Cada vez mais, vemos casos de hackers invadindo sistemas de carros. O que poderá ocorrer no futuro?
Divulgação
Cada vez mais, vemos casos de hackers invadindo sistemas de carros. O que poderá ocorrer no futuro?

À medida que a tecnologia evolui, a gente começa a se deparar com fenômenos, até então, inusitados. Nessa semana, uma cliente da Movida alugou um Nissan Leaf, e ela alegou em sua redes sociais que, no meio de uma rodovia, que o carro havia apagado.

Na sequência, a cliente disse que a Movida teria, efetivamente, bloqueado o carro . Depois, a própria locadora veio a falar que estava devendo pagamento e por isso havia desativado. Será que, hoje em dia, os carros podem ser acessados e até desligados em movimento?

Teve um caso envolvendo a Tesla no exterior, onde um rapaz de 19 anos alegou ter acessado 20 carros em 15 países diferentes, e que, com isso, teve acesso, inclusive, ao sistema de condução autônoma do carro. Imagina alguém conseguindo controlar inúmeros carros de uma vez, estes em vários países diferentes. Ouça, a seguir, o nosso podcast sobre o assunto para acompanhar os detalhes.

Esses fenômenos podem estar cada vez mais próximos da realidade e, por isso, a situação chama atenção. Claro que há o “lado bom da moeda”, que é o de que isso pode contribuir para a comodidade dos ocupantes (tal como os aplicativos de controle remoto de alguns modelos da BMW , Audi , Mercedes , a Fiat Toro , entre outros). Mas, jamais, um carro deveria permitir seu bloqueio, em especial, nas vias de velocidades mais elevadas.

Entramos em contato com a  Nissan  para saber da possibilidade de ocorrer a situação que viraliza nas redes sociais.

Leia Também

A redação do iG Carros apurou que esse caso não teve qualquer envolvimento com a Nissan , uma vez que o bloqueio só poderia ter advindo de algum sistema próprio da Movida.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Em 2016, foi detectada uma vulnerabilidade na sua central multimídia , mas o problema foi resolvido globalmente na época por meio de software e não há mais registros de qualquer problema envolvendo o Leaf .

Sistemas autônomos poderiam passar ser controlados por hackers, entre outras funções
Divulgação
Sistemas autônomos poderiam passar ser controlados por hackers, entre outras funções

Por mais que não tenha sido o caso, hoje já é possível de se bloquear carros em movimento. Existem, no mercado, algumas empresas de rastreamento que oferecem um aparelho capaz de cortar o suprimento de combustível ao motor, para apagar o carro — em velocidades abaixo dos 20 km/h — quando, por exemplo, o mesmo é tomado do proprietário.

E há fabricantes que oferecem o sistema concierge , que nada mais é do que uma plataforma com atendentes físicos, que auxiliam o condutor e os passageiros. Normalmente, esses atendentes conseguem alterar funções na multimídia do carro remotamente.

Além disso, têm acesso ao rastreamento do carro , bem como conseguem identificar quando um acidente ocorreu. Nesse caso, também chamam equipes de socorro.

De todo o modo, quando falamos de acessos remotos que fogem da ciência e do controle do proprietário, devemos ficar atentos com relação às intenções daquele que está no controle.

Certamente as fabricantes de automóveis tomarão conhecimento dessa realidade para evitar, ao máximo, casos como o que citamos. Mas sabemos como é difícil manter distância de hackers . Por isso, estaremos sempre acompanhando casos como esses para contar para vocês.

** Guilherme Menezes é especialista em automóveis. Estagiou para o iG Carros entre 2017 e 2020, retornando como repórter em 2021. Apaixonado por carros, mecânica e pilotagem desde pequeno, é formado em Jornalismo pela PUC-SP e realizou o curso de Jornalismo Automotivo, oferecido pela Cásper Líbero e ministrado por Sérgio Quintanilha. Além disso, é graduado como piloto de corridas pela CBA, com diploma no curso de pilotagem do Mitsubishi Premium Racing School, ministrado por Ingo Hoffmann.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários