Com caixa CVT, modelo tem a vantagem de não ter trancos nas acelerações, favorecendo o conforto. Mas fica devendo mais refinamento

Na briga dos sedãs compactos mais caprichados, aqueles que ficam entre os médios e os populares, o Nissan Versa era o único que não tinha opção de câmbio automático. Mas agora isso acabou. Com motor 1.6, o carro passa a ser encontrado apenas com caixa CVT, a mesma do SUV Kicks , com relações de marcha continuamente variáveis.

A partir de R$ 58.490, o Nissan Versa SV com câmbio CVT vem com rodas de aro 15 e encostos rebatíveis do banco traseiro entre os itens de série. No caso da versão SL (R$ 65.190), a lista de equipamentos também inclui ar-condicionado digital, bancos revestidos parcialmente de couro, rodas de aro 16, temporizador do limpador de para-brisa regulável, entre outros. E o topo de lina Unique sai por R$ 66.790 e acrescenta apenas detalhes, como frisos pintados na cor do carro, defletor de ar na tampa do porta-malas e tapetes exclusivos.

LEIA MAIS: Chevrolet Cobalt evolui e ganha apelo diante dos rivais

Alavanca do câmbio CVT tem o pequeno botão do overdrive  abaixo da trava para o engate das posições P, R, N, D e L
Divulgação
Alavanca do câmbio CVT tem o pequeno botão do overdrive abaixo da trava para o engate das posições P, R, N, D e L

Assim como a maioria dos concorrentes, o Versa é um carro espaçoso. Cinco ocupantes viajam em apertos, bem como suas respectivas bagagens no generoso porta-malas de 460 litros. A central multimídia Multi App é outro ponto positivo. Funciona bem com a maioria dos celulares, vem com tela sensível ao toque e já tem alguns aplicativos instalados como Waze, Instagram, Spotify e Google Play.

Outro detalhe que agrada no dia a dia é a direção com assistência elétrica, que facilita as manobras, principalmente na hora de estacionar. Bom também é que o volante tem os principais comandos do som e do controlador de velocidade de cruzeiro (“piloto automático”), o que contribui com a ergonomia. Mas faltou comando do tipo “um toque” para todos os vidros de todas as portas, já que apenas a do motorista tem esse recurso. Além disso, o botão que controla os retrovisores fica numa posição um pouco incômoda, na parte inferior esquerda do painel.

Rodando no cotidiano

Nissan Versa CVT
Divulgação
Nissan Versa CVT

Ficou claro que o Versa CVT gosta mesmo é de um rodar tranquilo, pisando de leve no acelerador, quando o nível de ruído se mantém em padrões civilizados e o conforto é mantido dentro do considerável ideal. Porém, tente pisar um pouco mais forte no pedal da direita. E não apenas o ruído, mas a vibração sobem consideravelmente.

A Nissan diz que reforçou o isolamento acústico, nos para-lamas, no painel corta-fogo, no console central e no painel de instrumentos, além de um novo para-brisa acústico, mas, mesmo assim, não foi o suficiente pelo o que notamos dirigindo o carro tanto na cidade quanto na estrada.

Outro ponto que pareceu um pouco estranho foi o chamado Lock Up , que segura um pouco mais a polia do câmbio CVT e a solta bem devagar, para manter a linearidade do motor. Tudo bem, isso pode evitar ainda mais os trancos entre as trocas, mas acaba levando a uma aceleração tardia e que, depois de alguns segundos, aparece de repente.

LEIA MAIS: Hyundai HB20S Premium se parece com um Elantra em miniatura

Para tentar evitar esse efeito, pode-se acionar o pequeno botão do overdrive, que fica na própria alavanca. Mas aí o motor é mantido em rotações mais altas, o que volta a a causar mais ruído e vibrações. Portanto, o melhor mesmo é ir devagar com o andor e se acostumar com jeito mais pacato do Versa, que vai bem nas curvas tanto por causa do bom ajuste da suspensão quanto pela leveza do conjunto. E assim como a maioria dos rivais, exceto pelo Fiesta Sedan, o Versa também não vem com controle eletrônico de estabilidade.

O motor 1.6, de 111 cv e 15,1 kgfm a 4.000 rpm é apenas aceitável pelos padrões atuais, que já estão começando a mudar, uma vez que, para melhorar o rendimento, algumas fabricantes adotam recursos como injeção direta de combustível, sobrealimentação e materiais bem leves, entre outros itens.

De acordo com o Inmetro, o Versa faz 7,8 km/l (cidade) e 10 km/l (estrada), com etanol, e 11,62 km/l (cidade) e 14,11 km/l (estrada) com gasolina, números apenas dentro da média. Portanto, diante dos principais rivais, op Versa não faz feio, mas também não se destaca. Precisa evoluir, principalmente na questão do refinamento, algo que concorrentes como Hyundai HB20 S e Ford Fiesta estão mais avançados.  

Ficha Técnica

Preço: R$ 58.490 (básico, SV) a R$ 66.790 (Unique)

Motor: 1.6, quatro cilindros, flex

Potência: 111 cv a 5.600 rpm

Torque: 15,1 kgfm a partir de 4.000 rpm

Transmissão:  Automático, CVT, tração dianteira

Suspensão:Independente (dianteira) / eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira

Pneus: 195/55 R16

Dimensões: 4,49 m (comprimento) / 1,70 m (largura) / 1,51 m (altura), 2,60 m (entre-eixos)

Tanque : 41 litros

Consumo: 11,6 km/l (cidade) /14,1 km/l (estrada) com gasolina

0 a 100 km/h: 11,6 segundos 

Vel. Max: 187 km/h   

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.