Quatro em cada dez brasileiros sem carro pretende comprar um automóvel próprio, aponta pesquisa da Globo Insights
Divulgação
Quatro em cada dez brasileiros sem carro pretende comprar um automóvel próprio, aponta pesquisa da Globo Insights

Com a pandemia de Covid-19, o mundo enfrentou diversas dificuldades. Para a indústria automobilística, não foi diferente. Diversas fábricas foram fechadas e a escassez de insumos desabasteceu o mercado de veículos novos.

A pandemia também abriu margem ao repasse de aumentos de todo tipo na estrutura de custo das montadoras, em toda a cadeia de suprimentos, desde a energia utilizada, até o frete dos materiais.

Todo este cenário fez a procura por carros seminovos explodir em 2021, contribuindo para a valorização de até 29% dos automóveis usados em todo o Brasil. Tudo isso acentua a elitização no consumo de automóveis.

Além dos carros novos  estarem em falta no mercado, eles também estão cada vez menos acessíveis para os consumidores, que precisam desembolsar, em média, 40 salários mínimos para conseguirem comprar um popular.

Até os carros usados tiveram uma valorização em massa, algo que não víamos ocorrer desde a virada do século
Divulgação
Até os carros usados tiveram uma valorização em massa, algo que não víamos ocorrer desde a virada do século

Esse é um indicativo que revela o fato do consumidor ter passado a dar preferência ao mercado de seminovos e usados , visto que, pelo mesmo preço do zero km, poderão ter um carro mais equipado e que depreciará menos — ainda que mais antigo. E isso está movimentando o ecossistema como um todo.

Leia Também

Leia Também

Quer mais detalhes de como está a situação do mercado? De acordo com o levantamento realizado pela consultoria KBB Brasil — empresa especializada em pesquisa de preços de veículos novos e usados — os preços dos carros zero subiram 8,3%, em média, no acumulado de 2021 até novembro. Já os seminovos tiveram alta de 15,1%. Enquanto isso, os carros usados, fabricados a partir de 2017, subiram 21% no mesmo período.

Diante desse cenário, empresas de tecnologia voltadas ao setor automotivo, enxergam a oportunidade de criar soluções que facilitem a possibilidade de compra e venda. Como é o caso da fintech Listo , que entrou em contato com a redação do iG Carros para propor o assunto do podcast de hoje e contar mais detalhes. Ouça na íntegra a seguir.

A empresa, dirigida por Olavo Cabral Netto aqui no Brasil, diz que o principal propósito deles é devolver a autonomia financeira aos seus clientes, por meio da facilidade no acesso a crédito , redução de custos e melhora na produtividade. Atuante em diversos países, conta com mais de 100 mil clientes e 80% de seu portfólio dentro do mercado de carros e motos.

Anfavea vê 2022 com positividade, apesar das perspectivas por trás dos desafios da indústria estarem mantidos
Divulgação
Anfavea vê 2022 com positividade, apesar das perspectivas por trás dos desafios da indústria estarem mantidos

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) não estima redução nos preços nos próximos meses de 2022. Entre os principais motivos, está a alta do dólar, que gera impacto na importação dos insumos, elevando o preço dos produtos nacionais e, consequentemente, aumentando o valor do veículo para o consumidor final.

Em um mercado onde os carros novos e usados não param de encarecer, é sempre muito interessante ver soluções como as da Listo chegando para não deixar o mercado esfriar e encolher. É a tecnologia e a logística financeira à serviço de quem trabalha e de quem compra.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários