Tamanho do texto

Com nova funcionalidade, plataforma deve levar a uma economia de tempo, de acordo com o CESVI, Centro de Experimentação e Segurança Viária

De acordo com o CESVI, 70% das colisões no mundo acontecem a menos de 35 km/h, o que requer orçamentos mais rápidos
Divulgação
De acordo com o CESVI, 70% das colisões no mundo acontecem a menos de 35 km/h, o que requer orçamentos mais rápidos

O CESVI (Centro de Experimentação e Segurança Viária da Mapfre) anuncia o lançamento de sua nova plataforma Smart de orçamentos, que agiliza o processo de reparação através de informações simples.

LEIA MAIS: Seguro: veja os valores dos 10 carros mais vendidos do Brasil. 

A nova plataforma do CESVI pode ser utilizada tanto por orçamentistas de oficinas, quanto reguladores de sinistro do mercado de seguros. Os dados são pautados pela frequência de ocorrências por um algoritmo. Por exemplo: após uma vistoria sobre as condições do veículo sinistrado, o regulador pode acessar o Smart e selecionar quais partes do veículo foram afetadas em um vetor simples.

LEIA MAIS: Segurança: Como carros ficaram mais seguros em 20 anos

Ganhando tempo

A partir das informações concebidas, o sistema traça a sugestão das peças a serem trocadas. O usuário não precisa informar o estado de cada componente, pois o sistema é capaz de identificar as condições apenas com o laudo do mecânico. Em outras palavras, a plataforma entende que uma colisão que abrange apenas o paralama e parachoque dificilmente comprometeria a suspensão, por exemplo. Um sinistro que afeta parachoque, paralamas, capô e portas dianteiras, por outro lado, traria um laudo totalmente diferente sobre as peças a serem substituídas e reaproveitadas a partir da gravidade da colisão. Vale dizer que o mecânico tem total autonomia para incluir ou remover itens da lista gerada pelo algoritmo do Smart. 

Com a utilização de um vasto banco de dados, o sistema Smart traz informações sobre quase 14 mil veículos em mais de mil variações distintas de colisões. O sistema também é atualizado conforme as montadoras alteram os preços dos componentes originais, portanto, sem surpresas na hora que mais pesa no bolso.

LEIA MAIS: Projeto de lei quer incluir crash-test no Brasil

O CESVI é responsável por testar e catalogar cada modelo distinto, interpretando a fragilidade de componentes em baixa velocidade. Os testes são feitos a 15 km/h, com colisões traseiras, dianteiras e laterais. Após o crash-test, o centro de pesquisa analisa cada peça, catalogando tempo de reparo e dificuldade de mão de obra. De acordo com Almir Fernandes, diretor executivo do CESVI Brasil/Mapfre, 70% das colisões no mundo acontecem a menos de 35 km/h, com um grande índice de reparabilidade.  As seguradoras que já utilizam o serviço, como Tokio Marine e Mitsui, não terão que pagar pela nova funcionalidade Smart. A intenção do CESVI Brasil/Mapfre é garantir o ganho comercial na expansão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.