Tamanho do texto

Do asfalto às trilhas, o Yamaha Tour Interativo Crosser apresenta o lado mais aventureiro das motos e do Sudeste

Yamaha Tour Interativo Crosser: Muita aventura e diversão na lama e fora dela
Divulgação
Yamaha Tour Interativo Crosser: Muita aventura e diversão na lama e fora dela

O primeiro dia do Yamaha Tour Interativo Crosser foi de conhecimento da moto e dos companheiros de estrada. Saindo da Paraty, no Rio de Janeiro, após sessões de fotos na cidade histórica e gravações do vídeo da aventura, subimos a serra a caminho de Guaratinguetá, em São Paulo, passando pela cidade de Cunha.

LEIA MAIS: Na lama, mas feliz com a Yamaha TT-R 230

A estrada é íngreme e sinuosa, passando pelo interior de um parque ecológico. Ônibus e caminhões são proibidos de circular por ela. Cenário bem adequado para a Yamaha Crosser, que apesar da baixa cilindrada, é bastante valente.

Depois de um pequeno desvio pela Rodovia presidente Dutra, para evitar um trecho da Estrada Real que se transformou em bairro habitado, voltamos ao caminho real, entrando por Cruzeiro (SP) em direção à divisa dos estados de São Paulo e Minas Gerais.

LEIA MAIS: Como é montar e desmontar uma motocicleta da Harley-Davidson

A cada cidade que passamos, obtivemos um carimbo em nosso passaporte da Estrada Real, que é um documento que atesta nossa passagem pelos postos oficiais do percurso. A primeira cidade mineira foi Passa Quatro (MG), onde, a partir daí, deixamos o asfalto e entramos em caminhos de terra.

Mais descobertas sobre a motocicleta: a Yamaha Crosser é muito valente no fora de Estrada, apesar dos pneus para asfalto, fazendo com que o controle em piso de pouca aderência, com pedras soltas inclusive, fosse muito fácil.

LEIA MAIS: Yamaha apresenta linha 2018 do scooter NMax 160 ABS

Uma das minhas preocupações era a visibilidade no escuro das trilhas, já que fizemos essa parte do caminho já à noite. O farol da Crosser, no entanto, é ótimo e passamos pela terra sem nenhum problema. Passamos por uma cidade chamada Marmelópolis (MG).

Antes de chegar à São Lourenço (MG), o destino desse primeiro dia, ainda percorremos mais um trecho de estrada asfaltada, passando pela cidade mineira de Maria da fé, a mais fria do Estado. A temperatura na estrada estava bem baixa, mas o equipamento que usamos nos protegeu.

O segundo dia

Saindo de São Lourenço (MG), após captação de imagens no parque das águas, seguimos pela Estrada Real com destino final em Tiradentes (MG), passando por Cruzília (MG), onde carimbamos os passaportes no Museu do Manga Larga Marchador. A partir daí seria tudo terra.

LEIA MAIS: Yamaha NMax: O desafio do Honda PCX

Esse trecho mais longo de terra é o próprio caminho Real, por onde passavam as caravanas transportando ouro e outras especialidades entre o porto e a região de mineração. Vários totens pelo caminho mostram as localizações originais.

A cidade de Carrancas (MG), além do nome sugestivo, é bem interessante. Após abastecer, seguimos pelo último trecho do dia, passando por São João Del Rey (MG) e chegando em Tiradentes (MG). Logo na entrada, uma atração que qualquer motociclista não pode deixar de ver, o Museu da Moto. São muitos modelos clássicos e históricos que contam muito da história da motocicleta.

No terceiro dia do Tour Yamaha, rumaremos a Ouro Preto. Até a próxima etapa! Veja a galeria de imagens acima.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.