Naked italiana com motor tricilíndrico de 800cc tem personalidade forte e comportamento arisco; nas lojas por R$ 49.990

Por Karina Simões

A grande maioria das motocicletas é batizada com uma combinação de letras e números que dá nó na cabeça de qualquer criatura que não esteja familiarizada com o mundo das duas rodas. Diferentemente disso, nossa avaliada da vez tem nome e sobrenome italianos: MV Agusta Brutale 800 .

Não é preciso fazer curso de italiano para entender que a palavra brutale quer dizer brutal em português, e, embora este nome tenha sido herdado de sua irmã mais potente, a Brutale 1090 , a tricilíndrica de 798 cm³ provou que também faz jus a ele.

Montada por sistema CKD na fábrica da Dafra, em Manaus (AM), a naked foi a primeira da linha 800 a desembarcar no Brasil, em março de 2014. Na sequência vieram a esportiva F3 800 e a motard Rivale 800 .

Leite de pedra

Confesso que queria muito experimentar o tricilíndrico da marca, que estreou primeiro na Europa na versão de 675 cm³ com a F3 e depois com a Brutale – ambas versões não vieram para o Brasil. Trata-se do mesmo propulsor, porém, retrabalhado pela MV para extrair todo seu potencial na versão de 800 cc.

Já que o temperamento desta naked é pautado pelo motor, comecemos por ele. Agora, o três cilindros em linha, de 798 cm³, gera 125 cv de potência a 11.600 rpm e 8,25 kgfm de torque aos 8.600 giros. Na prática, isso se traduz em uma patada ao girar o acelerador eletrônico ride-by-wire . A força é entregue de maneira muito rápida e a sensibilidade do acelerador chega a assustar. Uma arrancada em primeira marcha ao sair de um semáforo, por exemplo, pode te causar palpitações e a roda dianteira descolada do chão.

Mesmo no modo normal, não foi fácil “dar uma voltinha tranquila” com a Brutale (ela definitivamente não nasceu para este tipo de passeio). Parece que ela pede para que você mantenha o giro alto o tempo todo para que, assim, o motor consiga trabalhar de uma maneira mais confortável. Seu mundo não é em baixos giros, mas nas altas rotações sobra motor e entendemos que o sorriso no rosto do piloto não é opcional, vem de série ao acelerar esta naked italiana.

Como a maioria delas, a eletrônica desempenha um papel importante. A Brutale 800 foi equipada com o sistema MVICS (que significa Sistema de Controle Integrado de Motor e Veículo). Traduzindo, é um pacote eletrônico que permite que se altere o mapeamento do motor, o controle de tração em oito níveis, a resposta do acelerador eletrônico e a atuação do ABS. São quatro modos de pilotagem (Normal, Rain, Sport e Custom), para alterá-los, basta selecionar um botão na manopla direita com a moto ligada, enquanto para personalizar os ajustes, deve-se utilizar os botões da manopla esquerda.

A MV ainda gaba-se em utilizar em sua linha de motores 800 cc um virabrequim contra rotativo –tecnologia utilizada no MotoGP e novidade em modelos produzidos em série - que segundo a montadora reduz a vibração em desacelerações.

O câmbio de seis velocidades tem trocas precisas e a marcha engatada fica indicada no painel digital, que mostra uma infinidade de dados mas não marca o combustível - até acender a luz da reserva, foi possível rodar cerca de 180 quilômetros com um tanque, que comporta 16,6 litros.

No painel encontramos também a opção quickshift on e off (para trocas de marchas rápidas), mas o sistema não vem de série nem é oferecido como opcional – isso ocorre porque o painel é compartilhado com outros modelos que dispõe do sistema.

Porte atlético

Pesando apenas 167 kg a seco, a Brutale mostrou-se muito ágil nas curvas e mudanças bruscas de direção. Boa parte desta agilidade é resultado do chassi construído em treliça de tubos de aço combinado com duas placas de liga de alumínio. A suspensão dianteira usa garfos invertidos da Marzocchi , enquanto a traseira utiliza monobraço da Sachs. O conjunto permite ajustes de compressão, retorno e pré-carga de mola.

O banco não é dos mais confortáveis, mas o assento a 81 cm do solo contribui com os pilotos de estatura mais baixa. As pedaleiras, todavia, ficam recuadas e mais para o alto, proporcionando uma posição de pilotagem esportiva. Depois de gastarmos um tanque, sentimos que é hora de esticar as pernas.

Os freios ABS desempenharam bem seu papel, na dianteira são dois discos flutuantes de 320 mm de diâmetro mordidos por pinças radiais monobloco Brembo , de quatro pistões. Na traseira há um disco simples de 220 mm com pinça de duplo pistão, também Brembo.

Corte italiano, que cai melhor a italianos

O design da Brutale também segue os passos de sua irmã maior, com o mesmo desenho de farol em forma de gota e aletas que protegem o radiador. O escape merece destaque, com uma ponteira tripla curtinha e charmosa, assim como suas irmãs 800.

O tanque é bem recortado com as já conhecidas entradas de ar nas extremidades e oferece bom encaixe para as pernas. O modelo testado, com cerca de 7 mil km rodados, apresentou algumas deformações no tanque, que como a maioria das motos hoje em dia é feito de um composto plástico. Talvez o calor, nossa gasolina de má qualidade, ou ambos, acabam comprometendo a peça com o tempo. Aliás, o projeto desta moto colocou algumas dúvidas em minha cabeça, especialmente ao notar o cárter muito próximo do solo sem proteção, o filtro de óleo exposto demais (a pedras, insetos e tudo aquilo que nos atinge quando pegamos estrada de moto), sem contar as peças que desencaixavam facilmente no modelo (talvez mérito da montagem brasileira).

Em suma, a Brutale 800 é uma “bella macchina”, mas talvez tivesse em sua melhor forma rodando onde foi feita para rodar, em estradas bem pavimentadas europeias, com gasolina europeia, etc. No Brasil, o buraco é literalmente mais embaixo. E tal problema se estende a diversos modelos “gringos” vendidos por aqui, italianos ou não, cuja montagem e desempenho (leia-se gasolina ruim) são comprometidos ao vir para terras tupiniquins.

Motos italianas são motos italianas e, se elas permeiam seu imaginário, a linha 800 da MV Agusta oferece design, um motor fantástico, muita agilidade, um bom pacote eletrônico e um barulho lindo quando o motor grita em altas rotações (este último, talvez te faça assinar o cheque). Pode-se optar pelas cores vermelho metálico com prata ou branco perolizado com vermelho e, se suas preferidas são as nakeds, ela é a mais em conta das três da família, por R$ 49.900.

MV Agusta Brutale 800

Dados técnicos
Preço Câmbio
R$ 49.990 6 velocidades
Motor Comprimento x altura assento x entreeixos
4 tempos/três cilindros/12 válvulas/refrigerado a líquido 2.085 mm x 810 mm x 1.380 mm
Cilindrada Pneu dianteiro
798 cm3 120/70 ZR 17M/C (58W)
Potência Máxima Pneu traseiro
125 cv a 11.600 rpm 180/55 ZR 17M/C (73W)
Torque Máximo Peso seco
8,25 kgfm a 8.600 rpm 167 kg 
Sistema de partida Cores
Elétrica Vermelho metálico com prata, branco perolizado com vermelho
Combustível Capacidade do tanque
gasolina 16,6 litros

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.