O setor automotivo vive tempos de turbulência e precisa conciliar sua recuperação com o cumprimento de metas
Divulgação
O setor automotivo vive tempos de turbulência e precisa conciliar sua recuperação com o cumprimento de metas

A produção nacional de veículos registrou alta de 6,8% no mês de maio, ante o mesmo período de 2021 – quando apresentou 192,8 unidades. Ao todo, o quinto mês de 2022 produziu 205,9 mil unidades. Em relação ao mês de abril deste ano (186 mil unidades), o avanço foi de 10,7%.

Isso, segundo a própria Anfavea , é reflexo de um arrefecimento da crise dos semicondutores , que prejudicou o fornecimento de matéria prima para a indústria automotiva durante a pandemia.

Entretanto, conforme analisa o presidente da Instituição, Márcio Lima, ainda há uma demanda represada, tanto de pessoas físicas, quanto de locadoras e empresas com grandes frotas. Isso ainda se deve às paralisações das fábricas e à escassez dos componentes.

O crescimento dos mercados automotivos latino-americanos — em especial, o da Colômbia e do Chile — também beneficia a exportação brasileira de produtos. Foram 46,1 mil unidades enviadas para fora do Brasil. A situação está muito melhor do que em 2021, por ter crescido 24,6% (37 mil unidades) em comparação a maio do ano passado e 19,4% (166,6 mil) no acumulado.

Algo que deverá ajudar a tirar a dependência que o Brasil tem de outros países — quanto ao fornecimento dos semicondutores, por exemplo — é o desenvolvimento de um projeto — junto ao governo — de investimentos para a criação e a fabricação nacional desses chips. Segundo a entidade, isso deverá ganhar corpo em cerca de dois anos.

Ainda assim, o mercado brasileiro traz diversos elementos que aumentam a sua complexidade. Segundo a Anfavea, o aumento da taxa de juros reduziu o volume de vendas, uma vez que o público que depende de financiamento tem enfrentado maiores barreiras bancárias. A viabilidade das emissões de crédito está menor do que em anos anteriores, tal qual a dificuldade de receber uma concessão dos bancos.

Matrizes energéticas e metas ambientais

Os biocombustíveis são estratégicos para ajudar a indústria de mercados emergentes a neutralizar as emissões
Reprodução
Os biocombustíveis são estratégicos para ajudar a indústria de mercados emergentes a neutralizar as emissões

Misturado a isso tudo, há uma corrida pela descarbonização, tanto no Brasil, quanto em outros países. As fabricantes têm voltado seus esforços para o desenvolvimento de tecnologias para carros híbridos e elétricos .

Para a Anfavea, esse poderá (e deverá) ser o destino da indústria para as próximas décadas. Entretanto, o Brasil conta com alternativas energéticas que colocam o mercado nacional em vantagem, quando comparado com outros países.

O etanol é um combustível forte entre os motoristas e mais limpo que a gasolina. Além disso, o gás é mais uma fonte de energia alternativa , bem como o desenvolvimento das células de combustível , que estão em andamento no nosso país. Para o presidente, Márcio Lima, ignorar essas opções — e optar pela cópia do planejamento energético de outros países — é assumir um risco de desindustrialização do setor automotivo .

“Não podemos copiar o que está sendo adotado no exterior, com foco na descarbonização pois desindustrializaremos o Brasil. Não temos a estrita necessidade apenas dos elétricos, pelo menos nesse primeiro momento, pois temos matrizes energéticas alternativas à eletrificação”.

“Temos tecnologias de ponta para o desenvolvimento de novas soluções, por isso, não haverá uma solução única para a descarbonização. O nosso tempo será diferente dos outros países. Teremos um mix de alternativas”, diz.

A manutenção da antiquada frota de carros se deve às dificuldades da economia e ao volume de produção
Divulgação
A manutenção da antiquada frota de carros se deve às dificuldades da economia e ao volume de produção

Algo muito relacionado à descarbonização é o fenômeno do envelhecimento da frota de carros que circulam no Brasil. Ao mesmo tempo em que a descarbonização é um projeto para se concretizar no futuro, a manutenção (e não a renovação) da frota de carros no Brasil é algo que demanda uma solução mais imediata. Além disso, carros antigos também significam carros mais poluentes.

“Precisamos acelerar, com senso de urgência, a solução para a questão do envelhecimento da frota. Não podemos falar só de futuro, se o envelhecimento já ocorre, e ele também é fator chave para a contribuição da contaminação do meio ambiente. Focar só em veículos caros também contribuiria mais ainda para o envelhecimento”.

“Renovar a frota, trazendo um custo mais acessível , é essencial, tanto para resolver esse problema, quanto para o da descarbonização. Carros a combustão modernos, principalmente após o Proconve L7, são mais limpos do que os mais antigos. A Anfavea acredita que tem que enfrentar o problema e vê a necessidade de estender o programa ‘renovar’ para veículos leves”, afirma o presidente da Anfavea.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários