Divertido e bem equipado, Golf ganha motor 1.0 turbo do Up!. Confira nossas impressões ao dirigir a nova opção de entrada do Golf

Esqueça o motor 1.6, o Volkswagen Golf 1.0 TSI é a verdadeira versão de entrada do hatch médio, por R$ 74.990.
Divulgação/Volkswagen
Esqueça o motor 1.6, o Volkswagen Golf 1.0 TSI é a verdadeira versão de entrada do hatch médio, por R$ 74.990.

A Volkswagen estava devendo uma boa opção de entrada para o Golf. O motor 1.6 MSI pode ser bacana para Gol e Saveiro , mas equipar o hatch médio com ele apenas o transforma em um Gol maior. Felizmente, decidiram seguir a estratégia usada na Europa e equiparam o veículo com o motor 1.0 TSI, já produzido no Brasil para o Up!. A melhor parte é que, ao contrário da expectativa, colocaram um valor bem agressivo: R$ 74.990.

Agressivo por R$ 75 mil? Pois é, não parece mas é um preço competitivo. O concorrente direto do Golf é o Ford Focus , vendido na versão básica por R$ 74.590. O pacote de equipamentos é bem parecido: ambos tem controle eletrônico de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, faróis de neblina e outros mais. Porém, há diferenças. Enquanto o Focus vem com sensor de chuva e 2 airbags, o Golf oferece central multimídia com tela sensível ao toque de 6,5” e 7 airbags.

LEIA MAIS: Novo Golf 1.4 Flex vence seus quatro principais rivais

Outro ponto que torna o preço interessante é o fato da versão Comfortline 1.0 ser posicionada acima do Comfortline 1.6, que tem preço sugerido de R$ 78.130. As lojas estão trabalhando com uma promoção, vendendo o 1.6 por R$ 73.130. Adicione R$ 1.860 e irá levar para casa o hatchback com um motor muito mais moderno, econômico e divertido de dirigir. O único problema para algumas pessoas é que só vem com câmbio manual de seis marchas.

Receita de sucesso

Já tem gente torcendo o nariz para o 1.0 TSI em um Golf e que acha que é coisa do Brasil, que coloca motor pequeno para economizar. Não é bem assim. Essa motorização é usada na Europa, em uma configuração que gera 115 cv com gasolina. Por aqui, a engenharia da Volkswagen trabalhou para alcançar os 116 cv. Se usar etanol, a potência sobe para 125 cv, sempre a 5.550 rpm. O torque é de 20,4 kgfm entre 2.000 e 3.500 rotações.

O resultado é que o hatch médio vai de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos com etanol e tem velocidade máxima de 191 km/h. Em comparação, a aceleração do motor 1.4 é de 8,3 segundos. Perdeu um segundo, mas continua rápido. Compensa na economia de combustível. Segundo o Inmetro, faz 11,9 km/l na cidade e 14,3 km/l na estrada, com gasolina. Já com etanol, o rendimento é de 8,4 km/l (cidade) e 10,1 km/l (estrada). Rende muito mais do que os 13,6 km/l que o 1.4 marca na estrada. Além disso, custa R$ 20.680 menos do que os R$ 95.670 sugeridos com o motor maior.

LEIA MAIS: Golf GTI faz 40 anos e ganha série limitada com motor de 290 cv

Em meu primeiro contato com o Golf 1.0, guiei o hatchback apenas em estradas, o que permitiu testar retomadas e ultrapassagens. Esse motor casa melhor com o Golf do que com o Up! , sem aquela demora que o compacto apresenta quando roda na primeira marcha. O engate do câmbio está na medida certa, sem ser curto demais como nos esportivos, mas justa o suficiente para que não pareça ser um carro molenga.

Não ligue tanto para os 125 cv de potência. O que importa são os 20,4 kgfm de torque. Basta acelerar um pouco para que os pneus girem com força o suficiente para impulsionar o carro – e sem cantar pneu, como acontece com o Up! . Tem muito pique para fazer qualquer ultrapassagem sem dores de cabeça. Quando terminava a manobra, engatava a sexta marcha e continuava a economizar combustível. O computador de bordo marcava 15 km/l, com o ar-condicionado ligado.

Da mesma forma que os outros carros da Volkswagen , o Golf tem uma suspensão mais dura do que a concorrência. Para a estrada, isso é ótimo, pois deixa o carro bem afiado, sem que a carroceria balance muito. Porém, na cidade, vai incomodar um pouquinho mais ao passar por uma lombada ou buraco. É o que divide opiniões: quem quer mais conforto não vai gostar, enquanto os que preferem esportividade não acham um problema.

1.0  ou 1.4?

Agora que o Golf tem o motor 1.0, surgem algumas perguntas. O hatch da Volkswagen ou um Ford Focus 1.6 SE ? Vale a pena guardar dinheiro e pegar um 1.4, ou pego o 1.0 agora? O 1.6 ainda vale a compra? Como o contato foi muito rápido, não é o momento de compará-lo com o Focus. Já o 1.6 vai ter uma vida muito difícil, pois o 1.0 é muito melhor a ponto de deixar o outro motor irrelevante.

LEIA MAIS: Eis os 10 carros mais seguros do Brasil. Veja a lista

A maior questão é a disputa entre o 1.0 e 1.4. Na versão Comfortline, o novo modelo bem completo, com controle eletrônico de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, central multimídia, 7 airbags, direção elétrica, vidros  e travas elétricas, volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade, computador de bordo, sistema start/stop, bancos com regulagem de altura, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro e ar-condicionado. Alguns items do Highline, como ar-condicionado digital e sensor de chuva, são oferecidos nos pacotes de opcionais. Dá para usar os R$ 20 mil de diferença nos preços para equipar um pouco mais o 1.0. O único atrativo do 1.4 que não tem no 1.0 é o câmbio automático Tiptronic de seis marchas.

No final das contas, o Golf 1.0 se torna a versão mais atraente para quem quer o hatch médio. É bem mais econômico, não fica devendo tanto nos equipamentos, a diferença no desempenho é bem pequena e o preço é bem menor. Pode ser a solução para retomar as vendas e ultrapassar o Focus para voltar a liderar o segmento – e serve de aviso para os concorrentes de que vão precisar se mexer para segurar o Golf.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.