Modelo esportivo roubou a cena durante o Salão do Automóvel de 1978. Confira o vídeo!

O Brasil mudou muito em duas décadas. Durante os anos 60, 70 e 80 a molecada modificava carburação, rodas e usava a chamada gasolina azul (de maior octanagem) para garantir um pouco mais de desempenho nos "rachas" de fim de semana. A Dacon, sucesso nas pistas, fabricava modelos de sonho, como saudosos modelos como Fusca e Karmann-Ghia, todos equipados com o motor do Porsche 356. Nesse contexto, surge o Puma GTB.

LEIA MAIS: Chevrolet Monza S/R: versão esportiva marcou fim de uma época

Naquela época a Puma se destacava, com modelos que chamavam a atenção pela rua e traziam diferenciais estéticos e mecânicos. O Puminha (GT, GTE e GTS) já fazia sucesso quando a marca apresentou seu irmão mais velho, o Puma GTB , que para muitos passou a significar mais exclusividade.

Aliás, o diferencial do modelo fez dele um dos carros mais caros do Brasil. O estilo do primeiro GTB fazia alusão aos muscle cars , com a frente quadrada onde se destacavam os dois faróis. A traseira, por outro lado, trazia lanternas grandes e bem pronunciadas.

Hoje vamos falar da segunda geração, conhecida pela sigla S2. O esportivo foi apresentado no “Salão do Automóvel” de 1978 e roubou a cena e a atenção dos visitantes. O maior destaque era a nova carroceria, com traços modernos, e os quatro faróis.

Do lado de dentro podemos encontrar um acabamento sóbrio, mas com muito luxo. Se itens como ar-condicionado e vidros elétricos são comuns hoje em dia, no final dos anos 70 eram artigo de luxo. Mas no Puma vinham de série. E isso custava – bem – caro.

Debaixo do capô a solidez da mecânica Chevrolet, com o conceituado motor 250S. O 4.1, de seis cilindros que recebeu inúmeras receitas de preparação ao longo dos anos, chegando nos 171 cv e 32,5 kgfm de torque. Isso, aliado ao fato de pesar 200 kg a menos do que o Opala, fazia do GTB um carro bastante ágil.

LEIA MAIS: Envemo Super 90: a melhor réplica do mundo é brasileira

Por essa razão seus dados de desempenho permanecem atuais hoje em dia. Em outubro de 1979 a Revista Quatro Rodas testou o modelo e obteve números interessantes. O 0 a 100, por exemplo, era coberto em 11,8 segundos e a velocidade máxima de 177 km/h.

Rugido

Puma GTB S2
Divulgação
Puma GTB S2

Rodando o GTB mostra a que veio. Basta uma cutucada no acelerador em uma entrada de curva para provocar o felino, que sai de lado e deixa sua marca no asfalto. A transmissão é um dos pontos fortes, com engates precisos e boa ergononomia para as trocas, apesar do espaço reduzido entre os pedais.

LEIA MAIS: Chevrolet Opala SS: esportivo marcou época até início dos anos 80

No começo da década de 80 a fábrica da Puma sofreu um alagamento e isso, somado a outros fatores financeiros, fez com que decretasse a falência. Alguns anos mais tarde, em 1986, o Puma GTB voltou, mas sem o mesmo sucesso. O modelo ainda teve uma curta sobrevida com a AMV e deixou definitivamente o mercado, mas com um dos slogans mais bem bolados da publicidade automotiva: Puma, o privilégio autenticamente brasileiro.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.