A MAN iniciou os testes com caminhão elétrico e-Delivery para entregas urbanas e tem a Ambev como parceira no projeto
Divulgação
A MAN iniciou os testes com caminhão elétrico e-Delivery para entregas urbanas e tem a Ambev como parceira no projeto

A Anfavea (Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores) elaborou um estudo sobre o processo de descarbonização do setor automotivo brasileiro em parceria com a consultoria BCG (Boston Consulting Group). Os dados revelam que apenas a adesão de biocombustíveis e o aumento da frota eletrificada não serão suficientes para garantir um ecossistema mais sustentável.

Segundo a entidade, a redução na emissão de gases tóxicos passará pela retirada de veículos mais antigos de circulação ao longo desta década. O estudo também aponta que modelos com motores flex e a diesel ainda serão maioria na frota brasileira em 2035. Ouça o bate-papo com Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea:

O executivo afirma que o mercado de veículos pesados continua sendo o mais desafiador, mesmo em países desenvolvidos como França, Espanha e Reino Unido. “Hoje não temos a possibilidade de eletrificação para longas distâncias. As empresas europeias estão avaliando o gás natural e a célula de combustível como alternativas mais sustentáveis que o diesel”, avalia Moraes.

No Brasil, marcas já começam a investir em caminhões e utilitários elétricos para transporte urbano. Este é o caso da Volkswagen , que aposta no caminhão elétrico e-Delivery . O modelo pode rodar apenas 250 km com 100% da bateria, fator que dificulta seu uso rodoviário. Para o JAC iEV1200T , a autonomia é de apenas 200 km.

Entretanto, os modelos já caíram no gosto das grandes empresas. Grupos importantes como PepsiCo, Ambev, Carrefour e Porto Seguro já fortaleceram suas frotas de caminhões 100% elétricos.

O estudo da Anfavea em parceria com a BCG indica que modelos eletrificados correspondem a 2% do mix de vendas de modelos leves. Em 2030, no melhor dos cenários, a representatividade do segmento pode variar entre 12% e 22%. Ouça o podcast para mais detalhes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários