Segundo o Latin NCAP, estes cinco seminovos são fatais pela baixa segurança e receberam nota zero em proteção

Desde janeiro de 2014, todo carro novo tem que vir com airbags duplos frontais e freios ABS. O motivo é óbvio, como mostraram os testes de colisão realizados pelo Latin NCAP. Muitos modelos nacionais receberam nota zero na proteção para adultos com a falta das bolsas infláveis e ainda são vendidos por aí entre os modelos seminovos , com até três anos de uso. Veja quais são os cinco que bombaram no quesito segurança e que devem ser evitados.

LEIA MAIS: Os 10 carros menos seguros do Brasil

Metodologia usada pelo Latin NCAP no teste de colisão frontal
Divulgação/Latin NCAP
Metodologia usada pelo Latin NCAP no teste de colisão frontal

O crash-test do Latin NCAP para batidas frontais funciona da seguinte forma. O carro colide a 64 km/h contra uma barreira deformável, de forma que 40% da frente do veículo do lado do motorista atinja o obstáculo. O teste simula um acidente entre dois veículos que cada um viaja, aproximadamente, a 55 km/h. Depois é feita uma análise da deformação da estrutura do veículo e da força do impacto sofrido pelos bonecos instalados dentro do veículo.

Chevrolet Agile

O Chevrolet Agile saiu de linha no Brasil em 2014,  um ano depois de receber nota zero no teste do Latin NCAP.
Divulgação/Latin NCAP
O Chevrolet Agile saiu de linha no Brasil em 2014, um ano depois de receber nota zero no teste do Latin NCAP.

Um dos seminovos mais polêmicos da lista é o Chevrolet Agile . O carro chegou "zerar" no teste de colisão em proteção para adultos. E foi muito criticado pelo Latin NCAP, que considerou a estrutura do carro instável, principalmente na região do assoalho dos bancos dianteiros, onde foi aberto um buraco por onde os pés do motorista poderiam passar para o lado de fora. O Agile deixou de vir ao Brasil em 2014 e, neste mês, a GM Argentina encerrou a produção do hatchback.

LEIA MAIS: Chevrolet encerra de vez a produção do Agile


Fiat New Palio

Além dos airbags obrigatórios, o resultado ruim obrigou a Fiat a reforçar a estrutura do New Palio.
Divulgação/Latin NCAP
Além dos airbags obrigatórios, o resultado ruim obrigou a Fiat a reforçar a estrutura do New Palio.

A atual geração do Fiat Palio foi batizada de New Palio por manter a versão anterior como uma opção mais em conta.. Lançado em 2011, o hatch só passou pelo teste em 2014, quando foi reprovado no teste, sem nenhum estrela. O agravante foi o nível de proteção para a cabeça do motorista, que recebeu a pior nota possível. Além disso, o condutor vai de encontro com o volante, aumentando as chances de ferimentos sérios. Felizmente, com a adição de airbags e o reforço estrutural feito pela Fiat, o Palio ficou bem mais seguro a partir de 2014.


Lifan 320

O Lifan 320 foi um dos piores carros avaliados na história do Latin NCAP.
Divulgação/Latin NCAP
O Lifan 320 foi um dos piores carros avaliados na história do Latin NCAP.

Caso não lembre, o Lifan 320 é aquela “versão” chinesa do Mini Cooper que foi vendida no Brasil entre 2010 e 2014. O hatch compacto 320 teve um dos piores resultados da história do Latin NCAP, sem receber nenhuma estrela em proteção para adultos e crianças. O volante bateu contra o motorista e se soltou, a cabeça não teve proteção alguma e a frente do veículo ficou praticamente separada do resto da carroceria. A Lifan encerrou a produção do 320 em 2013.


Nissan Tiida Sedan

A versão sedã do Nissan Tiida decepcionou na proteção para o motorista, que bateu a cabeça contra o volante.
Divulgação/Latin NCAP
A versão sedã do Nissan Tiida decepcionou na proteção para o motorista, que bateu a cabeça contra o volante.

A versão sedã do Tiida é outro seminovo a ser evitado por ser bem perigoso para os ocupantes. Assim como o Palio, o Nissan Tiida Sedan tem um sério problema em proteção para a cabeça do motorista, fator com que faz que zere automaticamente no teste. Se não fosse isso, poderia ter ido melhor, já que o Latin NCAP considerou a carroceria estável e capaz de suportar um impacto mais forte. Saiu de linha em 2013, junto com a versão hatch.



LEIA MAIS: Futuro brasileiro, Renault Kwid zera em teste de colisão

Renault Clio

O Renault Clio já saiu de linha, mas é um dos modelos mais fáceis de encontrar entre os seminovos no Brasil
Divulgação/Latin NCAP
O Renault Clio já saiu de linha, mas é um dos modelos mais fáceis de encontrar entre os seminovos no Brasil

Quem pegar um Renault Clio sem airbag corre sérios riscos. O teste de impacto frontal mostrou que a proteção para cabeça do motorista está muito abaixo do esperado, ultrapassando os limites de leitura dos bonecos. A carroceria foi considerada instável, com o risco de se desfazer ainda mais caso a colisão fosse mais forte. O pequeno Clio saiu de linha neste ano, para dar espaço para o futuro Kwid , que será lançado no primeiro semestre de 2017.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.