Tamanho do texto

Comemorando 35 anos de Brasil, o HOG se reuniu no Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Saiba mais detalhes sobre o que aconteceu no evento

Desfilando na avenida da praia com a imponente Harley-Davidson CVO Limited 115th Anniversary
Victor François
Desfilando na avenida da praia com a imponente Harley-Davidson CVO Limited 115th Anniversary

Cá estou eu novamente em cima de uma Harley-Davidson a caminho do encontro anual do Harley Owners Group. Este ano o destino é o Balneário Camboriú, em Santa Catarina, cidade sede do National HOG Rally 2018. Os integrantes do grupo aproveitam para comemorar 35 anos de HOG Brasil, no feriado prolongado de 1º de maio.

LEIA MAIS: Classic Brit Riders é o novo passeio de moto de São Paulo

A “minha” motocicleta desta vez é uma Harley-Davidson CVO Limited edição especial de aniversário. Ou simplesmente uma “115TH Anniversary “, que comemora os 115 anos da marca. Essa Harley é a top das top, tem motor Milwaukee Eight Twin-Cooled de 117 polegadas cúbicas (1.923 cm3), 17,3 kgfm de torque, 411 kg de peso (de tanque vazio) e uma presença indiscutível, em sua exclusiva e única cor azul de aniversário Odyssey Blue. Uma vez perto de um desses raros espécimes (é uma edição limitada com numeração exclusiva), atentem para o detalhe da costura azul dos bancos de couro.

LEIA MAIS: One Ride, um passeio de 400 quilômetros com a Royal Enfield

E mais uma vez meu velho e poderoso iPod me acompanhou na seleção musical de estrada, acoplado ao sistema de áudio Boom! Box 6.5 GT. São 75 watt em cada um dos quatro alto-falantes. O preço? A partir de R$ 169.900, exatos R$ 70.00 a mais do que a Ultra Limited, que por si só já tem quase tudo o que se possa desejar em uma grande motocicleta. O “a partir” fica por conta de muita coisa no catálogo Harley que pode ser adicionada à motocicleta, a gosto do freguês.

Hora do show

Todos na estrada, curtindo o passeio e o ronco dos motores em uma das principais avenidas de Balneário Camburiú
Harley-Davidson
Todos na estrada, curtindo o passeio e o ronco dos motores em uma das principais avenidas de Balneário Camburiú

O encontro com os companheiros de estrada foi novamente na concessionária paulistana Aba, na zona oeste da capital. Saímos às 15h00 para pernoitar em um típico hotel de beira de estrada no município de Registro, ainda em São Paulo, em um curto percurso de 200 km. A parada foi estratégica para poder agrupar outros membros do HOG que não puderam sair naquela tarde.

Às sete da manhã, com todos os integrantes reunidos, saímos rumo ao Infinity Blue Resort & Spa, encravado na costa catarinense e com uma belíssima visão da praia. O local foi perfeito para a reunião dos harleiros, pois tinha garagem fechada e coberta para todas as “crianças”. Importantíssimo!

LEIA MAIS: Uma semana de Yamaha 150 Crosser pela Estrada Real

Esse segundo dia foi bem mais agradável, pelo menos para mim, que tenho por hábito sempre acordar “com as galinhas” antes de sair para uma viagem de motocicleta. Os 450 km que faltavam para chegar ao destino parecem ter passado rapidamente, em parte graças à boa estrada e à excelente organização do grupo. Em Camboriú reuniram-se grupos, ou “chapters”, de todo o Brasil, com cerca de 1.200 pessoas e 700 motocicletas.

Esta é uma boa hora para analisar as condições de uma viagem desse tipo, com cerca de 50 motocicletas rodando juntas, no que os integrantes do HOG chamam de “bonde”. Assim como eu, a maioria prefere viajar sozinho ou, por questão de segurança, em grupos muito pequenos, mas a proposta do HOG é mais social, sempre com o grupo prevalecendo sobre o indivíduo.

A cartilha de segurança do National HOG Rally esclarece essas diferenças e alerta, em destaque, que “ninguém é obrigado a andar em grupo, mas se optou por andar conosco, siga à risca as regras desta cartilha e obedeça a orientação dos road captains”. Perfeito.

A formação básica das motocicletas é em “X”, com todos na mesma faixa de rolamento porém alternando os lados esquerdo e direito, na diagonal. Essa formação é bastante intuitiva, uma vez que rodar em fila indiana impede que o motociclista visualiza de forma efetiva o piso à sua frente e a legislação proíbe que duas motocicletas rodem lado a lado, o que limita manobras emergenciais, como, por exemplo, desviar de um obstáculo na pista.

A fila indiana só é utilizada em situações especiais, como em ultrapassagens de maior risco, entrada ou saída de trevos ou chegada em pedágios. Nesse caso, os líderes sempre estarão sinalizando. Cada integrante deve replicar a sinalização para a motocicleta que vem atrás e assim por diante. Uma das regras básicas é sempre manter a motocicleta da frente e a de trás em seu campo de visão.

LEIA MAIS: Como é montar e desmontar uma motocicleta da Harley-Davidson

Seguindo algumas regras

Grupo de participantes cruzam as estradas da região do Balneário Camburiú, em Santa Catarina
Divulgação
Grupo de participantes cruzam as estradas da região do Balneário Camburiú, em Santa Catarina

Uma situação corriqueira são automóveis precisando passar pelo bonde, quando na outra faixa há trânsito lento. Nesse caso o veículo pode entrar no meio do bonde, sempre com a anuência de cada um dos integrantes. Os road captains, que são os líderes do bonde, organizam a passagem rápida pelos pedágios, previamente pago por cada um dos integrantes, e as paradas para abastecimento.

Um ponto importante para o HOG, que como tantos outros se opõe aos procedimentos habituais para viajantes solitários ou de pequenos grupos, é a parada em caso de chuva. O grupo jamais para no acostamento para colocação de equipamento de chuva: ou continua mesmo molhado ou prevê a precipitação antes de sair da última parada. É extremamente perigoso para um grupo grande parar na lateral da estrada.

Todas essas regras são importantes para que as viagens sejam tranquilas e seguras. O HOG ressalta sempre que “as ações individuais somente se sobrepõem às ações do grupo em casos emergenciais”.

Bem, seguindo todas essas regras, chegamos ao Balneário Camboriú tranquilos e descansados. A chegada do bonde pela avenida principal, na praia, agitou o pedaço e todos que estavam curtindo o sábado ensolarado. A julgar pela quantidade de pessoas que filmavam nossa passagem com seus celulares, imagino que a net esteja cheia de filmes com essa bela cena.

O hotel nos esperava para um “pool party” à beira da piscina e, nos dias subsequentes, desfile de motocicletas, incluindo Harley-Davidson e festa no Beto Carrero World, onde todos os integrantes poderiam participar do Motor Games, gincana de habilidade sobre duas rodas. À noite, festa à fantasia com o tema Anos 80, em comemoração ao dia 1º de janeiro de 1983, quando foi criado o HOG Brasil. Pena que o próximo só daqui um ano...