VW Amarok arrow-options
Divulgação
Nova VW Amarok ainda está na fase dos esboços, que por sua vez dará início ao desenvolvimento do conceito

Depois do Nivus, a VW revelou a primeira imagem da nova Amarok. Devido à aliança com a Ford, a picape vai compartilhar uma série de componentes com a Ford Ranger, incluindo o próprio motor. Vale lembrar que os novos furgões Caddy e Transit também irão compartilhar componentes. Pela imagem é possível identificar que a VW Amarok continuará com uma identidade própria, marcada pelos traços retilíneos e elementos da grade do radiador avançando sobre os faróis de LED. Tem previsão de chegar no final de 2021, já como linha 2022.

LEIA MAIS: VW Nivus surge quase por inteiro em imagem inédita

O esboço da nova VW Amarok revela inspirações mais evidentes no universo off-road. Isso porque chega com pneus de desenho arrojados e para-choques mais robustos. A linha de cintura é bastante alta e os vidros trazem vincos que os contornam como na atual caminhonete.

LEIA MAIS: Aguardado no Brasil, VW Tarek já é produzido na Argentina

VW Amarok arrow-options
Divulgação
Visual fica mais robusto, com linhas agressivas, pára-choques mais protuberantese cintura alta

Por outro lado, as maiores novidades para a nova Amarok estarão nas novas opções de motores, que podem incluir os 2.2 e 3.2 turbodiesel de até 200 cv da Ford Ranger . Enquanto isso, é capaz que a picape da Ford ganhe o V6 biturbo da alemã, capaz de atingir os 272 cv, algo que poderia ser até uma alternativa para a nova geração da versão Raptor.

LEIA MAIS: VW T-Cross lidera vendas de SUVs no mês. Veja os 10 primeiros

Uma certeza é a adoção de tecnologias inéditas para a VW Amarok , como frenagem automática de emergência e controlador de velocidade adaptativo, já presentes na “irmã-rival”. A Volkswagen também irá adicionar quadro de instrumentos digital e o novo sistema multimídia VW Play, que irá estrear no Nivus.

Vale ressaltar que o projeto da picape média foi dividido da seguinte forma: a Ford fará seu modelo para Europa, África, Oriente Médio, região Ásia-Pacífico e América do Sul. Ou seja, o Brasil terá as duas versões do modelo.

    Veja Também

      Mostrar mais