Ser criativo demais com um conceito pode levar a ideias bem bizarras. Conheça 10 conceitos que fizeram o favor de não virarem carros de produção

O Salão do Automóvel de São Paulo está cada vez mais próximo (acontece entre os dias 10 e 20 de novembro) e, como todo bom evento automotivo, estará dividido entre belas máquinas, os próximos lançamentos e conceitos bem diferentes. Às vezes, as marcas viajam um pouco mais do que deveriam, criando protótipos muito fora da realidade, totalmente desalinhados com os outros carros da empresa ou que são totalmente bizarros. Vamos lembrar os 10 conceitos mais estranhos que saíram das pranchetas:

BMW GINA

Já imaginou um carro feito de tecido? Essa é a ideia por trás do BMW GINA, um conceito que usa lycra.
Divulgação/BMW
Já imaginou um carro feito de tecido? Essa é a ideia por trás do BMW GINA, um conceito que usa lycra.

Chamado oficialmente como BMW GINA Light Visionary Model, o conceito da marca alemã é feito de tecido. Não, você não leu errado. Criaram um tecido coberto com Elastano, um tipo de lycra que é esticado sobre um quadro de alumínio e carbono flexível. Ao mover essa estrutura, o pano se adapta de acordo, como quando abrimos a porta. De alguma forma, a BMW achava que isso daria certo e que ainda conseguiria colocar um motor lá dentro.

LEIA MAIS:  Volvo revela protótipos da nova linha 40. Veja fotos

Citroën Eggo

Na forma de um ovo, o conceito Citroën Eggo foi concebido de forma a enfrentar qualquer tipo de terreno.
Divulgação/Citroën
Na forma de um ovo, o conceito Citroën Eggo foi concebido de forma a enfrentar qualquer tipo de terreno.

O nome dá a dica de qual é a ideia por trás do Citroën Eggo : Um ovo. Criado pelo designer croata Damnjam Mitic, o conceito da Citroën tem o formato oval com um teto coberto de painéis solares. A energia move os quatro motores elétricos, embutidos em cada roda. A proposta é de que seria capaz de passar por qualquer tipo de terreno, carregando duas pessoas dentro do ovo.

Ferrari 512S Modulo

Nem parece, mas é um carro da Ferrari. O 512S Modulo foi criado pelo estúdio Pininfarina e apenas uma unidade foi produzida.
DIVULGAÇÃO/FERRARI
Nem parece, mas é um carro da Ferrari. O 512S Modulo foi criado pelo estúdio Pininfarina e apenas uma unidade foi produzida.

Este modelo não é tão estranho quanto os demais. O motivo de estar aqui é o fato de ser um conceito da Ferrari , desenvolvido pelo lendário Estúdio Pininfarina. Apresentado no Salão de Genebra de 1970, o protótipo usa uma porta-escotilha para acessar a cabine. Era equipado com o motor 5.0 V12 de 550 cv e uma transmissão manual de cinco marchas. A única unidade produzida está nas mãos do diretor de cinema James Glickenhaus.

LEIA MAIS: Peugeot L500 R HYbrid é  protótipo de corrida do futuro

Firebird XP-21

Para a GM, os carros iriam se aproximar dos aviões e foguetes, tanto no design quanto no uso de turbinas.
Divulgação/General Motors
Para a GM, os carros iriam se aproximar dos aviões e foguetes, tanto no design quanto no uso de turbinas.

Na década de 1950, as fabricantes tinham ideias bem diferentes de como os carros do futuro iriam se mover. A General Motors acreditava que, em certo ponto, iria utilizar a tecnologia de turbinas nos seus veículos, que seriam mais parecidos com foguetes. O exemplo foi a linha Firebird, que começou com o XP-21 . É basicamente um jato com rodas, com uma pequena cabine para uma pessoa e que usava uma turbina de 370 cv.

Ford Indigo

Misturar os carros da Fórmula Indy com veículos de rua deu origem ao conceito Ford Indigo, com chassi de fibra de carbono e motor 6.0 V12 de 435 cv.
Divulgação/Ford
Misturar os carros da Fórmula Indy com veículos de rua deu origem ao conceito Ford Indigo, com chassi de fibra de carbono e motor 6.0 V12 de 435 cv.

O curioso Ford Indigo foi revelado pela marca em 1996, como uma vitrine das tecnologias da Fórmula Indy. Usava um chassi feito de fibra de carbono, diretamente integrado à suspensão. O motor era um 6.0 V12 de 435 cv, criado a partir do V6 Duratec da marca. Curiosamente, fizeram duas unidades, uma que funcionava (e que continua nas mãos da empresa) e um modelo sem motor, que acabou destruído em um acidente depois de ser leiloado.

Ford Nucleon

Se manter um carro com motor a combustão já é caro, imagina então manter um veículo que usa um reator nuclear, como o Ford Nucleon.
Divulgação/Ford
Se manter um carro com motor a combustão já é caro, imagina então manter um veículo que usa um reator nuclear, como o Ford Nucleon.

Muito antes de Doc Brown mover seu DeLorean com plutônio, a Ford já sonhava em usar energia nuclear como combustível. O Nucleon, apresentado em 1958, contava com um pequeno reator na traseira, usando os gases gerados na fissão de urânio (da mesma forma que um submarino nuclear). Obviamente, nunca foi capaz de se mover, já que o sonho de ter reatores em miniatura nunca se concretizou.

LEIA MAIS:  BMW mostra detalhes do protótipo Next 100 em 28 fotos

Honda Fuya-Jo

Algum baladeiro da Honda achou que seria legal criar um carro em que os passageiros pudessem dançar enquanto dirigem.
Divulgação/Honda
Algum baladeiro da Honda achou que seria legal criar um carro em que os passageiros pudessem dançar enquanto dirigem.

Gosta de andar por aí com o som bem alto? Talvez você fosse gostar de dirigir o Honda Fuya-Jo , um protótipo do Salão de Tóquio de 1999 criado especialmente para os japoneses que gostam de ficar na balada. E olha só a ideia do carro: quatro pessoas viajam em um carro com altura o suficiente para ficar de pé e dançar enquanto vai para a próxima festa, enquanto alguém dirige usando um volante em forma de mesa de DJ.

Nissan Pivo 2

O Nissan Pivo 2 era a solução de mobilidade urbana da marca, capaz de andar de lado, com uma cabine giratória e um robozinho que serve de assistente.
Divulgação/Nissan
O Nissan Pivo 2 era a solução de mobilidade urbana da marca, capaz de andar de lado, com uma cabine giratória e um robozinho que serve de assistente.

Ter uma coisa maluca não foi suficiente para o Nissan Pivo 2. Para começar, tem um design bem estranho, de uma bolha com quatro rodas. A segunda ideia estranha é de que essa cabine gira em 360 graus e as rodas giram em 90 graus, o que permite que o carro ande de lado – pelo menos é fácil de estacionar. Para completar, ainda vem com um pequeno robô integrado ao painel, que serve tanto para controlar o veículo quanto para conversar com o motorista.

Peugeot Moovie

As enormes partes redondas nas laterais do Peugeot Moovie são, ao mesmo tempo, as rodas e as portas do veículo.
Divulgação/Peugeot
As enormes partes redondas nas laterais do Peugeot Moovie são, ao mesmo tempo, as rodas e as portas do veículo.

A Peugeot costumava fazer uma competição de design. Em 2005, na sua terceira edição, um português chamado André Costa venceu com o design do Moovie . Trata-se de um carro elétrico para duas pessoas que mais parece um mouse de computador. Totalmente elétrico, o Moovie é formado por duas enormes rodas que também são as portas do veículo. Na hora de virar, o sistema faz com que uma roda gire mais rápido do que a outra.

Toyota i-unit

O Toyota i-unit pode ser uma ótima ideia para quem tem problema de mobilidade, mas torna-se bizarro por ter sido pensado para quem não quer caminhar.
Divulgação/Toyota
O Toyota i-unit pode ser uma ótima ideia para quem tem problema de mobilidade, mas torna-se bizarro por ter sido pensado para quem não quer caminhar.

A Toyota já fez muitos conceitos estranhos, mas nenhum ganha do i-unit , uma mistura  de microcarro, moto, exoesqueleto e cadeira de rodas. Pode andar por aí em dois modos. No primeiro, a cadeira se move de modo que o passageiro fica de pé, ideal para lugares cheios de pessoas. No outro, o condutor fica sentado e pode andar pelas ruas em uma velocidade muito maior. É controlado por dois joysticks, um em cada apoio de braço e usava um motor elétrico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.