Tamanho do texto

A nova Harley-Davidson Heritage Classic é uma homenagem ao estilo dark dos anos 40. Confira a avaliação completa

Harley-Davidson Heritage Classic, a “ovelha negra da família” tem estilo que chama atenção
Marcia Marazzi
Harley-Davidson Heritage Classic, a “ovelha negra da família” tem estilo que chama atenção

Desde que a Harley-Davidson mudou toda a sua linha, no fim do ano passado, todos que experimentaram os novos modelos os têm elogiado muito, principalmente quanto à dirigibilidade. Sei até de alguns casos perdidos que simplesmente descartavam a ideia de, um dia, ter uma H-D, mas que agora estão revendo os seus conceitos.

LEIA MAIS: Harley-Davidson Slim passa por dieta para garantir uma pilotagem enxuta

A Harley-Davidson Heritage Classic é um bom exemplo de mudança polêmica, já que não apenas incorporou as boas novidades tecnológicas de toda a linha softail, mas também radicalizou na metamorfose visual.

Para aqueles que sempre tiveram a Heritage Classic como uma referência de elegância atemporal, graças à grande quantidade de cromados, a nova Heritage pode ser um choque. Praticamente toda preta, ela não ficou feia, apenas mudou da água para o vinho. Ou melhor: de um vinho Cabernet para um Merlot.

Com exceção dos escapamentos, tudo que era cromado passa a ser preto brilhante, incluindo o guidão, as rodas raiadas e o garfo dianteiro. Os pneus de faixas brancas também sumiram, esse item nostálgico ficando agora apenas para a ainda bela DeLuxe e para a Road King.

Os próprios criadores da pesada alteração brincam com esse fato no site da marca, chamando a nova Heritage Classic de “ovelha negra da família” e “o clássico sombrio da era moderna”, explicando que, se a antiga Heritage era uma homenagem à nostalgia dos cromados dos anos 50, a nova mudará isso. E mudou.

LEIA MAIS: A Harley-Davidson Fat Bob mudou (muito) para melhor. Saiba detalhes

Eu diria que a nova H-D Heritage Classic é agora uma homenagem à nostalgia das motos dark dos anos 40. Até o para-brisa removível tem agora a parte inferior pintada de preto. Aqui para mim, “se eu fosse a Harley” continuaria com a Heritage Classic cheia de cromados e “criaria” a nova com outro nome, por exemplo, Heritage Dark. Opções são sempre bem-vindas.

A Harley-Davidson Heritage Classic pertence à família Softail, sendo que é a única desse grupo que vem com alforjes, aquelas malas laterais de couro. Os alforjes também são novos na Heritage, perderam as franjinhas e os botões cromados, ganharam fechaduras com chave e ficaram muito mais práticos de serem manuseados.

Pé na estrada com a Harley

Eu já havia viajado com essa mesma Heritage no fim do ano passado mas ela voltou com uma boa novidade, o kit Tour-Pak. Trata-se da mala traseira, aquela que chamamos de baú, um acessório tão fácil de por e tirar quanto os alforjes e o para-brisa. Assim o volume de bagagem aumentou de 43 litros, nos dois alforjes, para 85 litros, no total. A vantagem é que o acessório já vem com encosto para o garupa (a Heritage anterior tinha sissy-bar). A desvantagem é que precisa trocar a posição da placa traseira, de cima da lanterna para baixo. A vantagem é que assim a moto fica mais bonita.

LEIA MAIS: Harley-Davidson: uma viagem para Foz do Iguaçu com fãs da marca

Por falar no garupa, com o encosto do Tour-Pak seu conforto é nota dez na Heritage, já que o seu banco não o joga para trás, como em alguns modelos Harley. E é claro que não vamos comparar esse posto com a “poltrona” que existe nas enormes Ultra.

Com esse baú, arriscaremos uma comparação da nova Heritage Classic com as estradeiras da família Touring, mais especificamente a Road King Classic, que tem alforjes maiores, e a Road Glide Ultra, que tem malas laterais e porta-malas rígidos. A King tem para-brisa igual ao da Heritage e leva 64 litros de bagagem. A Glide tem um enorme carenagem e leva 132 litros de bagagem.

Os motores são os mesmos, o Milwaukee-Eight 107 de 1.753 cm3, com torque de 15 kgfm (a Ultra tem refrigeração auxiliar a água e por isso seu torque chega a 15,6 kgfm). As relações de câmbio da Heritage são mais longas que nas outras duas, de forma que em velocidade de cruzeiro o motor pode virar menos. Em algumas situações, a Heritage nos obriga a usar marchas mais baixas. A geometria de direção/suspensão dianteira é mais fechada na Heritage, o que a torna muito mais ágil em curvas mais fechadas. A Heritage é bem mais baixa do que as outras duas. E, por fim, o peso: 330 kg para a Heritage, 376 kg para a King e 425 kg para a Glide. Com essa comparação, podemos concluir que a Harley-Davidson Heritage Classic com o kit Tour-Pak encara de frente as motocicletas estradeiras da família Touring.

Além dessas radicais mudanças estéticas, a nova Heritage Classic passou a ter também todos os aprimoramentos técnicos e tecnológicos da linha Softail para 2018. Isso significa que seu quadro ficou mais leve, as suspensões melhoraram “uma barbaridade”, resultando em um comportamento dinâmico sem comparação com a versão cromada de 2017. A nova motocicleta continua grande e pesada, porém faz curvas que seriam impossíveis com a versão anterior.

A nova Heritage Classic tem farol principal, faróis auxiliares e lanterna traseira de leds, tem um ponto USB no painel para o celular ou navegador e tem também controlador de velocidade de cruzeiro, o que alguns incautos chamam de piloto automático. O preço dessa motocicleta é de R$ 73.980.

Agora um momento nostalgia: alguém lembra das antigas Harley-Davidson H-D Heritage Springer, que tinham um maravilhoso conjunto cromado de suspensão dianteira de molas externas? Ruim para pilotar, ruim para manter, mas excelente para se admirar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.