Renault Duster 1.3 TCe: agora turboflex, SUV nunca foi tão "gourmet"

Linha 2023 mostra que o utilitário esportivo deixou de ser rústico, com versão de R$ 135.590

Renault Duster Iconic 1.3 TCe: são poucas as mudanças estéticas da linha 2023 do SUV da marca francesa
Foto: Divulgação
Renault Duster Iconic 1.3 TCe: são poucas as mudanças estéticas da linha 2023 do SUV da marca francesa


Como diz o dito popular, "quem tem viu quem te vê", Renault Duster. Lembro bem quando o SUV foi lançado, em outubro de 2011, como um utilitário esportivo simples, com preços que não passavam de R$ 65 mil.

Depois de mais uma década, o Renault Duster chega à linha 2023 com a versão topo de linha equipada com o novo motor 1.3 turboflex, desenvolvido em parceria com a Mercedes-Benz , entre uma série de outros itens sofisticados.

A chegada do Renault Duster Iconic 1.3 TCe (R$ 135.590) na garagem de iG Carros coincidiu com um período em que andei quase 500 quilômetros na versão 1.6 aspirada (R$ 122.090), tanto na cidade quanto na estrada. Portanto, deu para comparar claramente como o novo motor 1.3 turboflex fez bem ao carro.

Mas, o que todo mundo quer saber é: afinal, vale a pena pagar R$ 13.500 a mais pelo fôlego extra ? Então, digo: não resta dúvida de que o desempenho melhorou bastante, porém, a diferença de preço ainda é grande.

Quem anda no Duster Iconic 1.6 com motor SCe aspirado sabe bem que se não pisar um pouco mais forte no acelerador nas retomadas e em qualquer tipo de aclive o carro perde força com facilidade. São apenas 16,2 kgfm de torque que aparecem em altos 4.000 rpm e com uma relação peso/torque desfavorável de 79 kg/kgfm. Não é à toa que o SUV precisa de razoáveis 12,4 segundos para acelerar de 0 a 100 km/h.

Na versão com o novo 1.3 turboflex , o cenário é bem diferente. Se não tivesse tão acostumado com o Duster não diria que é o mesmo carro. Os números falam por sí. O torque máximo sobe para 27,5 kgfm a meros 1.600 rpm, o que dá uma relação peso/torque bem melhor, de 49,2 kg/kgfm, fazendo a aceleração de 0 a 100 km/h ser feita em 9,2 segundos.

Some-se a isso o salto de 50 cv na potência máxima, que sai de 120 cv para 170 cv, o que deixou o Duster mais veloz, sendo capaz de atingir 190 km/h, contra 170 km/h das versões com o motor 1.6 SCe aspirado. Logo, quando a questão a desempenho, a diferença entre a versão 1.3 turboflex e a 1.6 aspirada é grande. Pena que o custo financeiro para ir de uma para outra ainda seja tão caro.

O que pode servir de consolo para quem não estiver disposto a arcar com a diferença de preço ente as duas versões é que o consumo das duas é quase igual, conforme os dados do Inmetro. Na cidade, como gasolina, o Duster 1.3 aspirado faz 10,5 km/l e o 1.3 turboflex, 10,8 km/l. Indo para a estrada, ambos fazem 11,5 km/l. Com etanol, são 7,2 km/l do 1.6 aspirado e 7,7 km/l do sobrealimentado em trecho urbano e 8,1 km/l e 8,4, respectivamente, no rodoviário.

Receita bem elaborada

Foto: Divulgação
Por dentro, central multimídia de 8,8 polegadas, bancos de couro e ar-condicionado com regulagem de meio em meio grau

O nível de equipamentos dos dois é igual, exceto a caixa de câmbio CVT, que simula 8 marchas no Duster turbinado e 6 no aspirado. No caso da versão topo de linha Iconic são vários os itens de série, entre os quais luz de ponto cego na ponta do retrovisor, controle do som na coluna de direção, computador de bordo com velocímetro digital, câmera de ré com visão de até 360 graus, controles de tração e estabilidade , ar-condicionado digital com regulagem de meio em meio grau, sistema Start&Stop, faróis auxiliares de neblina, entre outros.

Como se vê, são itens que ninguém poderia imaginar que estariam em um Duster quando o carro foi lançado, há mais de 10 anos. O carro evoluiu bastante nesse período, embora o preço tenha mais do que dobrado. De qualquer forma, a robustez e a capacidade de absorver as irregularidades de piso se mantiveram e até melhoraram um pouco. Passar por lombadas e valetas e pelo piso mal conservado é algo que o SUV tira de letra.

O espaço interno também continua elogiável, levando cinco ocupantes com certa folga, bem como suas respectivas bagagens, com um porta-malas de 475 litros. E no visual pouca coisa muda na linha 2023, como retrovisores e as barras na capota pintadas de preto brilhante , uma nova moldura frontal, nas versões Intense e Iconic que também passa a contar com alargadores de roda e bancos com revestimento premium de série.

Conclusão

A menos que você faça mesmo questão de ter um Renault Duster com desempenho (bem) melhor, não vale a pena pagar os R$ 13.500 a mais de diferença para ter a versão turboflex. O nível de equipamentos na comparação com a Iconic 1.6 Sce é o mesmo, assim como o visual e uma série de outros detalhes.

Ficha Técnica

Renault Duster Iconic 1.3 TCe

Preço: a partir de R$ 135.590

Motor: 1.3, quatro cilindros, turboflex

Potência: 170 cv (E) / 162 cv (G) a 5.500 rpm

Torque: 27,5 kgfm a 1.600 rpm

Transmissão: Automático, CVT , tração dianteira

Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / Eixo de torção (traseira)

Freios: Discos ventilados (dianteiros) / tambores (traseiros)

Pneus: 215/60 R17

Dimensões: 4,38 m (comprimento) / 1,83 m (largura) / 1,69 m (altura), 2,67 m (entre-eixos)

Tanque: 50 litros

Porta-malas: 475 litros

Consumo etanol: 7,7 km/l (cidade) / 8,4 km/l (estrada)

Consumo gasolina: 10,8 km/l (cidade) / 11,5 km/l (estrada)

0 a 100 km/h: 9,2 segundos

Velocidade máxima: 190 km/h