Toyota Hilux Flex não compensa

Picape com motor 2.7 bicombustível bebe muito; visual e acabamento estão ultrapassados

Thiago Vinholes | 27/7/2012 11:45

Toyota Hilux 2012 CD SR 2.7 16V flex 4p automático 4x2

Dados técnicos
Preço
R$ 84.920
Capacidade
5 passageiros
Velocidade máxima
0 km/h
0 a 100 km/h
0 s
Consumo urbano
0 km/l
Potência
158 cv
Torque
25 kgfm
Porta-malas
litros
Veja ficha técnica completa

O motor flex é um recurso muito relativo quando se busca economia de combustível e redução de emissões de poluentes. Funciona bem em blocos pequenos, como 1.0 ou 1,6 litro, mas muda completamente em propulsores acima dos 2 litros, a ponto de o consumo exagerado não compensar a vantagem ambiental do etanol em poluir menos. Imagine então um propulsor bicombustível que beira os 3 litros de deslocamento?

Em tempos de downsizing, a tendência mundial da indústria por motores pequenos tão eficientes em performance quanto propulsores maiores, a Toyota ataca no segmento das picapes grandes com uma Hilux equipada com motor 2.7 16V flex capaz de gerar 158 cv com gasolina e 163 cv com etanol. Trata-se do maior propulsor quatro cilindros bicombustível em produção no mundo. E isso não é e nem deve ser motivo de orgulho ou assunto para exaltar em propagandas, tanto que a fabricante mantém o pé no chão e, para não arriscar a pele de seu produto, não divulga informação alguma sobre consumo.

Mas não adianta, o consumo desta Hilux é assustador. Se o marcador de consumo instantâneo passar dos 10 km por litro (mesmo com gasolina) aposte na Mega-Sena, pois é um momento de rara sorte a bordo deste gigante de 1.700 kg. Durante a avaliação do iG Carros, o modelo, abastecido com etanol, esboçou marcas na ordem de 4 km/l em trânsito urbano e meros 6,5 km/l na estrada, segundo números do computador de bordo, sempre respeitando os limites de velocidade máxima das vias.

Colabora ainda o fato de a camionete vir com câmbio automático de apenas quatro marchas, o que limita o esforço do motor e o desempenho do veículo, que parece “amarrado”. As marchas são longas, especialmente a primeira e a segunda, ao passo que a última engrenagem não é longa o suficiente para fazer o modelo rodar em velocidade de cruzeiro com conta-giros abaixo de 3.000 rpm. E falamos da versão SR, com tração 4x2 – a série SRV é 4x4, logo gasta mais.

Mula de carga

A real vocação da Hilux (e de qualquer picape) é carregar pesadas cargas na caçamba, por isso ela vem equipada com uma robusta suspensão traseira com feixe de molas e barra estabilizadora, como em um caminhão. Conforme números da Toyota, a picape pode levar até 775 kg, o que não é uma capacidade tão impressionante para um modelo deste porte. A Ford Courier 1.6, no “andar” debaixo das camionetes, comporta 700 kg.

Por conta da suspensão muito dura, a Hilux pula como um “cabrito” em pisos irregulares, especialmente quando não carrega nada na caçamba – um peso extra no compartimento alivia essa sensação, mas também aumenta consideravelmente o consumo de combustível.

A outra “carga” que a Hilux leva são “pessoas”, e isso ela faz bem. O espaço interno, na versão SR cabine dupla, é uma das virtudes do veículo da Toyota, que também conta com bancos confortáveis e um eficiente e silencioso sistema de ar-condicionado manual.

Do pioneirismo a defasagem

A atual geração da picape, que no final de 2011 ainda recebeu um facelift, foi um modelo pioneiro em estilo, conforto e capacidades no mercado brasileiro. Quando chegou ao País, em 2005, relegou os modelos Ford Ranger e Chevrolet S10, então nas linhas anteriores e líderes de mercado, às trevas da tecnologia e design da categoria. Mas o tempo passou e a Toyota pouco fez neste período, diferentemente de seus concorrentes, que, inspirados no modelo japonês, criaram produtos superiores. Em outras palavras, a Hilux parou no tempo.

O design da carroceria e cabine é o que se pode chamar de espartano, com elementos simples e materiais de acabamento que já não agradam como antigamente. A reforma estética da linha 2012 até entregou uma sobrevida ao modelo, que ficou parecido com o sedã de luxo Camry, mas comparado aos principais rivais o veículo da Toyota fica para trás.

O ideal para picapes é o motor diesel, pois ele tem mais torque em giros baixos e o combustível queima de uma maneira mais econômica (passa fácil dos 10 km/l), mas o veículo se torna muito mais caro. A Hilux SR diesel custa R$ 114.310, uma diferença de R$ 29.390 para o modelo flex que o iG avaliou, que parte de R$ 84.920. Tal cifra, porém, ainda é superior à praticada por GM e Ford com os novos modelos S10 e Ranger.

Sendo assim, a Hilux flex é um veículo que sorve combustível de forma abusiva, é mais cara que os concorrentes, está defasada em design e tecnologia e tem custo de manutenção alto. Ainda assim continua sendo um Toyota, uma marca que preza pela qualidade e pelo pós-venda. Compensa por um lado, pelo tratamento da marca com o cliente, mas passa longe quando o assunto é performance. Que venha logo a próxima geração! 

  • Veredicto

    6

    O alto consumo de combustível do motor 2.7 da Hilux Flex não compensa o ganho ecológico do etanol. Além disso, a picape da Toyota ficou para trás em design e tecnologia.

  • Prazer ao dirigir

    5

    A suspensão muito dura compromete demais a sensação de dirigibilidade da picape. O desempenho do conjunto mecânico é apenas razoável.

  • Ergonomia

    7

    Os botões de controle de áudio e telefonia no volante são um alento ergonomico no modelo que começa a ficar ultrapassado. Volante tem apenas regulagem de altura.

  • Conforto para o motorista

    6

    O pula-pula na cabine é grande vilão da Hilux, seja na estrada ou na cidade. O assento, por outro lado, é grande e confortável, desde que fique parado...

  • Conforto para os passageiros

    6

    O espaço para os passageiros é bom, especialmente na traseira, mas novamente o forte balanço da carroceria volta a incomodar os passageiros.

  • Praticidade

    6

    Com alto consumo de combustível e manutenção, a Hilux Flex não é adequada para ser utilizada como carro de passeio na cidade. Na estrada se sai melhor.

  • Versatilidade

    6

    Apesar de grande e pesada, a capacidade de carga da Hilux é limitada: comporta apenas 775 kg na caçamba.

  • Diversão

    5

    A Hilux Flex está longe de ser um veículo divertido de dirigir, mas pode agradar ao reunir 5 passageiros com bagagem, desde que a estrada seja plana e sem buracos.

  • Visual

    6

    Quando estreou, a Hilux era a picape mais bonita e moderna da categoria. Mas o tempo passa... O modelo carece que uma reforma visual mais ampla.

  • Tecnologia

    6

    Um motor flex com alta taxa de compressão ligado a um câmbio automático sem comando sequencial não é exatamente um supra sumo tecnologico.

  • Status

    7

    Apesar dos pesares, a Hilux Flex é um produto Toyota, o que é garantia de ótimo pós-venda e qualidade. Quem tem gosta.

PESQUISE CARROS

RANKING

Veículos mais vendidos - junho de 2014

Pos. Modelo Vendas
Fiat Palio 14.080
Volkswagen Gol 13.167
Chevrolet Onix 10.993
Ford Fiesta 10.701
Fiat Strada 10.561
Hyundai HB20 9.528
Fiat Siena 8.544
Fiat Uno 7.580
Chevrolet Prisma 7.219
10º Volkswagen Voyage 6.953
Veja ranking completo