Como o ciclo médio de desenvolvimento da indústria é de quatro anos, os resultados do freio de mão puxado virão em breve

Hyundai Creta STC: belo protótipo da picape, apesar de bem aceito pelo público, está com o projeto engavetado
Nicolas Tavares/iG Carros
Hyundai Creta STC: belo protótipo da picape, apesar de bem aceito pelo público, está com o projeto engavetado

Quem lê revistas de carros desde os anos 80 deve se lembrar que, naquela época, uma simples reestilização era festejada, ia para a capa e ganhava uma reportagem de muitas, muitas páginas. Eram tempos em que o mercado brasileiro estava fechado para importações. Tempos em que apenas quatro montadoras davam as cartas, salvo alguns fabricantes de modelos fora-de- série. Grandes lançamentos eram raríssimos. 

LEIA MAIS:  Febre dos SUVs é só modinha ou tendência que veio para ficar?

 Pois bem, esses tempos não voltam mais, já que temos quase duas dezenas de marcas produzindo localmente. Mas teremos algo um pouco parecido com os anos 80 nos próximos anos. A lista de lançamentos nacionais será bem menos extensa do que foi recentemente. Por um bom tempo, teremos uma entressafra com estreias pontuais e muitas variações sobre o mesmo tema, ou seja, reestilizações leves e tentativas de valorizar meras mudanças de ano-modelo.

 Por que isso? Simples. Desde que a crise político-econômica se instalou no país, ainda no primeiro governo Dilma, os números de vendas vêm despencando, e isso já tem quatro anos. A leve queda de 2013 parecia só um susto, mas a partir de 2014 a situação degringolou, e as montadoras puxaram o freio de mão.

 Mas por que, afinal, tivemos tantos lançamentos nos últimos anos? Porque é difícil abortar um processo como um lançamento de um carro todo novo, que começa pelo menos quatro anos antes de sua chegada às lojas. O que está sendo lançado hoje teve o martelo batido em 2013.

Renault Kwid: mostrado no Salão do Automóvel, em novembro, será um dos lançamentos importantes de junho
Carlos Guimarães/iG
Renault Kwid: mostrado no Salão do Automóvel, em novembro, será um dos lançamentos importantes de junho

Neste ano ainda teremos lançamentos importantes, como o Fiat Argo, hatch compacto feito em Betim (MG), e o Renault Kwid, minicarro com jeito de SUV feito em São José dos Pinhais (PR). Mas não se iluda, meu caro leitor. O ano que vem já será de vacas magras, infelizmente.

LEIA MAIS: O mercado de importados vai renascer no Brasil em 2018, com o fim do super IPI

 Claro que há a exceção que confirma a regra. A Volkswagen, outrora líder, está investindo para recuperar terreno, em pleno ciclo de lançamentos globais. Nem a crise vai impedir que ela comece a produzir aqui, no próximo ano, o novo Polo e sua versão sedã, o Virtus. E logo depois, uma derivação SUV.

 E as outras marcas?

A GM, líder do mercado, só deve renovar sua linha compacta na próxima década. Antes disso vem o SUV médio Chevrolet Equinox, mas feito no México. A Fiat terá na virada do ano a versão sedã do Argo, mas ela virá da Argentina. Já a Ford terá reestilizações, começando pelo EcoSport este ano, mas nada de tão novo antes de 2020.

Toyota C-HR: cotado para ser feito no Brasil, aguarda decisão em função da situação do mercado no Brasil
André Jalonetsky/iG Carros
Toyota C-HR: cotado para ser feito no Brasil, aguarda decisão em função da situação do mercado no Brasil

As marcas japonesas são ainda mais cautelosas, vide o caso da Honda, que tem uma segunda fábrica prontinha em Itirapina (SP), mas que só vai começar a operar quando o mercado reagir. A Toyota flerta com a ideia de produzir aqui o CH-R, um SUV que está mais para médio do que compacto. Mas não aposte nele para esta década. E a Nissan vai nacionalizar em breve o SUV Kicks, hoje importado do México, e nada mais no horizonte próximo.

 Até marcas conhecidas pela ousadia, como a coreana Hyundai, estão cautelosas em relação ao potencial do mercado brasileiro. A picape Creta STC, exibida no último Salão do Automóvel, está na geladeira, apesar dos ótimos números de venda de sua inspiração, a Fiat Toro. Já mostramos aqui em Autobuzz que a Hyundai roda pelo país com duas unidades do pequeno Kia Picanto, em estudos para desenvolver um Hyundai menor que o HB20 (ela é dona da Kia). Mas os planos ainda dependem de um grande investimento na ampliação da fábrica em Piracicaba (SP), ainda não liberado pela matriz.

LEIA MAIS:  Hyundai testa no Brasil modelo menor que que o HB20. Saiba mais detalhes

Hyundai testa unidades disfarçadas do i10 no Brasil, onde o carro deverá se chamar HB10 quando for lançado
Osvaldo Palermo
Hyundai testa unidades disfarçadas do i10 no Brasil, onde o carro deverá se chamar HB10 quando for lançado

Não espere também por grandes movimentações da dupla francesa Peugeot-Citroën, muito menos das marcas premium que se instalaram recentemente no pais, como Land Rover, Jeepou o trio alemão Audi, BMW e Mercedes. Espere, sim, muitas novidades importadas, para compensar a lacuna de novidades nacionais. Sobretudo de marcas hoje prejudicadas pelo super-IPÌ de 30 pontos porcentuais. Esse castigo acabará na virada do ano, favorecendo sobretudo as chinesas e a coreana Kia.

 Mas quando afinal as montadoras vão destravar o freio de mão?Isso depende de dois fatores. O primeiro, mais óbvio, é a recuperação das vendas aguardada ansiosamente para o ano que vem. O segundo, igualmente importante, é novo programa automotivo em gestação, para o lugar do Inovar-Auto. Batizado de Rota 2030, ele tem um perfil de longo prazo e de menos protecionismo que o Inovar. Por isso mesmo, espera-se um período de adequação de quatro anos para as novas regras, assim que entrarem em vigor. Ou seja: o ritmo alucinante de lançamentos que tivemos nos últimos anos só deverá ser retomado em... 2022. Com muitas variáveis no meio dessa longa rota de recuperação.

 Escreva para a coluna: autobuzz@igcorp.com.br, ou acesse no Facebook e no Instagram pelo código glaucolucena67

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.