Tamanho do texto

Sedã resiste em sair de linha no País e passa a ter apenas duas versões com boa distância livre do solo para ajudar a enfrentar obstáculos pelo caminho

Mitsubishi Lancer: já no fim do ciclo, sedã sobrevive no Brasil com apenas duas versões com boa distância livre do solo
Divulgação
Mitsubishi Lancer: já no fim do ciclo, sedã sobrevive no Brasil com apenas duas versões com boa distância livre do solo

A volta dos que não foram nunca foi tão literal. O Mitsubishi Lancer volta a aparecer no portfólio do site da marca após alguns meses de ausência. O modelo, entretanto, nunca chegou a sumir de vez das concessionárias. Conforme apurado por nossa reportagem, o sedã voltou a ser produzido em Catalão (GO) e o faturamento para as concessionárias começou nesse mês de dezembro.

LEIA MAIS: Toyota Corolla é o sedã médio mais vendido de novembro

O Mitsubishi Lancer volta a ser anunciado nas versões HL, por R$ 74.990, e HL-T topo de linha, por R$ 79.990. A mecânica continua a mesma: motor 2.0, aspirado, a gasolina, que entrega 160 cv e 20,1 kgfm de torque, aliado ao câmbio automático CVT, que pode simular seis marchas . De série, o sedã integra sistema multimídia, volante com p addle-shifts , controles de áudio e controlador da velocidade de cruzeiro ("piloto automático") e banco do motorista com ajuste de altura. A versão topo de linha HL-T estreia com bancos de couro e nova central multimídia com Apple CarPlay e Android Auto (permitindo compatibilidade com o aplicativo de navegação Waze).

Visto de frente, é possível notar que a distância livre do solo ajuda a enfrentar valetas, lombadas e demais obstáculos
Divulgação
Visto de frente, é possível notar que a distância livre do solo ajuda a enfrentar valetas, lombadas e demais obstáculos

Apesar do site da marca descrevê-lo como “um sedã que está além do seu tempo”, o Mitsubishi Lancer já está no portfólio da marca há dez anos, acumulando apenas mudanças discretas. A mais criticada surgiu no começo de 2015, quando a Mitsubishi optou por retirar as entradas de ar mais agressivas da dianteira para colocar outras, bem mais discretas embutidas no para-choque.

LEIA MAIS: Toyota Corolla Altis é exemplo a ser seguido pelos rivais

Faça o teste e reserve um tempo para entrar no site da Mitsubishi. Você verá como a linha Lancer foi passada para segundo plano. Na seção veículos, o sedã aparece depois de picapes, SUVs e crossovers e carros para frotistas. Isso não acontece por acaso, pois o foco da Mitsubishi mudou durante os últimos anos.

A vez dos SUVs

Mitsubishi Eclipse Cross: chegada ao Brasil está com a chegada confirmada ao Brasil a partir do início do ano que vem
Divulgação
Mitsubishi Eclipse Cross: chegada ao Brasil está com a chegada confirmada ao Brasil a partir do início do ano que vem

Lembra do Eclipse, o esportivo que te fazia suspirar em meados dos anos 90 e no começo da década passada? Pois é, o carro retornará ao Brasil em breve, mas não do jeito que ficou eternizado em nossas memórias. Para ocupar a lacuna que existe entre ASX e Outlander,  abandona a carroceria cupê para aparecer na forma de SUV.

LEIA MAIS: Sedãs médios: confira quais são os mais econômicos vendidos no Brasil

Dessa vez, o Mitsubishi Eclipse Cross virá ao mercado brasileiro para competir no segmento dos SUVs médios, como Jeep Compass, Kia Sportage e Volkswagen Tiguan. As linhas marcantes da carroceria abandonam o estilo fluido e elegante que normalmente esperaríamos de um Eclipse. O Cross aparece com linhas robustas e musculosas, reforçando suas características de SUV urbano.

A parte de trás, entretanto, segue um design próprio. As luzes atravessam o vidro traseiro, criando uma divisão interessante. Interior moderno e com console central que divide o espaço em dois. Aspecto esportivo está entre os destaques do carro.

Com o Mitsubishi Eclipse Cross, não será a primeira vez que a “suvização” que acontece no mundo todo faz a marca japonesa mudar completamente os seus conceitos sobre um carro. O Mitsubishi Lancer EVO, que encantou gerações de entusiastas da velocidade, deu adeus ao mercado global em 2015. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.