Toyota Prius é um Corolla melhorado

Prestes a chegar ao Brasil, modelo faz 25,5 km/l e, se tivesse preço acessível, seria uma alternativa viável aos sedãs médios

Ícaro Bedani | 11/2/2012 11:32

Toyota Prius
Divulgação

Prius, um híbrido pragmático e sem ideias mirabolantes

Tudo começa quando, ao se aproximar do carro com as chaves de presença, as travas das portas abrem-se de forma “mágica”. As luzes piscam, entra-se no veículo, com o pé direito no freio pressiona-se um botão e “bum”. Ou melhor, não existe “bum” nenhum, na verdade não há qualquer som vindo do Toyota Prius – talvez isso seja uma das melhores coisas num carro híbrido. Daí para frente é só colocar o câmbio CVT (continuamente variável) na posição Ready (pronto, em português) e tentar gastar toda gasolina no pequeno tanque de 40 litros.

É assim a vida a bordo do Prius. Diferentemente de outros carros ecológicos como o Ford Fusion Hybrid, Nissan Leaf ou Chevrolet Volt, o modelo da Toyota – na versão testada pelo iG Carros – não oferece um painel cheio de “frufrus”, com folhinhas que surgem e desaparecem de acordo com seu tipo de direção. Ao contrário, ele é direto e reto. Em um lugar mostra o consumo, no outro se você está poluindo demasiadamente ou não, alguns gráficos e só. Nada de telinhas com cores psicodélicas.

Veja mais: híbridos ainda são raros no Brasil

Isso pode ser explicado pela concepção de um carro que chegou ao mercado pela primeira vez em 1997. Sim, é isso mesmo. Para você que não sabia, o Toyota Prius não é nenhum representante da nova escola automotiva. Pelo contrário, sua primeira geração levou o título de “primeiro carro híbrido produzido em série”. Nada mal, não é? Naquela época, carros movidos a baterias não eram comuns, quanto mais telas de LCD capazes de tirar a atenção de qualquer um ao volante.

A grande verdade é que o Prius é um Corolla melhorado. Então, você, que apoia os sedãs beberrões e os três-volumes japoneses vai dizer: como ousam? Calma, vamos explicar. Exceto pelo suposto alto preço (por que não dizer abusivo?) que pode ser cobrado pelo Prius no Brasil (estima-se R$ 130.000), tanto ele quanto o Corolla têm a mesma função. Porém, um deles vai fazer você colocar menos a mão no bolso – com relação ao combustível, claro.

Toyota Prius
Divulgação

Painel tem elementos futuristas, mas sem exageros

Prius x Corolla

Nós não testamos os dois sedãs. Mas, como o Prius cedido não é exatamente o que vem para o Brasil, optamos por mostrar que tanto ele quanto o Corolla poderiam ser concorrentes da mesma casa, não fosse pelo futuro preço elevado do híbrido.

Começando pelas dimensões dos veículos, por mais que não pareça, o Toyota Prius é grande e espaçoso. A principal sacada no design do carro é o teto que “despenca” antes de formar aquela traseira típica dos sedãs, tornando-o mais compacto visto de fora. Isso também se dá ao desenho especialmente projetado para melhorar o consumo do carro.

Veja mais: mesmo com IPI nas alturas, Prius vem ao Brasil

O Corolla sai na frente no comprimento e na largura: 4,54 m e 1,76 m respectivamente, contra os 4,46 m e 1,74 m do Prius. Porém, o híbrido ganha na altura, com 1,51 m contra 1,48 m do Corolla e no entre-eixos de 2,7 m contra 2,6 m do representante do time dos poluidores. Essa diferença de 10 cm no último item faz toda a diferença dentro do Prius.
Na hora de acelerar, a comparação é quase incabível. Enquanto o Corolla pode ser adquirido com um motor 1.8 de 144 cv ou um 2.0 de 153 cv. O Prius testado veio com um 1.8 16V de 98 cv que, em conjunto com o bloco elétrico e o câmbio CVT, despeja mais 80 cv. Quando ambos estão acionados o carro é impulsionado por 136 cv.

O consumo do sedã é de 6,2 km/l na cidade e 10,7 km/l na estrada – levando em consideração a versão XEi, que conta com o motor 2.0 e é a mais vendida da linha. É aí que o Prius ganha de lavada e mostra que os carros híbridos podem carregar o futuro em seus porta-malas. Segundo a Toyota, o consumo urbano do Prius no modo Normal de condução (existem ainda os modos EV, ECO e Power) é de 25,5 km/l (na cidade) e autonomia de 1.150 km. Fazendo uma conta rápida, isso quer dizer que é possível (em condições perfeitas) ir e voltar de São Paulo a Belo Horizonte (1.172 km) com um tanque, por exemplo. 

Veja mais: Saiba quais são os veículos mais econômicos de 2012

Toyota Prius
Divulgação

Híbrido sem "frufrus": mostradores digitais apontam uso da energia sem folhinhas e árvores "salvas"

Caso o quesito consumo não convença, o Prius também ganha pelo interior melhor acabado. Além disso, o painel dele lembra quase uma nave espacial, muito mais divertido de dirigir do que seu irmão “serião”. O velocímetro digital, head-up display, as informações sobre o gerador de energia, deixam o híbrido mais interessante do que o Corolla. Porém, o plástico utilizado no acabamento interno merece um ponto negativo pela falta de qualidade.

O Prius tem seus pontos fortes. Arrisco dizer que ele é melhor do que o Corolla em grande parte de seu projeto. Na cidade, a direção elétrica facilita muito nas manobras pesadas e o silêncio no trânsito carregado de São Paulo – ao menos dentro do carro – é impagável. Porém, esse estilo meio sedã, meio hatch, vai agradar apenas aqueles que não fazem questão de um carro com design popular. Ele beira mais o estranho do que o bonito. Diferentemente do Corolla, que é um sedã de fato. Um carro sério, que cumpre seu papel e representa com louvor a classe dos “Brad Pitt” e “Wagner Moura” de plantão. Para quem busca status, o Corolla sai na frente. Vide seu número de vendas. O Prius faz o papel do "carro legal", gostoso e divertido de dirigir e, ainda por cima, ecologicamente correto. Valeria a pena caso seu preço fosse o mesmo do sedã com motor a combustão.

Veja mais: galeria de fotos do Toyota Prius

Então, o Toyota Prius poderia ser considerado um avanço para a tecnologia sustentável do país? No mundo ideal, sim. Seria assim: Nosso governo daria incentivos fiscais para as marcas comercializarem seus modelos híbridos e elétricos e elas, por sua vez, não cobrariam nenhum tipo de ágio ou qualquer outra taxa absurda – como estamos acostumados – sobre seus carros. Infelizmente, sabemos que, atualmente, nenhuma das partes procura isso. Então, vamos esperar um Toyota Prius por R$ 130.000 mesmo e continuar poluindo mais um pouco com o líder Corolla.

Leia tudo sobre: ToyotaPriusCorollaHíbridoFordFusionHybridNissanLeaf

PESQUISE CARROS

RANKING

Veículos mais vendidos - agosto de 2014

Pos. Modelo Vendas
Fiat Palio 14.305
Volkswagen Gol 14.198
Fiat Strada 12.849
Fiat Uno 10.922
Chevrolet Onix 10.285
Hyundai HB20 9.074
Ford Fiesta 8.505
Fiat Siena 8.469
Volkswagen Fox 7.480
10º Renault Sandero 7.278