Fusion híbrido consome como popular

Sedã ecológico da Ford faz 17 km com um litro de gasolina e demora para visitar o posto de combustível. Pena que seu preço seja proibitivo

Thiago Vinholes | 21/7/2011 10:01:00

O Fusion Hybrid custa R$ 133.900

Os carros híbridos estão chegando a conta-gotas no mercado brasileiro, que ainda não dá muita bola para esse tipo de veículo alternativo. Nos Estados Unidos eles existem há mais de 10 anos e têm sua comercialização incentivada pelo governo, que os isenta de certos impostos para a conta final não ficar tão salgada. Esse, aliás, é um problema deste ramo. Esse tipo de transporte custa caro justamente por causa de seus conjuntos mecânicos, que utilizam sofisticadas e caríssimas baterias.

Mas voltemos ao Brasil. Temos disponível por aqui quatro opções de carros híbridos. O pioneiro foi o Mercedes-Benz S 400 Hybrid, uma máquina de luxo ecológica de US$ 257.000, em dólar mesmo - equivalente a R$ 401.600. Temos também o BMW Série 7 Active Hybrid por “módicos” R$ 546.050 e mais adiante chega o Porsche Cayenne Hybrid, que certamente não será nenhuma pechincha. O mais barato da turma, embora ainda tenha preço de carro (muito) caro, é o Ford Fusion Hybrid, uma alternativa mais palpável por R$ 133.900.

Obviamente, o Fusion Hybrid é o campeão de vendas nesse segmento por aqui. Cerca de 10 unidades foram vendidas desde que foi lançado, em novembro de 2010... “Ele ainda é um carro de imagem no Brasil, por isso é vendido somente por encomenda”, comenta Carlos Magno, vendedor da concessionária Sandrecar. “A maioria dos interessados no Fusion híbrido são homens de meia-idade e donos do próprio Fusion querendo um modelo novo. Todos também são muito antenados, já vêm à loja sabendo tudo sobre o carro”, complementa Magno. “Mas muitos vêm só para olhar o carro e vão embora”, finaliza.

Ford Fusion Hybrid
663Ideias

O Fusion Hybrid é mais interessante na cidade com seu consumo médio de 16 km/l. Na estrada sobe a 18 km/l

O Fusion Hybrid oferecido ao consumidor brasileiro é na verdade a versão top de linha do mesmo carro nos EUA. Vem com o mesmo nível de equipamentos e acabamento do Fusion V6, mas tem consumo de combustível semelhante ao de um carro compacto. A Ford diz que o sedã pode rodar até 16,4 km/l na cidade e 18,4 km/l na estrada – o ciclo combinado fica em 17,4 km/l. O baixo consumo em vias urbanas é resultado da ação do motor elétrico, que assume a propulsão em velocidades baixas, típicas de trânsito.

O auditor fiscal Nelson Rodrigues bancou a novidade e se tornou um dos primeiros proprietários do modelo no país. “Estava indeciso entre ele e um Audi A4, mas o sedã alemão não tinha os mesmos equipamentos do Fusion, sem falar da motorização curiosa”, revela Rodrigues, que comprou o sedã há mais de um mês e ainda não conseguiu gastar todos os 66 litros de gasolina no tanque. “É fascinante, o marcador de combustível não se mexe. Por enquanto o utilizo somente em passeios, pois o considero ainda muito incipiente. São tantos recursos novos que não é qualquer oficina que sabe lidar com eles no caso de algum problema”, confessa o dono.

Ao volante do Fusion Hybrid

Os carros híbridos não são tão diferentes de dirigir ao ponto de precisarmos reaprender a conduzir um automóvel. Entretanto, há um detalhe ou outro que merece atenção aos quais ainda não estamos acostumados. Por exemplo, ao girar a chave para ignição o Fusion Hybrid não faz barulho algum. O silêncio reina na cabine, mas ele já está ligado. Ao menos o motor elétrico está. Para andar basta engatar o câmbio e acelerar. O veículo pode seguir nesse modo até os 75 km/h em terreno plano. Após essa velocidade entra em ação o propulsor 2.5 16V Duratec a gasolina com seus 158 cavalos de potência.

Ford Fusion Hybrid
663Ideias

O painel com telas digitais indica quando o motor elétrico é acionado e o consumo instantâneo

Até o motor a explosão deste Fusion é diferente. Ele funciona seguindo o ciclo Atkinson, uma forma diferenciada para motores quatro-tempos. A principal característica dessa tecnologia é a capacidade do bloco em utilizar mais ar na queima com a gasolina, sendo mais eficiente. Esse tipo de propulsor, no entanto, requer comandos de válvulas, virabrequim, bielas, entre outras peças, um tanto mais avançadas (e, novamente, caras). Já o câmbio é do tipo CVT, com relações infinitas, cabendo a ele a função de administrar os dois motores ao mesmo tempo ou então um de cada vez, conforme a situação.

Quando os dois motores atuam em conjunto também é possível notar uma aceleração diferente do carro, que é mais forte e uniforme. São os 107 cv e 23 kgfm de torque máximo do motor elétrico, números que surgem já na primeira rotação do propulsor alternativo. Porém, é necessário ficar atento a temperatura do gerador, que sobe rapidamente quando utilizado, principalmente de forma independente.

Mas não é preciso ter medo. No caso no motor elétrico atingir a temperatura limite o sistema do veículo automaticamente o desliga para ser resfriado de forma adequada. A alimentação do gerador vem das baterias de íon-lítio, que ocupam um grande espaço na traseira do Fusion – por conta disso o porta-malas perdeu 150 litros de sua capacidade, reduzida para 530 l. A recarga do aparato é função do motor a gasolina e dos freios regenerativos, que aproveitam a energia cinética gerada nas frenagens, usualmente desperdiçada nos automóveis do “passado”.

Ford Fusion Hybrid
663Ideias

Mas o carro ainda é caro para a realidade brasileira: tem valor fixado em R$ 133.900

A Ford nos emprestou o carro durante uma semana e com o tanque cheio. Saiu no lucro. Durante nosso período com o carro gastamos menos de ¼ da gasolina. E não deixamos de rodar com o Fusion Hybrid. Só na cidade foram mais de 250 km percorridos e houve também algumas escapadas para a estrada. Na maioria do tempo em que ficamos com o carro o painel sempre exibiu a folhagem verde ao lado dos instrumentos, que indica o baixo consumo. É um carro que instiga o motorista a pegar leve no acelerador, só para sentir o motor elétrico em funcionamento. Por isso pode rodar mais de 1.000 km sem precisar reabastecer.

Entretanto, o modelo ainda tem alguns “bugs”, como toda nova tecnologia. O liga-e-desliga do motor para entrada da fonte elétrica em dados momentos é exagerado, deixando a impressão de que o motor alternativo poderia atuar mais em situações simples, como superar uma lombada ou uma valeta. Em força total – a potência combinada dos motores é de 193 cv -, por outro lado, o Fusion Hydrid tem o vigor comparável ao de um carro com “motorzão” acima de 2.0 litros, mas não é agressivo como um V6. Outro ponto curioso é que o sedã mantém a partida pelo giro de uma chave comum - para um carro com essa tecnologia seria mais natural acioná-lo por botão.

Engajado na causa ambiental

No intuito de consumir menos gasolina, o Fusion Hydrid conta ainda com mais dois recursos. O primeiro deles é o ar-condicionado elétrico, que funciona desacoplado do motor a explosão. A energia necessária para o equipamento vem das mesmas baterias de lítio na traseira. Por fim, o pacote é complementado pelos pneus com alto teor de sílica, o que diminui sua resistência em contato com o solo, exigindo menos esforço do conjunto mecânico para movimentar o pesado sedã de quase 1.700 kg. No mais, não muda mais nenhuma vírgula em relação ao Fusion convencional, o que é muito bom.

Ford Fusion Hybrid
663Ideias

O Fusion Hybrid foi o primeiro sedã de série com motorização híbrida produzido pela Ford

A Ford prova com o Fusion Hybrid que é possível conseguir bons números de consumo sem abrir mão do conforto e espaço por um preço condizente – ao menos nos EUA, onde custa US$ 28.600 (cerca de R$ 44.700). No Brasil esse tipo de tecnologia, assim como a dos veículos totalmente elétricos, concorre com carros flex, que tem no etanol a cartada ecológica, embora haja muita oscilação no preço do combustível vegetal. Além disso, o governo brasileiro prometeu mas até hoje não publicou normas que incentivam o comércio de carros ecológicos. O fato é que ser “verde” por aqui ainda é muito caro, não basta só levantar a bandeira.

*Você acha que a tecnologia híbrida algum dia será viável no Brasil? Deixe sua opinião no Fórum iG Carros

PESQUISE CARROS

RANKING

Veículos mais vendidos - março de 2014

Pos. Modelo Vendas
Fiat Strada 13.017
Fiat Palio 12.872
Volkswagen Gol 12.545
Chevrolet Onix 12.244
Fiat Uno 10.275
Ford Fiesta 9.045
Hyundai HB20 8.312
Fiat Siena 7.716
Volkswagen Fox 6.264
10º Renault Sandero 6.006
Veja ranking completo

© Copyright 2000-2013, Internet Group - Portais: iG e iBest

Topo