Peugeot 308 1.6 flex é apenas razoável

Hatch ainda tem muita bagagem do 307; novo motor é forte, mas não emociona

Thiago Vinholes | 16/4/2012 11:20

Peugeot 308 2012 Allure 1.6 16V flex 4p manual

Dados técnicos
Preço
R$ 56.990
Capacidade
5 passageiros
Velocidade máxima
191 km/h
0 a 100 km/h
11 s
Consumo urbano
0 km/l
Potência
115 cv
Torque
15,5 kgfm
Porta-malas
430 litros
Veja ficha técnica completa

Pelas contas das montadoras, o segmento de hatchbacks, contando os modelos pequenos e médios, representa cerca de 40% do mercado brasileiro de automóveis. É uma margem a ser respeitada e a competição na categoria é acirrada. Leva vantagem quem consegue reunir um bom pacote visual e de conjunto mecânico aliado a preços competitivos, por isso nem sempre o carro mais bonito ou potente sai na frente. O Peugeot 308, no caso, fica no meio da balança.

O novo carro da marca francesa é a evolução do 307, que não mudava por aqui desde 2004. Ou seja, já era um carro antiquado, apesar do visual interessante, para os dias atuais, em especial para seu segmento, que iniciou 2012 borbulhando de novidades.

Indiscutivelmente um carro bonito, o 308 tem uma cara moderna e jovial com uma tendência para o elegante. Chama atenção por onde passa (mais ainda dependendo da cor) e faz o coração dos fãs da Peugeot bater mais forte. Mas só o deles. Como acontece com frequência no mercado nacional, o novo hatch é uma versão simplificada do modelo original, o europeu, à venda desde 2007. E tem gente que não gosta disso.

Em outras palavras, é um 307 com uma “casca” melhorada. Simples assim. Pelo lado mecânico, a grande novidade, que a marca promove com estardalhaço, é o motor 1.6 16 V Flex Start, que proclama o final do tanquinho auxiliar de gasolina para ignição. No lugar do recipiente extra de combustível, o veículo ganhou um “aquecedor” de etanol para facilitar a partida. Não só isso, esse propulsor é também o mais potente da categoria: gera 122 cv e 16,4 kgfm de torque. Mas isso não quer dizer que o carro voa. Ele é apenas razoável, como já era seu antecessor.

Insistência no razoável

O 308 herdou não só as qualidades do 307, mas também seus defeitos. A suspensão do carro na geração anterior era dura e barulhenta e assim continua no novo carro, embora o nível de ruído tenha sido camuflado por um eficiente isolamento acústico. Mas ao abrir os vidros... O câmbio manual de 5 marchas manteve o escalonamento muito curto, principalmente nas duas primeiras marchas, que fazem o carro “pular” em arrancadas no trânsito. Haja embreagem.

Ao passar da terceira marcha, o 308 se transforma em outro carro e deixa claro sua vocação para encarar estradas. Colabora para isso a direção firme, mas ainda hidráulica (ruim para a cidade), e o comportamento estável da suspensão, que transmite segurança e uma pitada de esportividade, algo muito valorizado nessa categoria. O modelo 1.6 também vem prontamente equipado com freios ABS, mas itens de segurança mais avançados, como controle de estabilidade e tração, são exclusivos da versão 2.0 (o mesmo motor da linha passada, diga-se).

Segundo dados da Peugeot, o 308 com motor 1.6 e abastecido somente com etanol pode acelerar do 0 aos 100 km/h em 10,3 segundos e atinge 196 km/h, números que ficam na média de seus concorrentes com motores da mesma cilindrada. Já o consumo de combustível é bom. Em nossa medição de acordo com o computador de bordo no painel, o modelo “bebendo” apenas gasolina rodou em média 10 km/l na cidade e perto dos 17 km/l em estradas.

Conteúdo

Quem andou no 307 vai notar uma série de semelhanças de acabamento e equipamentos no 308. A tela de cristal líquido com informações do aparelho de som é exatamente a mesma no modelo anterior, que tem aspecto de calculadora, e o painel de instrumentos é praticamente idêntico, exceto por mudanças na cor do grafismo. Para dizer que nada mudou, a Peugeot reformulou as saídas de ar, agora dispostas em círculos com moldura cromada, e os comandos do ar-condicionado foram simplificados com botões giratórios. Além disso, o climatizador ganhou função dual-zone desde a versão de entrada, que permite configurar diferentes temperaturas para o motorista e passageiro.

O modelo, entretanto, ainda carece de detalhes mais modernos, como comandos do rádio e computador de bordo no volante (e não na coluna), e Bluetooth para celular, sem falar em mais cuidado com qualidade. Em duas ocasiões durante nosso teste o sistema de auxílio Flex Start do carro, com aproximadamente 3.000 km rodados, não funcionou. O motor ligou, mas demorou.

Mesmo sendo novo no mercado, o 308 não é uma novidade ao pé da letra. Fica aquém do modelo europeu e não inova tanto em relação ao 307. Quem quiser o modelo com motor 1.6 deve desembolsar R$ 53.990 na série ou Active ou R$ 56.990 na Allure. O 2.0 começa em R$ 59.990. São preços mais baixos que o da concorrência e o carro francês, para compensar o conteúdo regular, ainda fica bonito na foto.

  • Veredicto

    6,8

    O 308, assim como seu antecessor, é um carro que pode criar uma nova legião de fãs e também de críticos fervorosos. O novo carro da Peugeut, por assim dizer, carece de novidades. Falta itens como direção elétrica ou sensor de estacionamento.

  • Prazer ao dirigir

    7

    Apesar do barulho que a suspensão faz, seu funcionamento é de acordo. Em tempos de direção elétrica, o sistema hidráulico do Peugeot deixa a desejar. Falta refino.

  • Ergonomia

    7

    O interior do 308 mudou pouco em relação ao do 307 na questão de espaço e equipamentos. Os comandos de som, por exemplo, ainda ficam na coluna de direção.

  • Conforto para o motorista

    7

    O banco do motorista é amplo e espaçoso e a posição de dirigir é boa para guiar por horas a fio. A visibilidade também é muito boa, mérito da boa área envidraçada.

  • Conforto para os passageiros

    7

    A cabine do 308 é espaçosa nas duas fileiras, embora a traseira não comporte exageros. O modelo, porém, tem poucos portas-objetos em seu interior.

  • Praticidade

    6

    O porta-malas de 430 litros do novo Peugeot é bom para longas viagens e também para encher de sacolas de compra. Mas guiá-lo na cidade é cansativo.

  • Versatilidade

    7

    A transmissão manual com as primeiras marchas torna o 308 cansativo na cidade, pois exige muitas trocas. Rodando na estrada a cidade é totalmente o oposto.

  • Diversão

    6

    Os 122 cv do motor 1.6 não são o suficiente para empurrar os 1.320 kg do Peugeot 308 de uma forma mais, digamos, empolgante. Faz o básico, sem emocionar.

  • Visual

    7

    O 308 mantém a tradição da Peugeot na categoria dos hatchbacks médios com mais um carro bonito. No entanto, o modelo argentino ainda não é como o carro europeu original.

  • Tecnologia

    7

    O avanço mais significativo do 308 é o motor 1.6 com sistema Flex Start, que ajuda na ignição com etanol, especialmente em dias frios. O nosso falhou duas vezes.

  • Status

    7

    É um carro bonito e até agradável de dirigir, sem falar nos bons preços. Mas o Peugeot 308 é uma novidade, digamos, já defasada. O modelo europeu estreou em 2007.

PESQUISE CARROS

RANKING

Veículos mais vendidos - março de 2014

Pos. Modelo Vendas
Fiat Strada 13.017
Fiat Palio 12.872
Volkswagen Gol 12.545
Chevrolet Onix 12.244
Fiat Uno 10.275
Ford Fiesta 9.045
Hyundai HB20 8.312
Fiat Siena 7.716
Volkswagen Fox 6.264
10º Renault Sandero 6.006
Veja ranking completo

© Copyright 2000-2013, Internet Group - Portais: iG e iBest

Topo