Raro Lancia de 1936 está em voga no mundo dos colecionadores

Raro Lancia Astura Pinin Farina Cabriolet 1936 antes da restauração
Mauricio Marx
Raro Lancia Astura Pinin Farina Cabriolet 1936 antes da restauração

Enquanto muitos dos carros exibidos no Pebble Beach Concours d'Elegance ainda voltam para suas garagens de navio ou avião, o Lancia Astura Pinin Farina Cabriolet 1936 começa a saborear o prazer que deve ser levar o “Best Of Show”, título que os juízes dão ao automóvel mais original, raro e impecável que participa de um concurso de elegância.

É a primeira vez que um carro da Lancia leva a coroa máxima de Pebble Beach. Mas talvez não seja a última.  Isso porque o colecionador e restaurador Maurício Marx tem um quase igual – também um Lancia Astura, mas encarroçado pela Stabilimenti Farina em 1937 – e, pior, promete levá-lo à edição de 2017 do evento, sediado em Monterey, na Califórnia.

LEIA MAIS: Anhembi retomará exposição Noite Renault em novembro

Assim como o Lancia Astura de Marx, o de Richard Mattei também fora um dia abandonado. Até que, em 1962, o descobriram na Inglaterra, largado às traças. Sabendo da existência de um carro tão raro, a própria Pininfarina se encarregou da restauração. Concluída, o Astura passou pelas mãos do guitarrista Eric Clapton, para depois retornar às da Pininfarina, que o manteve em seu museu, na Itália. Mattei, um colecionador do Arizona, o comprou em 2009. 

Raridade no Brasil aguarda restauração

Interior do clássico da Lancia, que deverá passar por um longo processo de restauração. Entre outros detalhes, note o para-brisa basculante
Mauricio Marx
Interior do clássico da Lancia, que deverá passar por um longo processo de restauração. Entre outros detalhes, note o para-brisa basculante

Já Marx e o seu Astura se cruzaram em meados dos anos 1990, quando seu pai, o advogado e visionário colecionador Flavio Marx, sacou que aquele Lancia não era qualquer Lancia. Ele queria apenas guardar, porque sabia que esse carro um dia ia acabar. Do jeito que chegou ao sítio da família em Cotia, ficou.

Prestes a seguirem para o Encontro Nacional de Veículos Antigos, em Araxá (MG), Maurício e seu irmão Guilherme precisavam de um representante no evento. Um sopro divino, segundo Maurício, os levou ao Astura, que até no cabeçote do motor tinha ferrugem.

LEIA MAIS:  BMW 507 de Elvis Presley é totalmente restaurado

Ele não levou o “Best Of Show “ mineiro, mas foi um dos modelos mais comentados do evento. Por ser tão raro, não será apenas um figurante no Pebble Beach de 2017. Ainda que o vencedor deste ano siga como o único Astura que um dia foi o melhor do show.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.