Nova geração do modelo deverá ser apresentada no Salão de Paris, em outubro

Apesar dos disfarces, é possível notar que o novo modelo será mais arrojado que o atual
Reprodução/AutoPlus
Apesar dos disfarces, é possível notar que o novo modelo será mais arrojado que o atual

A Nissan já está com a nova geração do hatch compacto March pronta para ser apresentada no Salão de Paris, entre 1 e 16 de outubro. O carro terá desenho bem mais arrojado que o atual, com elementos herdados do protótipo Sway, apresentado no Salão de Genebra, em março, o que tenta esconder a camuflagem das unidades pré série flagradas em testes pela revista francesa Auto Plus . Entretanto, o novo March ainda vai demorar para chegar ao Brasil.

LEIA MAIS: VW Polo 2017 europeu, base do novo Gol, é visto camuflado

Nissan Sway vai servir de inspiração para a versão de produção do novo March
Divulgação
Nissan Sway vai servir de inspiração para a versão de produção do novo March


 Apesar dos disfarces, é possível perceber que os faróis têm linhas mais estilosas, assim como as lanternas e o formato dos para-choques. Entre outros itens, também chama atenção o defletor de ar que parece ser uma extensão da capota. E a tampa do porta-malas está mais inclinada que a da versão atual do March.

Apesar dos disfarces, é possível notar que o novo Marcha será mais arrojado que o modelo atual
Reprodução/AutoPlus
Apesar dos disfarces, é possível notar que o novo Marcha será mais arrojado que o modelo atual

Assim como têm acontecido com outros modelos quando passam de geração, o March ficará um pouco maior com a nova plataforma CMF-B, o que o deixará mais próximo do Ford Fiesta , um dos seus principais rivais no mercado europeu. Outra evolução importante será a melhoria no acabamento.

Pena que a chegada do March ao Brasil ainda está bem longe. A marca acaba de começar a produção e a vender o SUV Kicks ,  que é fabricado sobre a plataforma V, também usada no March e Versa atuais. Quando vier ao Brasil, o novo March deverá ter uma versão modificada dessa base feita para equipar modelos de países emergentes, entre os quais o Brasil.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.