Tamanho do texto

Até carros premium tiveram nota ruim. Organização culpa fabricantes por falta de cuidado no ajuste da iluminação

Teste foi realizado com 31 modelos em estrada sem iluminação.
Reprodução/Insurance Institute for Highway Safety
Teste foi realizado com 31 modelos em estrada sem iluminação.

 “O preço de um carro não é garantia de faróis decentes”. Essa declaração polêmica do Insurance Institute for Highway Safety (IIHS) já te adianta o que lerá nas próximas linhas. A ONG norte-americana criou um teste para avaliar a qualidade dos faróis de 31 carros e o resultado é incrível: apenas um carro foi aprovado, onze foram considerados aceitáveis, nove alcançaram a nota medíocre e dez foram reprovados. Quer mais lenha para a fogueira? Entre os reprovados estão carros de segmentos mais caros, como  Mercedes-Benz  Classe C , Nissan  Altima e Volkswagen  Passat .

O teste é realizado na pista do IIHS, simulando estradas sem iluminação, utilizando carros comprados pela ONG em concessionárias. A pista é equipada com sensores que medem a intensidade da luz dos faróis, tanto na posição baixa quanto na alta. O teste contempla seis situações: reta, curva fechada para esquerda e para direita, curva leve para esquerda e para direita, e ofuscamento. Embora muitos carros venham com ajuste de altura, a quantidade de motoristas que o faz é muito pequena e algumas fabricantes recomendam que não mexam nesse item.

Do lado esquerdo, os faróis do Mercedes-Benz Classe C. Do lado direito, os do Honda Accord. Ambos usam lâmpadas incandescentes.
Reprodução/Insurance Institute for Highway Safety
Do lado esquerdo, os faróis do Mercedes-Benz Classe C. Do lado direito, os do Honda Accord. Ambos usam lâmpadas incandescentes.

Utilizar lâmpadas mais potentes como xenônio e LED no lugar das incandescentes não significa uma melhoria imediata. Se o carro vem bem ajustado de fábrica, é o suficiente para obter um bom resultado. Um exemplo é o caso do Mercedes-Benz Classe C , que foi reprovado pelo instituto, enquanto o Honda Accord foi considerado aceitável – ambos foram testados com faróis comuns.

Sem esse cuidado de ajuste, os faróis podem iluminar menos do que deveriam e, em alguns casos, provocar acidentes por ofuscamento. Esse é um dos motivos que levou à proibição da instalação de lâmpadas de xenônio no Brasil, permitindo apenas veículos que venham com o item de fábrica.

Mesmo a utilização de sistemas mais avançados não é garantia de um bom resultado. O Classe C conta com iluminação adaptativa de curva, que move os faróis para iluminar melhor a estrada enquanto o carro vira. O  Accord com LED e assistente de farol alto obteve a nota medíocre, enquanto a versão equipada com faróis básicos foi considerada aceitável.

A tabela de resultados dos testes. Apenas o Toyota Prius v foi aprovado.
Reprodução/Insurance Institute for Highway Safety
A tabela de resultados dos testes. Apenas o Toyota Prius v foi aprovado.

A intenção do IIHS é dividida em duas partes. A primeira é mostrar ao governo norte-americano que é necessário criar um regulamento específico para iluminação automotiva, no lugar das regras atuais que permite uma variação muito grande de resultados. E a segunda é incentivar as fabricantes a dar mais atenção aos faróis. Considerando que segurança é um item muito importante para os americanos na hora de comprar um carro, os resultados vão obrigar as marcas a tomar mais cuidado, para tentar aumentar a nota no próximo teste.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.