Chery QQ esbanja equipamentos, mas urge por cuidados

Por R$ 22.990, compacto chinês entrega até ABS e airbag, mas falta capricho no acabamento e em ajustes mecânicos

Rodrigo Mora | 29/4/2011 11:30:00

Chery QQ 2011 1.1 16V 1.1 16V gasolina 4p manual

Dados técnicos
Preço
R$ 22.990
Capacidade
5 passageiros
Velocidade máxima
130 km/h
0 a 100 km/h
14 s
Consumo urbano
km/l
Potência
68 cv
Torque
9,1 kgfm
Porta-malas
190 litros
Veja ficha técnica completa

Há algum tempo a Chery ensaia o lançamento do QQ no mercado brasileiro. No final de 2009 já falávamos inclusive do preço do compacto, que de lá pra cá aumentou R$ 90. No entanto, a marca chinesa estreou por aqui com o SUV compacto Tiggo, porque “não era hora do QQ no Brasil”, segundo Luis Curi, presidente da Chery. Em abril de 2011, enfim, chega a hora do chinês de cara simpática desembarcar por aqui, atraído pela “nova classe média, a antiga C”, de acordo com as palavras de Curi.

Como todo chinês, o QQ quer atrair compradores por oferecer extensa lista de equipamentos casada com preço inferior ao dos concorrentes, mesmo em suas configurações básicas. E no caso do estreante, há um argumento a mais: custando R$ 22.990, o QQ se torna o carro mais barato do Brasil. Oficialmente, mas não na prática: em uma breve pesquisa entre concessionárias da Fiat, chegamos a encontrar o Mille por R$ 21.990, que na tabela custa R$ 23.220.

Entre os principais equipamentos, estão acionamento interno para abertura do tanque de combustível e do porta-malas, ajuste de altura do banco do motorista, alarme, ar-condicionado, CD player com MP3 e entrada USB, direção hidráulica, limpador e desembaçador traseiro, painel digital, rack de teto, regulagem de altura do farol, travamento das portas à distância e fechamento automático dos vidros, trio elétrico, airbag duplo e ABS.

Impressões

Como mágica não existe, o QQ tinha de abrir mão de alguma coisa para chegar (lembrando que ele é importado da China, portanto paga 35% de taxa de importação) tão equipado e barato. Antes de entrar no carro, já desconfiamos de onde está o segredo. Capô e faróis não casam perfeitamente, e é possível encaixar um dedo entre eles; as borrachas de vedação estão para fora da porta, e não encaixadas entre elas e a carroceria. No interior, fui direto para o banco de trás conferir os encostos de cabeça, lembrando da bizarra costura da mesma peça no Face. E elas estavam do mesmo jeito: frágeis e desalinhas. O espaço é escasso, mas aceitável para a proposta do carrinho.

Pulo pra frente com o Effa M100 na cabeça, que até hoje me dá pesadelos. A posição de guiar e o acabamento são melhores em relação ao conterrâneo. O tecido dos bancos, que são cansativamente macios, são agradáveis ao toque. O mesmo tecido se encontra na porta, contrastando com um plástico duro e ruim de ver e tocar. O painel tem lá seu charme hi-tech, mas o arco que abriga as luzes-espia é cafona.

Executivos da marca valorizam o QQ afirmando que o compacto é constituído por peças vindas do mesmos fornecedores de Chevrolet, Ford, VW, Fiat...Pode até ser, mas a montagem é drasticamente inferior.

Em movimento, o QQ mostra seu pior lado, e nos faz repensar a vantagem da interessante oferta de equipamentos. O problema não é o desempenho do motor 1.1 16V, de 68 cv; ou os engates razoavelmente bons. O compacto da Chery tem a suspensão extremamente (e perigosamente) macia, aniquilando qualquer resquício de segurança nas curvas. Numa avenida do Rio de Janeiro, rodando 10 km/h abaixo dos 90 km/h permitidos pela via, a carroceria inclinava assustadoramente, mesmo a curva sendo aberta. Um motociclista que vinha atrás do nosso carro, teve a preocupação de emparelhar, abrir a viseira do capacete e alertar: “cara, vai mais devagar na curva, seu carro tá inclinando demais, você vai rodar”. Oras, eu já estava abaixo da velocidade permitida e a curva era nível 0 de dificuldade. Ou a Chery reforça a suspensão, ou instala um limitador de velocidade no carro – sem brincadeira.

A proposta do QQ, no entanto, não deixa de se interessante. Até o preço das revisões é mais barato: R$ 99 (2.500 km), R$ 149 (10.000 km), R$ 199 (20.000 km), R$ 149 (40.000 km). E a garantia é de três anos. Os rivais considerados pela Chery são Chevrolet Celta (R$ 26.115), Ford Ka (R$ 25.420), Volkswagen Gol G4 (R$ 26.160) e o já citado Fiat Mille. Curiosamente, a marca não considera o Effa M100. Desperdício, porque seria uma grande chance do QQ parecer melhor do que realmente é.

 

Leia tudo sobre: CheryQQlançamentochinêscompacto

PESQUISE CARROS

RANKING

Veículos mais vendidos - outubro de 2014

Pos. Modelo Vendas
Fiat Palio 16.622
Chevrolet Onix 13.589
Fiat Strada 13.381
Volkswagen Gol 12.455
Fiat Uno 11.192
Hyundai HB20 10.603
Ford Ka 9.603
Volkswagen Fox 9.218
Volkswagen Saveiro 8.439
10º Chevrolet Prisma 8.342
Veja ranking completo