Como a luta por 20 centavos alteraram a vida no país e toda a relação de forças da indústria. E o que isso tem a ver com o SUV compacto da Renault

Renault Kwid é o compacto com jeito de SUV que vai chegar às lojas do Brasil em agosto a partir de R$ 29.990
Renault Kwid
Renault Kwid é o compacto com jeito de SUV que vai chegar às lojas do Brasil em agosto a partir de R$ 29.990

Por questão de embargo editorial, ainda não podemos falar tudo que sabemos sobre o Renault Kwid, que estou avaliando para a revista Motor Show. Mas desde o Salão de São Paulo de 2016 todo mundo sabe que a Renault o lançará como um “SUV compacto”. Na verdade, o menor SUV do país. Com um olho no peixe e outro no gato, a montadora francesa vai aparecer no mesmo ranking dos badalados Honda HR-V e Jeep Compass, mas na verdade tentará roubar vendas dos minúsculos Fiat Mobi e Volkswagen Up. 

LEIA MAIS:  Renault Kwid tem tudo para ser um sucesso maior que VW Up! e Fiat Mobi

Se pudessem, todas as montadoras só venderiam SUVs hoje para os brasileiros, daí o apelo aventureiro do Renault Kwid . Afinal, daquele Brasil de junho de 2013, quando milhões foram às ruas protestar contra o aumento de 20 centavos nas passagens de ônibus e “contra tudo que está aí”, nada mais restou. O que o já ultrapassado junho de 2017 mostrou para nós, fechado o balanço do primeiro semestre, foi que todas as forças existentes no país foram destruídas pelo destino.

A atriz Mariana Ruy Barbosa é  a garota-propaganda do Renault Kwid no Brasil
Divulgação
A atriz Mariana Ruy Barbosa é a garota-propaganda do Renault Kwid no Brasil

O terremoto que abalou a política e a indústria pode ser comparado a um deslocamento de placas tectônicas sob os pés brasileiros. Parodiando o crítico cultural americano George Trow, eu diria que partidos políticos e marcas de automóveis ainda têm os mesmos nomes, ainda temos o PT, o PSDB e o PMDB, ainda temos uma Fiat e uma Volkswagen, mas não somos mais a mesma nação que no passado teve tudo isso. Houve, de fato, uma movimentação na crosta da organização simbólica brasileira.


LEIA MAIS:  Renault Kwid chega em agosto a partir de R$ 29.990. Saiba mais detalhes

O carro deixou de ser um sonho para se tornar um tormento para proprietaries endividados e sem emprego. Veja os dois quadros abaixo, com o ranking de vendas de carros de passeio no primeiro semestre de 2013 e no primeiro semestre de 2017.

Janeiro a junho de 2013

Vendas

Janeiro a junho de 2017

Vendas

1- Volkswagen Gol 121.349 1- Chevrolet Onix 83.236
2- Fiat Uno 96.502 2 - Hyundai HB20 51.149
3 - Fiat Palio 88.334 3 - Ford Ka 44.650
4 - Volkswagen Fox 67.162 4 -Renault Sandero 38.867
5 - Hyundai HB20 61.835 5 - Volkswagen Gol 36.209
6 - Chevrolet Onix 58.520 6 - Chevrolet Prisma 31.202
7- Fiat Siena 55.959 7 - Toyota Corolla 29.188
8- Ford Fiesta 54.608 8 - Fiat Mobi 25.618
9 - Volkswagen Voyage 49.948 9 - Honda HR-V 23.218
10- Chevrolet Classic 58.520 10 - Jeep Compass 22.003


Em 2013, quando todo mundo foi pra rua (inclusive a pedido da Fiat, num memorável comercial), os três modelos mais vendidos eram carros de entrada: Gol, Uno e Palio. A lista dos automóveis mais emplacados tinha ainda quatro hatches pequenos (Fox, HB20, Onix e Fiesta) e três sedãzinhos da família dos carros de entrada (Siena, irmãozinho do Palio; Voyage, irmãozinho do Gol; e Classic, irmãozinho do finado Corsa).

Dilma e Temer faziam parte do Governo Federal do Brasil no primeiro semestre de 2013
Divulgação
Dilma e Temer faziam parte do Governo Federal do Brasil no primeiro semestre de 2013

Naquela altura do campeonato, ainda com Dilma Rousseff em Palácio, nossa dúvida era se ia ter Copa ou não. Vai ter Copa! Não vai ter Copa! Vai ter Copa! Não vai ter Copa!. Teve Copa. E foi fantástica. Mas a conta ficou gigante, graças à também gigante corrupção que foi descoberta. Mas, no mundinho dos carros, os SUVs eram apenas a quarta força – respondiam por 9% das vendas. O primeiro SUV da lista ainda era o Ford EcoSport, em 13º lugar, seguido do Renault Duster, em 20º.

Apenas quatro anos depois, o EcoSport quase virou fumaça e tenta desesperadamente se manter relevante no mercado. O Palácio agora é ocupado por Michel Temer. Mas ninguém sabe até quando. Gol e Palio desabaram como a estrela do PT e a empáfia de Aécio Neves. Na indústria, ninguém mais quer saber de carne da Friboi. Ex-garotos/garotas- propaganda sentem vergonha por terem cedido à carne fraca. A Fiat não quer mais ser vista como Fiat – e sim como FCA (Fiat Chrysler Automobiles) e agora contabiliza carro por carro da Jeep, da Chrysler, da Dodge e até da RAM para dizer que é líder de mercado, quando a marca líder passou a ser a Chevrolet, primeira e única da GM no Brasil.

LEIA MAIS:  Renault Kwid é vendido em versão aventureira na Índia. Saiba mais

O sucesso dos SUVs 

Honda HR-V é o líder de vendas entre os utilitários esportivos no Brasil, com 23.218 unidades vendidas no semestre
Divulgação
Honda HR-V é o líder de vendas entre os utilitários esportivos no Brasil, com 23.218 unidades vendidas no semestre


O ranking do acumulado até junho de 2017 mostra dois SUVs entre os 10 carros mais vendidos: HR-V e Compass. Outra presença notória é a do Toyota Corolla, num incrível sexto lugar, quase com a mesma quantidade de vendas do 27-vezes- campeão-então- imbatível Gol. E só três carros de entrada seguem entre os Top 10: o próprio Gol, o Ka e o Mobi. Mas agora todo mundo quer ter um SUV: seus 9% se transformaram em 21,5%. Os utilitários esportivos agora são a segunda força do mercado, perdendo apenas para os hatches pequenos (categoria dos campeoníssimos Onix e do HB20). Muitas pessoas já conseguiram realizar o sonho do SUV próprio. Mas esses já tinham casa própria, pois carro barato virou raridade.

E já que sonho da casa própria ficou mais difícil, estão certíssimos em jogar o Renault Kwid entre as feras com um olho no peixe (os SUVs) e outro no gato (a dupla Mobi/Up). Com um precinho anunciado de R$ 29.990, a marca tentará se estabelecer como a nova força neste novo país chamado Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.