Uso adequado das ciclovias é um dos recursos que existem para evitar acidentes graves com bicicletas no trânsito
Arquivo/Prefeitura de Praia Grande
Uso adequado das ciclovias é um dos recursos que existem para evitar acidentes graves com bicicletas no trânsito

Com o aumento do volume de bicicletas nas ruas do Brasil, como alternativa de transporte, também sobe o índice de acidentes, segundo levantamento feito pela Abramet (Associação Brasileira de Medicina no Tráfego). Conforme o estudo, nos cinco primeiros meses de 2021 houve alta de 30%.

Com isso, não apenas esse assunto, mas outros temas, como os efeitos da pandemia na mobilidade serão abordados no o XIV Congresso Brasileiro de Medicina do Tráfego nos dias 16 a 18 de setembro. Entre os dados do Ministério da Saúde, um dos que mais chamam atenção é a escalada no registro de sinistros no estado de Goiás: em 2021, houve um aumento de 240% em relação a 2020, com 406 casos a mais.

Merecem destaque, ainda, os Estados em que a incidência de sinistros graves acumulou crescimento de 100% ou mais, como Rondônia (113%) e Sergipe (100%). Entre os municípios, o estudo identifica panorama preocupante nas capitais , especialmente Belo Horizonte, Goiânia e Fortaleza.

O mapeamento preparado pela Abramet também avaliou o perfil dos ciclistas envolvidos em sinistros graves: cerca de 80% eram homens e a faixa etária predominante está entre 20 e 59 anos - que corresponde a 60% dos casos. No quadro abaixo é possível verificar os números de ciclistas acidentados no Brasil por faixa etária, de janeiro a maio de cada ano.

Abramet
Divulgação
Abramet

Segundo Flavio Adura, diretor científico da Abramet, a entidade aproveitará o conhecimento produzido para propor ações e procedimentos que aprimorem o atendimento de sinistros envolvendo o ciclista , assim como o reforço de políticas públicas que protejam essas vidas. 

"A superioridade numérica dos acidentes envolvendo pedestres e motociclistas fez com que os ciclistas fossem negligenciados enquanto objeto de políticas de prevenção. Percorrem ruas e estradas, partilhando espaço com veículos pesados e, muitas vezes, sequer sendo percebidos. Comparada a alguém que se desloca em um automóvel, uma pessoa que circula em uma bicicleta tem uma probabilidade de óbito 8 vezes maior", ressaltou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários