Tamanho do texto

Apelidado de "O matador de gigantes", o exemplar da Porsche é uma das únicas 40 unidades do icônico 550A Spyder, vencedor de muitas corridas

Porsche 550A Spyder 1958: o
Divulgação
Porsche 550A Spyder 1958: o"vovô" das pistas não poderia comemorar melhor 60 anos de uma longa história

Os entusiastas automotivos vão à loucura com o novo recorde que atinge, no leilão Bonhams’ em Scottsdale (EUA), um exemplar 550A Spyder do ano de 1958. O valor do Porsche, arrematado por R$ 16.647.400, é quase o dobro do atingido pela Ferrari Daytona Spyder - igualmente rara e o  segundo carro mais valioso do evento - que sai por R$ 8.500.800. O motivo? O alemão da velha guarda é um premiado corredor, vencedor de provas em Reims (França), Zandvoort (Holanda) e a temida Nürburgring (Alemanha), bem como conta com uma 2ª colocação em Le Mans, perdendo para um rival com motor duas vezes maior e com três vezes mais potência, a Ferrari 250 Testa Rossa. Nada mal para um carro com “motor de Fusca”, de 1500 cc e 110 cv, não?

LEIA MAIS: Ford Mustang Shelby vai a leilão e deve ser arrematado por quase R$ 1 milhão

Modelos clássicos da Porsche são valiosos, mas dificilmente chegam ao patamar do preço de uma Ferrari nas casas de leilão dos Estados Unidos; quem dirá dobrá-lo. Entretanto, o 550A Spyder reúne uma legião de fãs tanto quanto outros ícones da marca, tal como o 917, que já passou pelas mãos do ator e piloto Steve Mcqueen, nos anos 70, e foi o Porsche mais caro de todos já vendido em leilão (R$ 45 milhões). O “senhor” de 60 anos de idade encanta por sua concepção simples e resgata o glamour dos tempos que, para muitos, são “dourados”, quando se pensa em corridas e automobilismo.

LEIA MAIS: Ferrari Daytona raríssima é encontrada no Japão, depois de 40 anos

O lendário 917

Eis um dos Porsche mais agressivos já produzido para as pistas, com direito, ainda, às telas do cinema
Divulgação
Eis um dos Porsche mais agressivos já produzido para as pistas, com direito, ainda, às telas do cinema

Conhecido por ter sido dirigido no clássico do cinema “Le Mans”, de 1971, o 917 restaurado em 2001 foi vendido no ano passado, em Pebble Beach, na Califórnia (EUA), por impressionantes US$ 14 milhões (ou quase R$ 45 milhões). O valor é considerado justo, mas ainda contrariou algumas expectativas de que ultrapassasse os R$ 50 milhões. Seu motor é um boxer arrefecido a ar, de 12 cilindros e 4,5 litros, que produz nada menos que 580 cv. A traseira do Porsche de Steve Mcqueen era ajustável, permitindo que a equipe escolhesse entre baixo arrasto ou mais pressão aerodinâmica. Além disso, sua suspensão era do tipo duplo wishbone nas quatro rodas, que contava com molas de titânio, material bastante complexo - logo, caro - para ser usinado.

LEIA MAIS: Um dos primeiros Alfa Romeo vai a leilão e pode sair por volta de US$ 1,5 milhão

Muitas são as raridades apresentadas no leilão de Bonhams. Carros que sobreviveram às Guerras Mundiais, modelos icônicos, que sequer foram vendidos, super exclusivos e, além disso, pouquíssimo produzidos, como o caso do exemplar Porsche 550A Spyder, ícone das pistas com somente 40 unidades produzidas ha 60 anos. Os grandes leilões americanos atraem um enorme público de todo o mundo e movimentam centenas de milhões de dólares todo o ano, além de serem grandes eventos automotivos, pois só neles é possível ver os mais raros (e caros) veículos que existem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.