Mas vai levar mais um tempo para o SUV, rival do Honda HR-V e companhia, estrear no País. Previsão é que o carro chegue apenas em 2018

Toyota C-HR está entre os modelos expostos no Salão de Detroit. Nos EUA, já vai começar a ser vendido
André Jalonetsky/iG Carros
Toyota C-HR está entre os modelos expostos no Salão de Detroit. Nos EUA, já vai começar a ser vendido

Enquanto a Toyota vai ensaiando a chegada do SUV C-HR ao Brasil, o que deverá acontecer apenas em 2018, o carro é apresentado no Salão de Detroit (EUA) do jeito que deverá ser vendido no Brasil, com motor 2.0 flex, de 141 cv, que funciona com câmbio automático CVT, mesmo conjunto mecânico que equipa atualmente o sedã Corolla.

LEIA MAIS: Toyota CH-R, rival de Honda HR-V e companhia, é revelado por completo

No mercado americano, o modelo está prestes a chegar às lojas nas versões XLE e Premium XLE, versão topo de linha que vem com itens sofisticados, como multimídia com tela sensível ao toque de 7 polegadas e dispositivos de segurança como alertas de mudança indevida de faixa e de colisão.

LEIA MAIS: Toyota C-HR chega ao Japão pelo equivalente a R$ 72.900

Depois que a Toyota do Brasil inaugurou um novo centro de pesquisa e desenvolvimento, em São Berrnando do Campo (SP), em setembro do ano passado, aumentaram as chances do C-HR ser fabricado no País. Isso porque passou a ser possível adotar novos projetos para o mercado brasileiro.  Entre os mais cotados estão o do híbrido Prius, que é fabricado sobre a mesma base TNGA (Toyota New Global Architecture) do C-HR, modelo que tem entre os principais rivais o Honda HR-V.

Mais detalhes sobre o rival do HR-V

SUV  chama atenção pelo estilo arrojado, seguindo o estilo do protótipo que esteve no Salão do Automóvel, em São Paulo
André Jalonetsky/iG Carros
SUV chama atenção pelo estilo arrojado, seguindo o estilo do protótipo que esteve no Salão do Automóvel, em São Paulo

Assim que apareceu como protótipo, o C-HR impressionou pelo estilo arrojado a ponto de duvidarem que a versão de produção seguiria as linhas da conceitual. Mas, apesar do arrojo do desenho externo, o interior do modelo mantém um padrão mais conservador. Um dos únicos toques de ousadia fica por conta da linha azul que atravessa o painel e passa pelos contornos da tela do sistema multimídia.

LEIA MAIS: Toyota Prius mostra que híbridos podem conquistar o Brasil

Em contrapartida, o carro pode receber uma série de equipamentos, como sistema de som de alta-fidelidade com 9 alto-falantes, janelas traseiras escurecidas, bancos aquecidos e partida keyless por botão. E entre as opções de personalização há como incluir o chamado teto flutuante, de cor diferente do restante da carroceria.