Com traje de “guerra”, o jipinho mostra que é para fãs da marca americana e que curtem uma trilha de terra nos finais de semana

Jeep Renegade Trailhawk vai bem no dia a dia do asfalto, mas gosta mesmo é de entrar e trechos de terra
Jeep Renegade Trailhawk
Jeep Renegade Trailhawk vai bem no dia a dia do asfalto, mas gosta mesmo é de entrar e trechos de terra

Para aqueles que realmente são fãs da Jeep e gostam de se sujar de lama nos finais de semana, o Jeep Renegade Trailhawk é uma boa pedida para os que estiverem dispostos a pagar os R$ 136.990 que a marca pede pelo carro. Mas é bom lembrar que, em trechos urbanos, deve-se ter certa paciência com o acerto voltado para enfrentar trilhas, embora isso acabe ajudando a passar por valetas, lombadas e buracos com boa desenvoltura.

LEIA MAIS: Jeep prepara Renegade renovado para 2019 e modelo menor

Logo de cara dá para notar que o Jeep Renegade Trailhawk é diferente das outras versões. Já começa pela cor Laranja Aurora, em combinação com o preto fosco que aparece bem no ressalto do capô e em outros detalhes, como nas molduras das janelas laterais. Visto de frente, dois ganchos vermelhos para amarração surgem para deixar clara a vocação do carro para encarar trechos de terra. A altura do solo de 22,3 centímetros é outro indício de que o "habitat natural" do “bicho” é mesmo em trilhas, como já chegamos a comprovar em uma aventura pela Chapada dos Guimarães .

Ainda observando o Traihawk por fora, nota-se mais um gancho para amarração na traseira e o simbolo com a inscrição “Trail Rated”, que certifica que o carro é capaz de passar por obstáculos off-road, inclusive, alagados. Por causa disso, o curso da suspensão é maior, entre outros ajustes, como a inclusão do modo “Pedra” entre as opções de tipo de piso do seletor de tração.

E assim como na parte externa, no interior o Renegade mais radical se diferencia dos demais por detalhes como a pintura vermelha nas saídas de ar laterais, no console central e nas caixas de som. Há também revestimento de couro dos bancos e do volante, com costura avermelhada. O problema é que a visibilidade traseira não é das melhores, prejudicada pelas largas colunas. E o porta-malas é apertado, levando apenas 260 litros de bagagem.

LEIA MAIS:  Jeep Renegade 1.8: SUV evolui, mas ainda tem no que melhorar

Por outro lado, o que não falta é equipamento nessa versão mais cara do Renegade. Entre os destaques há teto solar panorâmico e elétrico, alerta de ponto cego, sistema multimídia com GPS, faróis com lâmpadas de xenônio, partida por botão, freio de estacionamento elétrico, retrovisores rebatíveis eletricamente, volante com 23 botões, entre outros itens.

O espírito selvagem do Trailhawk

No seu
Jeep Renegade Trailhawk
No seu "habitat natural" , o Jeep Renegade Trailhawk enfrenta trechos de terra com boa desenvoltura

Dê a partida e vai ouvir o barulho característico do motor 2.0, Multijet II, movido a diesel e sobrealimentado. Será um ronco que vai acompanhar o tempo todo. Portanto, é preciso se acostumar. O bom da história é que existe uma boa dose de força desde as primeiras marcações do contagiros. São 35,7 kgfm a meros 1.750 rpm, o que facilita bastante as ultrapassagens, tanto no trânsito do dia a dia quanto na estrada. O que também ajuda a dar agilidade ao SUV é o câmbio automático, de 9 marchas, com relações bem escalonadas.

LEIA MAIS: Carros mais seguros: Ford Focus e Jeep Renegade lideram ranking do CESVI

Ponto positivo também para a direção com assistência elétrica, leve nas manobras e precisa conforme vai aumentando a velocidade. Você vai apenas ter que aprender a lidar com todos os botões do volante de boa empuhadura, mas isso é uma questão de tempo. Bom mesmo é conseguir superar qualquer tipo de obstáculo urbano com facilidade. Entretanto, vale ir com cuidado nas curvas, mesmo com controle eletrônico de estabilidade, uma vez que o carro não é um esportivo ávido por asfalto.

Contudo, mesmo com a boa área frontal e de se ficar mais à vontade em trechos de terra, a carroceria não oscila na estrada com o vento. E os freios funcionam a contento, sem sinais de fadiga. Além disso, o carro até que é econômico, fazendo 9,4 km/l de diesel na cidade e 11,5 km/lna estrada, de acordo com os números do Inmetro, o que leva a uma autonomia teórica de 690 quilômetros, o suficiente para ir de São Paulo ao Rio de Janeiro (429 quilômetros) sem abastacer e ainda sobrariam 261 quilômetros para rodar.

Conclusão

Entre os SUVs compactos nacionais, o Jeep Renegade Trailhawk é único, já que além de ser movido a diesel e ter tração integral, ainda conta com uma série de detalhes voltados para quem realmente curte uma trilha de terra no final de semana. Mas é bom saber que não vai ter como levar muita bagagem, já que o porta-malas do carro é pequeno.

Ficha Técnica

Preço:  a partir de R$ 136.990

 Motor: 2.0, quatro cilindros, diesel

Potência: 170 cv a 3.750 rpm

Torque: 35,7 kgfm a  1.750 rpm

Transmissão:  Automático, 9 marchas, tração integral

Suspensão:Independente (dianteira e traseira) 

Freios: Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira

Pneus: 215/60 R17 

Dimensões: 4,24 m (comprimento) / 1,79 m (largura) / 1,73 m (altura), 2,57 m (entre-eixos)

Tanque : 60 litros

Porta-malas: 260 litros 

 Consumo: 9,4 km/l (cidade) /11,5 km/l (estrada) com diesel

0 a 100 km/h: 9,9 segundos 

Vel. Max: 190 km/h


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.