Tamanho do texto

Nem tudo que reluz é ouro, como diz o ditado popular. Por trás de um preço convidativo, esconde-se uma dor de cabeça

Os SUVs estão na moda e são o principal foco de investimento de qualquer fabricante no dia de hoje. De acordo com as expectativas divulgadas pela Anfavea (Associação Nacional dos. Fabricantes de Veículos), o segmento de utilitários esportivos deve corresponder a 25% do mercado nacional na venda de carros novos em 2018. Mas nem todo mundo tem grana suficiente, ou faz questão de investir R$ 80 mil em um veículo zero quilômetro. O jeito é partir para os SUVs seminovos.

LEIA MAIS: SUVs mais econômicos: saiba quais são os melhores entre os compactos

Mas, tome cuidado. Muitas ofertas tentadoras escondem dores de cabeça profundas para o futuro. Nós já mostramos os SUVs seminovos mais legais para investir, e chegou a hora de fazer exatamente o contrário. Conheça agora os utilitários esportivos para passar bem longe na hora de escolher seu seminovo.

1 - Chery Tiggo 2013/14 - Entre R$ 34 mil e R$ 35 mil

Chery Tiggo: o preço é tentador entre os SUVs seminovos,  mas pense duas vezes antes de levar um Tiggo usado pra casa
Divulgação
Chery Tiggo: o preço é tentador entre os SUVs seminovos, mas pense duas vezes antes de levar um Tiggo usado pra casa

A desvalorização do Tiggo é alta, deixando o SUV chinês com preço tentador. Afinal, que outro utilitário esportivo ano 2013/14 você poderia comprar com R$ 33.990 na mão? Fique atento, pois donos de Tiggo se queixavam da suspensão barulhenta - principalmente ao passar por lombadas - com muita frequência nas redes sociais. 

LEIA MAIS: Seis tendências que vão dar as cartas no setor automotivo em 2018

Panes elétricas, fragilidade do conjunto e a dificuldade de achar peças, mesmo nas concessionárias da Chery, também estão entre os problemas do Tiggo, que ainda precisa evoluir para ter um conjunto um pouco mais bem acertado, entre outras melhorias, inclusive de acabamento. Uma nova geração do Tiggo já está nos planos da Chery, agora sob os cuidados do Grupo CAOA. Mas até lá, fique longe do modelo usado.

2 - Renault Duster 2.0 Dynamique AT 2014 - Entre R$ 42 mil e R$ 48 mil

Renault Duster Tech Road
divulgação/Renault
Renault Duster Tech Road

O Renault Duster sempre cumpriu bem seu papel de ser um SUV compacto barato. Ele parte de R$ 69.990 nas concessionárias da marca francesa, sendo até R$ 10 mil mais barato que seus principais rivais nas versões de entrada. Tal estratégia permite que o Duster mantenha o preço competitivo até mesmo no mercado de usados, mas vale fugir da versão 2.0 Dynamique.

LEIA MAIS: Por que o Compass é o carro mais desejado do Brasil?

Desembolsar R$ 42 mil num SUV usado que não chegou a completar quatro anos de uso estaria longe de ser um mal negócio, se não fosse o conjunto mecânico antiquado e o câmbio automatizado de quatro marchas. Os trancos são frequentes e o consumo é elevado, principalmente com etanol. De acordo com o Inmetro, o Duster Dynamique faz 5,8 km/l com etanol na cidade e 7,2 km/l na estrada. Os números sobem para 8,5 km/l e 10,5 km/l na gasolina.

3 - Chevrolet Captiva 2.4 2014 - Entre R$ 58 mil e R$ 65 mil

Chevrolet Captiva: espaço interno, posição de dirigir e entendimento entre câmbio e motor são pontos negativos
Divulgação
Chevrolet Captiva: espaço interno, posição de dirigir e entendimento entre câmbio e motor são pontos negativos

A Captiva foi revolucionária em seu segmento quando chegou ao Brasil, em meados de 2008. Dá pra dizer que o utilitário estava em dia com as tendências do mercado, mesmo que sua posição de dirigir não fosse das melhores e o câmbio automático não tivesse um bom entendimento com o motor. Entretanto, o segmento evoluiu muito nos anos seguintes, e a Captiva acabou ficando antiquada com certa rapidez. E esta versão 2014, com motor 2.4 SIDI, não deixa mentir.

LEIA MAIS: Ford Ecosport Storm enfrenta o rival Jeep Renegade. Qual é melhor?

O espaço interno também não é dos melhores. Vale mencionar que alguns hatches médios da mesma época são mais espaçosos que o SUV da Chevrolet. Proprietários de longa data também reclamam que as peças de reposição são bem caras nas concessionárias. O consumo nem chega a ser tão assustador, faz 7,5 km/l na cidade e 9,7 km/l na estrada, sempre com gasolina no tanque.

4 - Lifan X60 1.8 VIP 2014 - Entre R$ 40 mil e R$ 46 mil

Lifan X60: folga na direção, trambulador e  desvalorização acima da média, entre os pontos negativos
Divulgação
Lifan X60: folga na direção, trambulador e desvalorização acima da média, entre os pontos negativos

O que mais assusta no Lifan X60 é a desvalorização. Em um classificado online dos mais tradicionais, encontramos um SUV chinês 2015/16 por R$ 54.990. O mesmo X60, porém ano 2014/14 pode chegar a custar R$ 39 mil. É uma perda de valor muito grande em relação ao ano do modelo chinês.

LEIA MAIS: Ford Ka Freestyle tentará repetir história de sucesso do Ecosport

Outro ponto negativo é a ausência de câmbio automático. A Lifan só foi lançar a versão CVT do X60 na metade de 2016. Antes disso, apenas o modelo manual estava no mercado. E a caixa está longe de ser precisa, pois a alavanca tem curso muito longo. Aquela folga na direção, que se faz presente na maioria dos carros chineses, também é um tópico negativo sobre o X60. Ele faz 8,7 km/l na cidade e 11,3 km/l na estrada, conforme os dados do Inmetro. Os números animam, mas lembre que você terá que trocar de marcha.

5 - Hyundai Tucson 2.0 GLS 2016 - Entre R$ 57 mil e R$ 60 mil

Hyundai Tucson:Com motor 2.0 e câmbio de 4 marchas não é uma boa pedida
Divulgação
Hyundai Tucson:Com motor 2.0 e câmbio de 4 marchas não é uma boa pedida

Uma coisa pode levar à compra o Tucson 2014: a garantia de fábrica, que ainda estará vigorando até o ano que vem. Entretanto, estamos falando de um modelo extremamente datado, que não teve mudanças expressivas em seu visual desde 2004. A mecânica também não é das mais modernas.

LEIA MAIS: Utilitários esportivos aumentam a participação no mercado global

Um dos destaques que podem te fazer coçar o queixo na hora da compra entre os SUVs seminovos é o bom porta-malas de 644 litros de capacidade. Mas se você curte viajar, lembre-se que ele traz o mesmo motor 2.0 de 145 cv que equipava o Hyundai i30 de primeira geração, aliado ao câmbio automático de quatro velocidades. O conjunto não chega a incomodar, com trocas suaves e desempenho satisfatório. O problema está no consumo: 5,1 km/l no ciclo urbano e 7,3 km/l no rodoviário com etanol, conforme o levantamento do Inmetro. Com gasolina, os números vão para 8 km/l e 9,5 km/l, respectivamente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.