Tamanho do texto

Lista inclui modelos que saíram da linha de montagem das principais fabricantes, em várias épocas, até os dias atuais

Não é à toa que os interiores dos carros têm se tornado cada vez mais importantes. Os longos congestionamentos acabam obrigando a ficar um bom tempo dentro do carro. Portanto, além de confortável, o visual agradável e a ergonomia perfeita têm merecido bastante atenção nos projetos das fabricantes. A questão da conectividade, com centrais multimídia sofisticadas, também está na ordem do dia nos estúdios de estilo. Mas, nem sempre conseguem chegar a interiores que agradam. Confira abaixo 5 exemplos dos painéis mais feios que se tem notícia.

LEIA MAIS: Confira 5 carros que saíram de linha, mas você nem percebeu !

1- Toyota Etios

Toyota Etios 2017: o painel é funcional, mas menos emocionante que muitos dos carros vendidos no Brasil
Divulgação
Toyota Etios 2017: o painel é funcional, mas menos emocionante que muitos dos carros vendidos no Brasil

Seu interior é minimalista, ou seja, todos os recursos são fáceis de localizar e acessar. Porém, a questão da redução de custo do projeto acabou prejudicando a estética e a ergonomia do carro por dentro, inclusive do painel . Vale lembrar que o modelo da Toyota foi concebido para ser vendido em países emergentes, como a Índia e o Brasil, e a questão do baixo custo foi primordial.

Entretanto,  o hatch tem um das melhores  realçõs entre custo-benefício do segmento no Brasil e foi recebendo melhorias com o tempo. Tem um público fiel, atraído pela robustez do compacto que também tem custos acessíveis de manutenção e boa agilidade. Oferecido a partir de R$ 46.650, o modelo da base da linha até que vem bem equipado e o 1.5 Platinum, de topo, oferece opcionais muito interessantes, deixando o compacto da marca bem completo para sua categoria.

LEIA MAIS: Saiba quais são os 5 carros 1.0 mais econômicos vendidos no Brasil

2- Lifan 320

Lifan 320: o painel do chinês parece um palhaço, pelo posicionamento de suas partes e o Mickey Mouse, nos mostradores
Divulgação
Lifan 320: o painel do chinês parece um palhaço, pelo posicionamento de suas partes e o Mickey Mouse, nos mostradores

Mais um mal-afortunado da saga dos clones de carros. Nem os automóveis escapam dos impiedosos chineses quando vão servir de inspiração para suas “próprias criações”. O Lifan 320 que foi vendido no Brasil, o parasita espiritual do Mini Cooper, não seguiu com o exclusivo design de interior do hatch inglês e optou por, ao invés disso, tentar seu próprio desenvolvimento.

O baixo número de vendas tirou o carro-chefe da Lifan de linha em 2013, com vendas registradas ainda em 2014. Como muitos chineses, zerou testes de segurança, como o Latin NCAP, além das peças de reposição demorarem para chegar (às poucas concessionárias existentes) após a encomenda.

LEIA MAIS: Conheça 5 carros bons que têm pouca procura nas lojas no Brasil

3- Fiat Multipla

Fiat Múltipla: a sopa de instrumentos italiana que segue uma desastrosa receita no seu painel
Divulgação
Fiat Múltipla: a sopa de instrumentos italiana que segue uma desastrosa receita no seu painel

Se houvesse um medidor de esquisitice neste site, o caso do Multipla mereceria destaque.  O mostrador, que concentra todos as luzes de aviso do carro, está junto aos seletores do ar-condicionado, integrados aos instrumentos do painel, ao lado das saídas de ar e logo acima do câmbio. Juntos e misturados em um desenho esquisito de interior, recebe uma cor padrão roxa para a superfície do painel (que está suspenso na cabine), prata para o seu miolo e bege na parte de baixo. Ufa!

Curiosamente, a minivan foi um sucesso na Europa entre os anos de 1999, o início de sua produção e 2010, quando a última unidade saiu da linha de montagem. Procurado principalmente por taxistas e famílias que precisavam de bastante espaço interno, o carro era uma opção versátil e seus custos de manutenção um dos mais baratos da categoria, já que muitas peças partilhavam com mais lideres de venda da marca, como o Fiat Brava, vendido também no Brasil entre os anos de 1999 e 2003.

4- Citroën DS21

Citroën DS21: futurista, mas bizarro, o painel do carro francês de luxo devia dar desgosto à
Divulgação
Citroën DS21: futurista, mas bizarro, o painel do carro francês de luxo devia dar desgosto à "Classe A" francesa

Apesar de ser uma marca bastante engajada no design harmônico e moderno, nenhuma das duas qualidades vale. Futurista, mas bizarro, o volante de um raio só é desnecessário e a manopla do câmbio “enfiada” em cima da caixa de direção, não torna seu manuseio mais fácil (pelo menos não o suficiente para justificar a perda de harmonia dos comandos do carro). De resto, não há nada que salve o interior de cair nessa lista. 

O carro é aerodinâmico e tem um estilo executivo, com linhas futuristas no exterior e sistemas mecânicos avançados para a sua época (foi o primeiro carro de produção a ser equipado com freios a disco e, além disso, tinha sistemas hidráulicos na direção, transmissão, suspensão e embreagem). O resultado é um conforto absoluto ao dirigir. Para os DS 21, modelo do volante que não condiz com o carro (com carro nenhum, na verdade), havia o opcional de transmissão automática de 3 marchas.

5- Cadillac Allanté

Cadillac Allanté painel desenvolvido pela bem sucedida Pininfarina mostra que até os bons podem errar
Divulgação
Cadillac Allanté painel desenvolvido pela bem sucedida Pininfarina mostra que até os bons podem errar

Quem melhor na hora de proporcionar luxo e requinte nos interiores de carro do que os americanos? Carros grandes em tamanho de carroceria, motor, consumo elevado e outros exageros.  A Cadillac, junto a outras empresas, sempre foi uma das maiores referências para o american way of life.  Após a crise do petróleo, parte da “magia” dos carros exagerados que produziam, perdeu-se. Com isso, versões polêmicas de esportivos surgiam, bem como modelos de luxo diminuídos em tamanho em relação aos antecessores e, também, outros como o Cadillac Allanté, cujo interior era um grande clichê dos anos 80.

Projetado pelo estúdio de design italiano Pininfarina, responsável pelos desenhos da alguns esportivos da Ferrari, nem a consagrada empresa saiu ilesa das tendências estranhas dos anos 80. O painel do conversível tem mais botões do que uma nave espacial. Seu volante tentava, assim como o console e a alavanca do câmbio automático, dar um aspecto futurista, mas não embelezavam o carro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.