Captiva 2011 tem mudança dos sonhos

Utilitário esportivo da Chevrolet ganha novos motores de injeção direta, câmbio mais moderno e mais equipamentos. Tudo que os modelos fabricados no Brasil mereciam

Ricardo Meier | 25/2/2011 18:05:00

Foto: Divulgação Veja galeria em tamanho maior

Chevrolet Captiva V6 2011

Se no Brasil os clientes da Chevrolet ainda convivem com motores de 8 válvulas de comando simples, câmbios automáticos de 4 marchas e poucos equipamentos sofisticados, quem levar para casa o novo Captiva 2011 terá um carro de fazer inveja a donos de Vectra, Astra e Zafira, entre outros.

O utilitário esportivo fabricado no México recebeu importantes novidades, sobretudo na parte mecânica, como o iG Carros havia adiantado em primeira mão. Saíram de cena o 2.4 Ecotec e o V6 3.6 para a chegada de duas versões com injeção direta de combustível, que os torna mais econômicos e potentes.

O novo 2.4 Ecotec passou a render 185 cv, 14 a mais que o anterior, além de oferecer mais torque (23,8 kgfm). Com isso o desempenho melhorou: o 0 a 100 /km/h caiu de 11,3 segundos para 10,9 segundos – a velocidade máxima permanece limitada a 210 km/h. O consumo piorou cerca de 8%, segundo números divulgados pela GM. Exemplo: na cidade, o SUV fazia 10 km com um litro de gasolina e agora faz 9,3 km/l.

Outro responsável pelo desempenho superior é o câmbio automático de seis marchas com tecla Eco, que proporciona um regime mais preocupado com emissões e redução do consumo.

Downsizing

Já a versão V6, que possui opção de tração dianteira ou nas quatro rodas, recebeu um novo motor de menor volume, com 3.0 litros contra 3.6 litros do anterior, o chamado “downsizing”, uma tendência em voga na indústria atualmente que visa reduzir o tamanho do motores sem perdas significativas de performance. Apesar disso, o uso da injeção direta e uma concepção mais moderna o tornaram mais potente que seu antecessor. Se antes o V6 possuía 261 cv agora ele desenvolve 268 cv, embora o torque tenha caído – reflexo normal de motores com litragem inferior.

Aqui a vantagem se inverteu em relação ao 2.4: enquanto o consumo melhorou (entre 0,2 km por litro consumido) o desempenho piorou. A aceleração que era de 8,4 segundos (FWD) e 8,5 (AWD) agora leva pouco mais de um segundo a mais.

Mais comodidade

A versão V6 foi a que mais se beneficiou das novidades em relação aos equipamentos, mas todas as versões ganharam o freio de estacionamento elétrico, mais cômodo e que liberou o console central para receber mais porta-objetos. Exclusivo do V6 são a câmera de ré para facilitar as manobras, detalhes cromados no exterior, aquecimento dos bancos, sensores de chuva e crepuscular e som premium com 10 alto-falantes, entre outros.

O Captiva também está disponível em duas novas cores, o preto “Carbon Flash” e o cinza “Mocha”, que é na verdade uma espécie de marrom (e exclusiva do V6). Por dentro, a montadora eliminou o tom camarelo do acabamento e agora apenas o cinza e o preto estão disponíveis. Os preços das três versões permanecem os mesmos da linha 2010: R$ 90.299 para a versão 2.4 Ecotec, R$ 96.774 para a V6 FWD, e R$ 100.774 para a V6 AWD. A expectativa de vendas da Chevrolet é de 1.200 unidades mensais, o que, na sua previsão, significa manter uma participação de 10% no segmento de SUVs e crossovers em 2011.

Leia tudo sobre: ChevroletCaptiva2011Ecotecinjeção diretaV6lançamentos 2011crossover