas relativamente espaçoso, de 442 litros, e com uma divisória retrátil. O lado ruim é que o motor não foi tão bem ajustado para usar etanol, com uma taxa de compressão mais baixa, o que deixa o rendimento na casa dos 9 km/l na estrada. Um modelo manual pode custar R$ 32 mil, enquanto o carro equipado com CVT fica na média de 37 mil.

LEIA MAIS: Nissan Sentra SL 2017 - Mesma alma, apesar do olhar mais agressivo

5 - Renault Fluence

Bem acertado, o Renault Fluence tem um bom custo-benefício e o maior porta-malas da lista, com 530 litros.
divulgação/Renault
Bem acertado, o Renault Fluence tem um bom custo-benefício e o maior porta-malas da lista, com 530 litros.

Há alguns anos, o Renault Fluence ganhou vários comparativos feitos pela mídia brasileira. Isso porque é um sedã que faz tudo de forma mediana, sem apresentar falhas. Como passou por um facelift, o modelo com design anterior tem preços bem convidativos, na faixa de R$ 41 mil com o motor 2.0 flex de 143 cv e 20,3 kgfm, valor cobrado tanto pela versão com câmbio manual de seis marchas quanto com transmissão CVT. Se procura por porta-malas grande, é a melhor escolha, com 530 litros. Na configuração Dynamique, vem com ar-condicionado, sensor de estacionamento, sensor de chuva, controle de cruzeiro, chave presencial, retrovisores elétricos e rodas de liga leve.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.