Décima geração do sedã começa a chegar às lojas com motor 1.5 turbo, ou 2.0 aspirado, ambos flex. Versão mais em conta parte de R$ 87.900

Às vesperas da chegada da décima geração do Civic  às concessionárias, a Honda promove um longo teste drive para a imprensa especializada. E a reportagem de iG Carros percorreu cerca de 300 quilômetros ao volante do novo sedã, tanto com o novo motor 1.5 turbo  quanto com o 2.0, que passa a funcionar com câmbio automático CVT ou manual, de seis marchas. Já adianto: ficou claro que o novo modelo vai mesmo dar bastante trabalho aos fortes concorrentes, principalmente ao líder do segmento, o Toyota Corolla e ao novo Chevrolet Cruze.

Pelo visto, chegou a hora do novo Honda Civic começar a virar o jogo na briga acirrada no terreno dos sedãs médios. Depois do carro ter engolido mais de três centenas de quilômetros em um dos trechos mais sinuosos do interior paulista, com boa desenvoltura, foi a conclusão a que cheguei. Pode entrar quente nas curvas que o carro transmite uma sensação de segurança que costuma aparecer apenas em modelos premium. Mesmo abusando um pouco, não deu para notar nem o controle de estabilidade (ESP) entrando em ação.

LEIA MAIS: Novo Honda Civic topo de linha ou um dos seus rivais em preço. Compare

Honda Civic 2017 é bom de curva e transmite segurança em qualquer situação
Divulgação
Honda Civic 2017 é bom de curva e transmite segurança em qualquer situação

O pessoal da engenharia explicou que a estrutura do novo Civic ficou 25% mais rígida, além de ter ficado 22% mais leve, o que também contribui com o comportamento dinâmico. Uma série de reforços estruturais foram adotados, a direção passou a ter assistência variável e elétrica e o isolamento acústico ficou bem caprichado. Tudo isso é sentido na prática com um rodar silencioso e confortável. Esse silêncio só é quebrado, em parte, se você resolver afundar o pé no acelerador, seja com o novo motor 1.5 turbo ou no 2.0. Em condições normais, a 100 km/h, com a caixa CVT, o motor gira tranquilamente em torno de 2.500 rpm, em ambos os casos.

Aliás, a diferença de desempenho do Civic topo de linha Touring (R$ 124.900) e o EX-L (R$ 105.900) não é grande. Havia bastante expectativa sobre o rendimento do novo 1.5 turbo flex, e 174 cv e 22,4 kgfm de torque entre 1.700 rpm e 5.500 rpm.  Pelo menos durante a avaliação do carro na estrada a impressão que ficou é que não é nada de extraordinário. Tem bom fôlego, mas parece que, em conjunto com o câmbio CVT, que simula 7 marchas, está mais voltado para eficiência.

Na comparação com outros motores turbinados, como o 1.4 turbo da GM , ou o TFSI, da Volkswagen , também 1.4 litro,  o 1.5 turbo da Honda parece que está no mesmo patamar, apenas. O que surpreendeu foi o atual 2.0 flex, de 155 cv e 19,5 kgfm, que mostrou estar de bom tamanho para o novo Civic. Pena que não disponibilizaram a versão Sport , com câmbio manual, de seis marchas, para avaliação, neste primeiro contato com o carro.

LEIA MAIS: Novo Honda Civic hatchback é apresentado, Estreia nos Estados Unidos

De qualquer forma, o novo Honda Civic impressionou pela precisão dos sistemas ligados à dirigibilidade, seja suspensão, direção, freios e toda a estrutura. O porte do carro também agrada bastante. Ganhou 45 mm de largura, 30mm de entre-eixos e 112 mm de comprimento na comparação com o anterior, além de ter ficado 35 mm mais baixo. Tudo isso acabou deixando o sedã (mais para notchback) agradável de dirigir até mesmo pela boa visibilidade proporcionada pelas colunas dianteiras mais finas, deixando a área envidraçada maior.

Evoluído também pelo interior confortável

Acabamento de bom gosto e caprichado agrada no novo Civic. Decepciona apenas o retrovisor interno dia/noite nas versões EX  e EX-L
Divulgação
Acabamento de bom gosto e caprichado agrada no novo Civic. Decepciona apenas o retrovisor interno dia/noite nas versões EX e EX-L

O conforto a bordo também agrada pelo bom nível de acabamento. Na versão topo de linha Touring, as câmeras de alta resolução instaladas nos retrovisores são acionadas toda vez que um dos piscas laterais é acionado, ajudando a mudar de faixa. E o GPS, com gráficos 3D, funciona bem. Além disso, conta com ajuste elétrico do banco do motorista e retrovisor interno fotocrômico no lugar do singelo dia/noite das demais versões, algo imperdoável para um carro que custa mais de R$ 100 mil.

Entretanto, o volante de três raios tem boa empunhadura e todas as versões com câmbio automático CVT contam com hastes para trocas sequenciais. Mas não espere muita esportividade. As trocas são rápidas, mas o ajuste não contempla os que gostam de  sentir leves trancos entre as trocas. Além disso, a ergonomia também merece um ponto positivo, com comandos bem localizados e fáceis de serem acionados.  Bom também é que o quadro de instrumentos exibe informacões de maneira clara e precisa. 

O espaço interno é outro ponto positivo do novo Honda Civic, que vem com porta-malas de 525 litros. Com o botão do freio de estacionamento elétrico também houve ganho de habitabilidade, já que foi possível encaixar mais porta-objetos no interior. Atrás, os dois ocupantes das pontas viajam sem aperto. O que for sentado no centro vai ter alguma dificuldade e acomodar os pés, já que o túnel da estrutura voltou a ficar um pouco mais alto.

A Honda espera que 48% das vendas do novo Civic se concentrem nas versões EX (98.400) e EX-L (105.900. Em seguida, vem a Touring (R$ 124.900), com 28% e a Sport (R$ 87.900 manual e R$ 94.900 CVT) com 24%.   A marca japonesa vai oferecer um plano de financiamento especial que prevê uma entrada de 30% (pode ser um carro usado), 40% do saldo financiado e os 30% restantes em uma prestação final, que pode ser financiada em até 18 vezes. Também haverá uma nova linha de acessórios com 24 itens, cujos preços serão divulgados em breve.   

Ficha técnica

Preço: R$ 105/900 ( EX-L ) e R$ 124.900 ( Touring)

Motor: 2.0, quatro cilindros, flex ( EX-L ) e 1.5, quatro cilindros, turbo, flex ( Touring )

Potência: 155 cv a 6.300 rpm ( EX-L ) e 173 cv a 5.500 rpm ( Touring )

Torque: 19,5 kgfm a partir de 4.800 rpm ( EX-L ) e 22,4 kgfm a partir de 1.700 rpm ( Touring )

Transmissão: Automático, do tipo CVT, tração dianteira

Suspensão:Independente (dianteira) / multibraço (traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira

Pneus: 215/50 R17

Dimensões: 4,64 m (comprimento) / 1,80 m (largura) / 1,43 m (altura), 2,70 m (entre-eixos)

Tanque : 57 litros

Consumo: 10,6 (cidade) /12,9 km/l (estrada) com gasolina ( EX-L ) e 12 km/ e 14,6 km/l (Touring )

0 a 100 km/h: 10,9 segundos ( EX-L ) e 8,6 segundos ( Touring )

Vel. Max: 190 km/h ( EX-L ) e 221 km/h ( Touring


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.