Tamanho do texto

Serão feitos com as especificações originais e completarão um total de 100 unidades produzidas, somando com as que saíram da fábrica ha 62 anos

A Jaguar reinicia a produção do D-Type, com quantidade pré determinada de apenas 25 carros. Feitos de acordo com as especificações originais, a série limitada é o complemento de uma ambição original da empresa que, em 1955, planejou a fabricação de 100 unidades do modelo, das quais apenas 75 foram finalizadas há 62 anos, em 1956. A primeira unidade, das novas 25, é apresentada durante o salão Retromobile, em Paris (França).

LEIA MAIS: Um dos primeiros Alfa Romeo vai a leilão e pode sair por volta de US$ 1,5 milhão

Jaguar D-Type: Sua volta vem para saudar o campeão britânico raiz das pistas de corrida
Divulgação
Jaguar D-Type: Sua volta vem para saudar o campeão britânico raiz das pistas de corrida

O Jaguar foi desenvolvido durante 18 meses, a partir de janeiro de 1953, enquanto seu antecessor ainda fazia sucesso nas pistas. Foi só entre 1955 e 1957 que venceu, as três vezes, uma das mais famosas corridas de todos os tempos, as 24 horas de Le Mans. Entretanto, antes de ter sido usado em corridas, foi modificado para poder ser vendido para campeonatos nos EUA em categorias de veículos de produção. Para isso, ganhou banco de passageiro, para-brisa e limpadores, pára-choques, capô, janelas laterais e uma segunda porta. Assim, ganhou permissão para rodar legalmente pelas ruas e recebeu o novo nome de XKSS.

LEIA MAIS: Ferrari Daytona raríssima é encontrada no Japão, depois de 40 anos

Sucesso nos leilões

Um Jaguar D-Type conversível, de dois lugares, foi vendido por R$ 70 milhões em agosto de 2016 em um leilão da RM Sotheby’s, em Monterrey (EUA), tornando-se o automóvel britânico com preço arrematado mais alto na história. O esportivo tem um motor 3.4 (seis cilindros em linha), com 235 cv e 33,4 kgfm a 4.000 rpm. Segundo a sua marca, o carro vai de 0 a 100 km/h em 4,7 segundos e pode atingir a velocidade final de 280 km/h na forma de capota fechada ou 261 km/h sem o teto. Antes disso, o carro inglês mais caro a ser vendido em um leilão era um Aston Martin DB4 GT Zagato 1963, arrematado por US$ 14,3 milhões, ou R$ 47,2 milhões, em uma conversão simples.

LEIA MAIS: Rara Ferrari F40 de Eric Clapton está à venda por mais de US$ 1 milhão

Segundo a Jaguar, os clientes interessados poderão, inclusive, escolher o tipo de carroceria entre a de nariz curto, feita em 1955, e a de nariz alongado, produzida em 1956.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.