Hyundai Creta N Line foi criado para atender um público que gosta de mais esportividade
Guilherme Menezes/ iG Carros
Hyundai Creta N Line foi criado para atender um público que gosta de mais esportividade

A versão mais arrojada do Hyundai Creta é revelada no Brasil. Já está em pré-venda por R$ 159.490 e com 200 unidades disponíveis. Batizado de Creta N Line, ganha uma série de adornos esportivos no interior e no exterior, além de amortecedores, molas e sistema de direção recalibrados para entregar mais desempenho.

O SUV chega para inserir a Hyundai na nova tendência de mercado dos “quase esportivos”. Antigamente, era comum ver carros que se colocavam como esportivos, mas que, na realidade, não traziam nada além de adesivos e equipamentos estéticos. Ao mesmo tempo, há os esportivos legítimos, que seria a divisão N da Hyundai , por exemplo. Ouça detalhes a seguir:

A estreia da linha N-Line , com o Creta, vem para se posicionar no meio do caminho — mas, ainda, com uma boa distância dos N “puro-sangue”. Isso porque é oferecido exclusivamente com o motor 1.0 turbo com injeção direta de combustível e câmbio automático de 6 marchas, que entrega uma potência de 120 cv e 17,5 kgfm de torque, com aceleração até 100 km/h em 11,5 segundos.

Para descobrirmos mais detalhes sobre a novidade, entrevistamos Flávio Quarelli, gerente sênior de produto da Hyundai. Flávio esclarece que o Creta N-Line não será um carro de nicho para a marca, uma vez que, inclusive, seu preço é posicionado abaixo da versão topo de linha com o motor 2.0. Se trouxessem algum carro da divisão N, teria o dobro do preço.

“Para nós, o público-alvo para esse carro é uma pessoa que demonstra uma atitude mais forte, que gosta de chamar mais atenção. Notamos que o mercado amadureceu, em relação aos últimos anos. O consumidor mais exigente e, por isso, as montadoras têm buscado se diferenciar cada vez mais”, afirma Quarelli.

Perguntamos também sobre a possibilidade de reestilização do Creta no Brasil, já que, inclusive, mercados asiáticos — como os da Tailândia e do Vietnã — já ganharam um novo modelo. Entretanto, Fábio ressalta que esse visual renovado para o SUV é, nada mais nada menos, uma adequação ao público daqueles mercados, e que seria incorreto afirmar que poderia ser um facelift válido para o Brasil.

“Vamos ver como funcionará o lançamento da linha N-Line no Brasil. Mas prospectamos a vinda de novos modelos semelhantes para o Brasil. E o que as pessoas têm chamado de reestilização do carro na Ásia, nós não entendemos dessa forma", disse Quarelli.

E o executivo completou dizendo que "o Creta é um carro global, fabricado em vários países, e por conta de uma estratégia, cada lugar terá um Creta desenhado de um jeito, para que ele melhor atenda cada mercado”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários