Honda City ganha aparência de Civic em sua nova geração, que será produzida em Itirapina (SP)
Divulgação
Honda City ganha aparência de Civic em sua nova geração, que será produzida em Itirapina (SP)

Com a alta nos preços dos sedãs médios, os modelos compactos ganharam espaço no mercado brasileiro. A categoria evoluiu muito ao longo da última década, com modelos que entregam nível de equipamentos, sofisticação e desempenho dignos de segmentos mais caros. Mas no meio de tanta competitividade, é normal um ou outro ficar defasado na comparação com os rivais.

Este foi o caso do Honda City . Enquanto a maioria dos concorrentes já conta com motor turbo, controle de estabilidade e tração e recursos de tecnologia como carregador de celular por indução ou cluster 100% digital, o sedã compacto montado em Sumaré (SP) ficou parado no tempo.

A Honda tem urgência para lançar a nova geração do modelo no Brasil. Se não fosse pela pandemia causada pelo coronavírus, o Novo City teria sido atração do Salão do Automóvel de 2020. Com as dificuldades impostas pelo distanciamento social, sua apresentação foi postergada para 2021.

O modelo já estreou em mercados importantes para a Honda, como Tailândia e Índia. O Brasil é o próximo país na fila, mantendo a produção local – dessa vez em Itirapina (SP) – para que o sedã compacto seja adaptado ao gosto tupiniquim.

O Novo City

Ainda que o City seja um carro global, o modelo nacional será bem diferente das versões asiáticas em suas proporções. Na Índia, o sedã tem 4,54 metros de comprimento, 1,74 m de largura, 1,48 m de altura e entre-eixos de 2,60 m. Na comparação com a versão tailandesa, ele é 4 mm mais curto e 22 mm mais alto.

Logo, também podemos esperar por um Honda City com proporções distintas para o mercado brasileiro. A boa notícia é que os veículos lançados por aqui costumam ser os maiores do mundo quando comparados com as versões lançadas na Europa, China e Sudeste Asiático. O mesmo acontece com Chevrolet Onix Plus, VW T-Cross e outros modelos globais, que são mais curtos em partes do mundo.

Conjunto mecânico

A mecânica do City brasileiro continua sendo seu grande mistério, uma vez que o sedã compacto também tem propulsores distintos na Ásia. A Índia recebeu o motor 1.5 i-VTEC de 121 cv a 6.600 rpm e 14,78 kgfm a 4.300 rpm, que pode funcionar em conjunto câmbio manual de seis velocidades ou automático do tipo CVT.

O modelo tailandês ganhou o primeiro motor 1.0 turbo de três cilindros da história da Honda, desenvolvendo 122 cv a 5.500 rpm e 17,6 kgfm entre 2.000 e 4.500 rpm. Esta será a base para o motor do novo Honda City nacional, que será mais veloz que os irmãos asiáticos por conta da adaptação para rodar no etanol. O câmbio também é do tipo continuamente variável, simulando 7 marchas.

Você viu?

Ainda não é certo se o novo motor 1.0 turbo será utilizado em toda a linha do Novo City ou se a Honda deverá manter o motor 1.5 aspirado do modelo atual nas versões mais em conta.

A formatação do Novo City na Ásia aponta que o modelo terá suspensão independente na dianteira e eixo de torção na traseira, com nova tecnologia para redução de atrito. Os freios devem manter o padrão atual, com discos ventilados na dianteira e tambores na traseira.

Mais seguro e tecnológico

Além de controle de estabilidade, o Honda City 2022 terá seis airbags como itens de série
Divulgação
Além de controle de estabilidade, o Honda City 2022 terá seis airbags como itens de série

O Honda City que chegará ao Brasil em 2021, provavelmente como modelo 2022, poderá contar com seis airbags (frontais, laterais e cortina) como equipamentos de série, se seguir a receita dos irmãos orientais. Assistências eletrônicas, como controles de estabilidade e tração, enfim, estarão presentes no sedã.

Ainda no pacote de segurança, o City nacional terá monitoramento de pressão dos pneus, faróis com assinatura em LED, assistente de partida em rampa e auxílio eletrônico de permanência em faixa.

Na parte de conforto e sofisticação, o novo City é aguardado com central multimídia de oito polegadas com pareamento Android Auto e Apple CarPlay.

Versão hatchback

A nova geração do City surge com uma grata surpresa. A Honda, enfim, terá um hatch compacto para concorrer diretamente com Chevrolet Onix , VW Polo e Fiat Argo . Atualmente, o único modelo da fabricante com valores compatíveis com estes veículos é o Fit . A Honda, entretanto, não entende que o monovolume é concorrente direto dos hatches compactos.

O novo Honda City hatch começa a ser vendido primeiros em mercados asiáticos, onde estará disponível em três versões (S+, SV e RS). A frente é identica à do novo City Sedan. Entre os destaques estão os novos faróis de LED, além de itens que dão um certo aspecto esportivo ao carro, como os novos para-choques e o capô abaulado.

Na traseira, chamam atenção as lanternas traseiras de LED, que seguem o novo padrão de estilo adotado pela Honda nos próximos lançamentos, o que pode ser visto na versão conceitual do novo Civic mostrada nos EUA e e que antecipa como ficará o modelo a ser produzido em série. Além disso, a antena do novo Honda City hatch é do tipo tubarão e o defletor de ar também ajuda na esportividade.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários