Superesportivo da linha 2017 vem com V6 biturbo, de 572 cv, potência para acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 2,7 segundos e atingir 315 km/h

A Nissan começa a vender oficialmente o superesportivo GT-R no Brasil, o único país da América do Sul a receber o carro da fabricante, cujas estimativas de vendas giram em torno de apenas 10 unidades por ano. Por enquanto, apenas uma unidade está no showroom da concessionária Nissan Carrera, na Av. Brasil, em São Paulo.

A reportagem de iG Carros esteve lá e fotografou o único exemplar do Nissan GT-R trazido ao Brasil de maneira oficial. De acordo com a assessoria de imprensa da marca japonesa, o carro exposto já está vendido e outros dois estão a caminho, sendo que um deles é idêntico ao que aparece na galeria de imagens acima, com pintura cinza chumbo e interior caramelo, combinação que leva o preço para R$ 920 mil. Se o revestimento interno for preto, o preço sugerido cai para R$ 900 mil.

LEIA MAIS: Nissan GT-R quebra recorde mundial de drift. Veja vídeo

Qualquer loja da Nissan no Brasil poderá receber encomendas pelo GT-R, mas toda a operação de contato com a fábrica no Japão e a assistência técnica ficará concentrada na concessionária Carrera, em São Paulo. Se acontecer algum problema técnico no carro um mecânico treinado pode se deslocar para onde o veículo estiver para o conserto. Mas, dependendo da complexidade do defeito, haverá necessidade de levar o carro para a base, na capital paulista.

Nissan GT-R
Divulgação
Nissan GT-R

A marca optou por trazer cinco opções de cores de cores de acabamento interno (vermelho, bege, cinza, caramelo e preto) que podem ser combinadas com a pintura da carroceria (branca, preta, azul, cinza, prata, vermelha e laranja). As rodas são de aro 20 polegadas, com aro em formato de Y, produzidas pela japonesa RAYS e vêm montadas em pneus especiais Dunlop SP Sport MAXX GT (225/40ZR20 no eixo dianteiro e 285/35ZR20 no traseiro). Também chamam atenção as quatro saídas de escape na traseira, feitas à mão, de titânio e com ronco regulado no painel.

LEIA MAIS: Nissan GT-R Nismo, a versão melhorada do que já era ótimo

Repleto de detalhes, GT-R vai servir como carro de imagem da marca, um símbolo de ousadia, além de uma espécie de vitrine de tecnologia, de acordo com o Diretor de Marketing da Nissan do Brasil, Arnaud Charpertier. Ainda segundo o executivo, o perfil do comprador do GT-R no Brasil será um conhecedor de superesportivos que faz escolhas bem específicas, por determinada versão, com detalhes. Além disso, essa pessoa também busca um carro que pode ser usado no dia a dia e, ao mesmo tempo, bater recorde em uma pista de corrida no final de semana.

Um pouco da parte técnica do GT-R

Nissan GT-R
Divulgação
Nissan GT-R

São vários os detalhes técnicos carro. Mas, entre os principais, o motor V6 3.8 biturbo o motor apresenta cilindros revestidos com jato de plasma (em contraposição às camisas fundidas), que permite menor atrito, menor peso, maior capacidade de resfriamento, maior rendimento e menor consumo. Há também coletores de admissão e escape simétricos e independentes, com turbo compressores duplos de alto desempenho.

De tão complexo, o V6 biturbo é montado manualmente por apenas cinco técnicos especializados, os chamados Takumis. Agora com 572 cavalos brutais 65 kgfm de torque a 5.800 rpm, o motor funciona em conjunto com câmbio de seis marchas, com dupla embreagem e hastes para trocas no volante, que pode ser ajustado em três modos de condução (Esportivo, Normal e Especial, mais voltado para maior autonomia de viagem). E toda força do V6 biturbo é transmitida para as quatro rodas, que conta com um sofisticado sistema de controle de tração.

Nissan GT-R
Divulgação
Nissan GT-R

Assim com o câmbio, a suspensão também foi projetada minuciosamente e conta com amortecedores ajustáveis da marca alemã Bilstein que utiliza informações provenientes de vários sistemas do veículo para prover forças de amortecimento e um alto nível de controle para uma série de situações de condução.

Além disso, um controle de monitoramento da velocidade angular (exclusivo do GT-R) mede as variações entre a velocidade angular ideal, calculada a partir do ângulo de esterçamento e a velocidade angular real, detectada pelo sensor de velocidade angular e o sensor G, ajustando a variação do torque de forma apropriada. Pelos números da fabricante, a aceleração de 0 a 100 km/h é feita em meros 2,7 segundos, com máxima de 315 km/h. 

A saga do GT-R

O superesportivo GT-R tem seis gerações. A primeira foi lançada em fevereiro de 1969, com motor de seis cilindros, com 2.0 litros de cilindrada e 160 cv de potência para atingir 200 km/h de máxima. Foi fabricado até 1972.

Em janeiro de 1973 chegou às lojas a segunda geração, com o mesmo nível de potência. Deve um volume de produção bem baixo até a chegada da terceira geração, lançada em 1989. Agora a potencia subiu para 280 cv e o supercarro recebe o apelido de “Godzilla” por causa do desempenho monstruoso nas pistas.

LEIA MAIS: Nissan GT-R, conheça as seis gerações desse canhão com 47 anos de história

A quarta geração apareceu em 1995 e durou até 1998. Recebeu uma série de aprimoramentos, principalmente ligados à distribuição de peso, o que melhorou ainda mais a estabilidade. Em seguida, a quinta geração apareceu em 1990 e ficou até 2002, com melhorias na parte aerodinâmica e na rigidez torcional.

E a sexta e atual geração foi lançada em 2007. Completamente reformulada, com novo motor V6 biturbo e desenho bem mais arrojado e moderno. Passou por uma série de aperfeiçoamentos, inclusive na linha 2017 que acaba de chegar ao Brasil.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.