Jeep arrow-options
Divulgação
A Jeep investe numa marca contemporânea e o Wrangler terá um versão híbrida plug-in

Neste mês, especificamente no dia 4, é comemorado internacionalmente o Dia do Jipe, ou do 4×4, em referência à categoria de veículo inaugurada pela Jeep. E, em 79 anos, a marca terá agora uma de suas maiores transformações: a versão híbrida plug-in do veículo-símbolo da marca: o Wrangler PHEV, que chega ao mercado em meados de 2021. Para o mercado brasileiro, é esperado ainda os lançamentos do Renegade e do Compass na configuração híbrida plug-in - isso, depois da crise automotiva deixada pela pandemia do coronavírus.

LEIA MAIS: VW já produz elétrico I.D3, mas pandemia atrasa chegada às lojas

Numa entrevista à revista inglesa Autocar, Christian Neunièr, CEO da Jeep , afirmou estar decidido a transformar a empresa “numa marca moderna, contemporânea e sustentável”. Para tornar a empresa mais “verde”, ele promete para breve uma série de novos produtos, com versões elétricas, incluindo Renegade, Compass e Wrangler. Os modelos terão o emblema de 4xe, o que é uma forma de associar o logotipo 4x4 (tração nas quatro rodas) com a designação “e” atual dos veículos eletrificados.

Jeep arrow-options
Divulgação
O Renegade PHEV deverá fazer sua estreia no Brasil no segundo semestre

No caso do Wrangler, o desafio é grande. Ele é famoso por sua capacidade de enfrentar condições pesadas de off-road e pelo fato de que, geralmente, não muda muito. O Wrangler de hoje é claramente um descendente do jipe quadrado que percorreu os campos de batalha da Segunda Guerra Mundial.

A Jeep não divulgou informações detalhadas sobre o trem de força do Wrangler EV , mas sabe-se que deve ter o motor V6 de 3,6 litros que hoje equipa a minivan Chrysler Pacifica, associado a uma potente bateria elétrica. Nos testes de fábrica, o Wrangler híbrido mostrou-se muito rápido: fez de 0 a 100 em 6 segundos, batendo o modelo à combustão.

LEIA MAIS: Devido ao coronavírus, Ford Mustang Mach-E é desenvolvido à distância

“Os fãs do Wrangler terão o Jeep elétrico mais capaz de todos os tempos. De uma forma geral, acreditamos que os nossos veículos PHEV têm um papel muito importante a desempenhar, pois oferecem muitas vantagens, por exemplo, um alcance de 50 quilômetros com zero emissão no modo elétrico”, disse o executivo.

Jeep arrow-options
Divulgação
O Compass terá um conjunto híbrido plug-in que permite carregar o motor elétrico numa tomada doméstica

Para o Brasil, a novidade, no curto prazo, deve ser o Renegade 4xe e o Compass 4xe. Eles possuem o mesmo conjunto mecânico com um sistema híbrido plug-in. No Renegade há o motor 1.3 em versões de 136 vc e no Compass com 180 cv, para tracionar as rodas dianteiras. Um motor elétrico de 60 cv aciona as rodas traseiras.

O motor elétrico é carregada durante a condução por frenagem regenerativa ou pode ter a carga externamente por uma tomada elétrica. A bateria permitirá que o carro funcione como por até 48 km com o veículo totalmente elétrico.

História no Brasil

Willys arrow-options
Divulgação
O utilitário Jipe era produzido pela Ford nas versões gasolina e álcool na fábrica de São Bernardo do Campo

Interessante que a Jeep tem uma história curiosa no mundo com vários donos. No Brasil, nas décadas 1970 e 1980, a marca estava em poder da Ford, que produzia o utilitário jipe, advindo da aquisição da então Willys-Overland. Após uma série de negociações, a marca Jeep retornou ao Brasil em 2002, Chrysler lançando a Grand Cherokee.

LEIA MAIS: A Indústria automotiva precisa mudar de marcha pós-coronavírus

Hoje a Jeep tem uma moderna fábrica na cidade de Goiana, no estado de Pernambuco, onde produz os atuais Renegade e Compass. No momento, ela está paralisada, como dezenas de outras no Brasil, devido à pandemia de coronavírus. Mas, é de se ressaltar um bom exemplo da Jeep na região, já que está auxiliando na criação de um hospital de campanha na cidade.

    Veja Também

      Mostrar mais