Tamanho do texto

As principais novidades do SUV serão uma versão híbrida, novos equipamentos no interior, design e até sistema de condução semi-autônomo

Renault Captur: atual geração produzida no Brasil mantém desenho moderno, mas a nova já está a caminho na Europa
Divulgação
Renault Captur: atual geração produzida no Brasil mantém desenho moderno, mas a nova já está a caminho na Europa

O Renault Captur, lançado no Brasil em fevereiro do ano passado, terá uma nova geração em 2020, informa a revista francesa L´Argus. Ainda de acordo com a publicação, em função da parceria com a Nissan, utilizará a mesma plataforma que equipará o próximo Juke, bem como o Renault Zoe, que terá versões híbrida e elétrica. Após alguns flagras, nota-se que o SUV francês se assemelha ao Clio Estate vendido na Europa. Por lá,  o carro chega às lojas no segundo semestre do ano que vem, depois de ser apresentado no Salão de Frankfurt (Alemanha).

LEIA MAIS: Renault Captur 1.6 CVT se revela a melhor face do SUV compacto
O novo Renault Captur  será oito centímetros maior, crescendo dos 4,12 m atuais para cerca de 4,20 m. Segundo o que se sabe até agora, isso vem para oferecer mais espaço e conforto às costas e ao tronco dos passageiros. Além disso, tal como o Clio europeu, o painel do SUV será recheado por instrumentação digital e uma tela sensível ao toque (dependendo do acabamento da versão), ambos agrupados na forma de L. Por fim, como outra grande novidade, virá com modo de condução semi-autônomo.

LEIA MAIS: Veja 5 motivos para comprar o novo EcoSport. E 5 razões para fugir dele

Mecância

Na Europa, o novoCaptur receberá um motor 1.0, de três cilindros, com cerca de 100 cv, como derivado do 1.3, de 130 cv e 160 cv, dependendo da versão. Já a opção a diesel, tem 1.5 litro e duas opções de potência: 85 cv e 115 cv. Por fim, a maior novidade: o conjunto híbrido  recarregável, que inclui um motor 1.6, de 120 cv.

LEIA MAIS: Conheça 5 SUVs que chegarão ao Brasil até o segundo semestre de 2018

A Renault afirma que o câmbio CVT será recalibrado para uma melhor eficiência do conjunto mecânico, visando um consumo de combustível ainda menor e mais suavidade ao rodar. Além disso, também estará disponível, no caso da versão híbrida, o novo sistema de transmissão parecido com uma caixa de dupla embreagem, mostrado pela primeira vez no protótipo Eolab, em 2014, e que foi projetado para funcionar em conjunto com um motor elétrico.

Porém, em vez de contar com três marchas, como na versão conceitual, o modelo que será produzido em série terá uma marcha a mais, ou seja, quatro. Mas  o Captur híbrido deverá estar disponível primeiramente apenas no mercado europeu. No Brasil, além da questão da infraestrutura, ainda existe a necessidade de haver incentivos fiscais para que o preço do carro fique competitivo em relação aos dos rivais. 

Por aqui, o Renault Captur é vendido com motor 1.6, de 120 cv de potência e 16,2 kgfm de torque, e outra opção mais potente 2.0, de 148 cv e 20,9 kgfm. Apesar de competir em um dos segmentos mais quentes do mercado brasileiro, o Captur ainda não viu suas vendas emplacarem. É apenas o sétimo carro mais vendido do segmento, aparecendo abaixo de Honda HR-V, Nissan Kicks, Hyundai Creta, Jeep Renegade, Ford EcoSport e Chevrolet Tracker. Vale dizer que o modelo também acaba competindo em preços com seu irmão menos refinado, o Renault Duster. 

Fonte:  L´Argus

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.