Modelo é renovado e corpo e alma, com ganhos de consumo, desempenho e conforto. Veja detalhes e as primeiras impressões ao dirigir na pista

Porsche Panamera ainda se parece com o 911 de perfil, mas está completamente renovado na segunda geração
Divulgação
Porsche Panamera ainda se parece com o 911 de perfil, mas está completamente renovado na segunda geração

Depois de apresentado no Salão do Automóvel, no São Paulo Expo, em novembro último, a nova geração do Porsche Panamera chega às lojas no Brasil. O carro começa a ser vendido no País em três versões, mas outras já estão a caminho, como a própria fabricante confirmou. Por enquanto, teremos  a 4S (R$ 758 mil), a 4S Executive (R$ 807 mil) e a Turbo (R$ 981 mil), todas com o chamado "Pacote Brasil", que é a configuração mínima de equipamentos.

LEIA MAIS: Porsche traz novo Panamera e a versão híbrida do Cayenne ao Brasil

Mas há uma vasta linha de opcionais e acessórios que a Porsche disponibiliza que vão de simples pontas de escape cromadas até sistema de entretenimento completo, com som de alta fidelidade e TV digital, que sai por nada menos que R$ 27.245. Ou sistema de freio com discos de fibra de cerâmica, oferecido por R$ 51.796, passando pelas rodas de aro 21 (R$ 7.827).

O estilo que lembra o cupê 911 continua sendo a marca registrada do Panamera, mas agora o carro ficou com visual ainda mais agressivo e que parece estar mais próximo do solo, o que reforça seu caráter esportivo. Além disso, a Porsche agora passa a contar com a linha Executive, que vem com distância entre-eixos 15 centímetros maior para aumentar o espaço no banco traseiro aos executivos que preferem deixar o volante com o motorista.

Procuraram reduzir o número de botões no interior, que ficou mais sofisticado e confortável
Divulgação
Procuraram reduzir o número de botões no interior, que ficou mais sofisticado e confortável

Por dentro, o novo Panamera agora tem nova central multimídia com tela de 12 polegadas, sensível ao toque, novo volante e inéditas opções de acabamento. Se optar pelo teto solar panorâmico, o ambiente passa a ficar mais claro e a luminosidade por ser controlada pela tela retrátil. Entretanto, o ponto mais importante do interior é que procuraram torná-lo mais prático e ergonômico, com menos botões no console central e tudo com teclas acionadas apenas ao apenas encostar as pontas dos dedos.

LEIA MAIS:  Porsche revala novo Panamera híbrido, que faz até 40 km/l, diz a fabricante

Entre os itens que mais chamam atenção estão os comandos no banco traseiro, que contam com tela do sistema multimídia que também exibe informações do GPS e pode passá-las para a tela frontal, de maneira que o motorista consiga vizualizá-las. Quem vai sentado atrás também tem outras mordomias, como entradas USB para recarregar o celular e comandos individuais do sistema de climatização. Outro detalhe é que os bancos ficaram cerca de 8 kg mais leves para ajudar na redução de peso e, no caso das versões Executive, será possível encomendar bancos traseiros com três e não apenas dois lugares.

Volta rápida na pista

Porsche Panamera  4S conta com controle de largada e pode acelerar de 0 a 100 km/h em apenas  4,2 segundos
Divulgação
Porsche Panamera 4S conta com controle de largada e pode acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 4,2 segundos

Tivemos direito a seis voltas no sinuoso e estreito circuito do Haras Tuiuti, no interior de São Paulo, sendo uma delas de reconhecimento e as duas últimas mais devagar. Foi o suficiente apenas para tirar as primeiras impressões da versão 4S do Panamera. De fato, apesar do tamanho (5 metros de comprimento por 1,93 m de largura e 1,42 de altura), o carro deixa clara sua pegada esportiva, agora favorecida não apenas pela maior leveza da carroceria, mas também por mais força e potência do novo motor V6 2.9, que rende 440 cv (20 cv a mais que o Panamera 4S anterior) e nada desprezíveis 56,1 kgfm  de torque a meros 1.750 rpm, uma obra-prima da engenharia.

Porsche Panamera
Divulgação
Porsche Panamera

O V6 vem com turbinas compactas, instaladas no meio do V, que enviam os ar sob pressão para canais diferentes nas duas bancadas de cilindros, o que ajuda a gerar mais força em regimes mais baixos, o que notamos durante a rápida avaliação na pista. Essa disposição das turbinas também ajuda a diminuir o centro de gravidade do carro, que se sai muito bem nas curvas, que conta como aliada uma parafernália eletrônica que inclui uma série de controles eletrônicos de estabilidade e tração e o complexo sistema que comanda os amortecedores ativos, que fazem parte da suspensão a ar e mantém o carro sempre firme, como se estivesse rodando sobre trilhos.

O que também ajuda com toda essa obediência do Panamera é o eixo traseiro autodirecional, que move as rodas traseiras em até 2,8 graus no mesmo sentido das dianteiras em velocidade mais altas. Os processadores que controlam todos os sistema eletrônicos do carro 30% mais rápidos e a maior porcentagem de alumínio na carroceria também  estão entre os itens que contribuem com o desempenho do carro. Há também o novo câmbio de oito marchas, de dupla embreagem, que faz parte do novo sistema de transmissão com tração integral e contribui com a redução do consumo, já que as duas últimas marchas são voltadas para economia de combustível. Portanto a velocidade máxima de 289 km/h é atingida em sexta.

LEIA MAIS:  Veja os 10 carros mais caros expostos no Salão do Automóvel

Não faltam recursos para engolir quilômetros e quilômetros de asfalto no meio de curvas e retas ao novo Panamera. Ao selecionar o modo Sport de condução, mais de 20 parâmetros são remapeados para ajustar o comportamento do carro a uma tocada mais animada. E ainda é possível escolher pelo Sport Plus ou pelo modo individual, em que o motorista seleciona quais são seus parâmetros, num nível de sofisticação compatível com o Porsche 919 Hybrid que venceu as 24 Horas de Le Mans. Para completar o conjunto sofisticado ao extremo, as rodas de aro 19 são montadas em pneus 265/45 R na frente e 295/40R atrás, mas há como escolher por novos conjuntos com até 21 polegadas de diâmetro. Nada mau. 

No final das contas,  um dos únicos problemas do carro acaba sendo o preço. No caso da versão Turbo, dependendo do nível de equipamentos que forem escolhidos pelo cliente, o carro por chegar a algo próximo de R$ 1,2 milhão. Há uam infinidade de opções a serem escolhidas, num nível de detalhe que chega até à cor das tampinhas das válvulas dos pneus. E se o carro for bem personalizado por levar entre três a quatro meses para ser entregue.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.